Mar chileno revela mais de 100 espécies novas para a ciência

0
541
views

Mar chileno revela mais de 100 espécies novas para a ciência

O Chile foi um dos primeiros países da América do Sul a proteger grandes porções de seu mar territorial. O país estabeleceu o Parque Nacional do Arquipélago Juan Fernandéz, em 1935. Esse parque, com 9.571 hectares, é o segundo mais antigo do Chile. Em 1977, a Unesco nomeou o arquipélago como Reserva da Biosfera. Em 2017, o parque se expandiu para incluir o mar ao redor das ilhas. Antes, em 2015, as Ilhas Desventuradas também ganharam proteção. A presidente Michele Bachelet criou o Parque Marinho Nazca-Desventuradas com o objetivo de preservar a biodiversidade endêmica intocada. O Chile agora colhe os benefícios do pioneirismo. Uma expedição marinha no mar chileno encontrou mais de 100 espécies desconhecidas e várias montanhas submarinas.

Navio e ROV da expedição ao mar chileno.
Navio e ROV da expedição ao mar chileno. Imagem, Schmidt Ocean Institute.

Expedição ‘alucinante’ em águas profundas do Chile

Segundo o Live Science, entre 8 de janeiro e 11 de fevereiro pesquisadores a bordo do navio de pesquisa Falkor do Schmidt Ocean Institute exploraram o fundo do mar ao largo da costa do Chile. A expedição, chamada de “Montantes Submarinos do Sudeste do Pacífico”, concentrou-se em montanhas submarinas, em três áreas principais: as cordilheiras de Nazca e Salas y Gómez – duas cadeias de mais de 200 montes submarinos que se estendem por 2.900 quilômetros do Chile à Ilha de Páscoa; bem como os parques marinhos Juan Fernández e Nazca-Desventuradas.

No total, os pesquisadores mapearam cerca de 52.800 quilômetros quadrados de oceano. Esses novos mapas altamente detalhados revelaram quatro montes submarinos solitários até então desconhecidos. O maior deles, que a equipe apelidou de Solito – significa “sozinho” em espanhol – eleva-se a 3.530 metros  acima do fundo do mar. 

coral do mar chileno recém descoberto
Segundo o Schmidt Ocean Institute, este é um coral em espiral documentado a 1419 metros de profundidade em Seamount JF1, dentro dos limites do Mar de Juan Fernández .

O Schmidt Ocean Institute diz que a recente expedição resultou na identificação de prósperos corais de profundidade, jardins de esponjas, ouriços-do-mar, anfípodes, lagostas e outras espécies provavelmente novas para a ciência. A ideia da expedição era coletar dados que poderiam apoiar a designação de uma área internacional protegida marinha de alto-mar.

berçário de polvos.
Um dos berçário de polvos encontrados. Imagem, Schmidt Ocean Institute.

Para o líder da expedição, Dr. Javier Sellanes, da Universidade Católica del Norte, “Nós superamos em muito as nossas esperanças nesta expedição. Você sempre espera encontrar novas espécies nessas áreas remotas e pouco exploradas. Contudo, a quantidade que encontramos, especialmente para alguns grupos como esponjas, é alucinante. Esses ecossistemas saudáveis indicam que os Parques Marinhos Nazca-Desventuradas e Juan Fernández protegem efetivamente os delicados habitats marinhos.”

Haverá uma segunda expedição com transmissão ao vivo!

O Schmidt Ocean Institute informa que uma segunda expedição ao longo do Salas y Gomez Ridge começará a bordo do navio de pesquisa Falkor (demais) em 24 de fevereiro. Os mergulhos serão transmitidos ao vivo no canal do Twitter do Schmidt Ocean Institute, à medida que os cientistas explorem áreas com mais de 600 metros de profundidade pela primeira vez.

PUBLICIDADE

filhote de polvo.
Um filhote de polvo que acara de eclodir. Imagem, Schmidt Ocean Institute.

“A identificação completa de espécies pode levar muitos anos. O Dr. Sellanas e sua equipe têm um número incrível de amostras deste hotspot de biodiversidade incrivelmente bonito e pouco conhecido”, disse o diretor executivo do Schmidt Ocean Institute, Jyotika Virmani. O Schmidt Ocean Institute é parceiro do Programa Nippon Foundation – Nekton Ocean Census, que estabeleceu a meta de encontrar 100.000 novas espécies marinhas nos próximos dez anos e, uma vez identificadas, essas novas espécies farão parte disso.”

A Live Science antecipa que outra área marinha protegida pode tornar-se realidade em função das descobertas. Os investigadores observaram que a maioria das espécies vive em habitats vulneráveis, como corais de água fria e jardins de esponjas, que são altamente suscetíveis a danos causados ​​pela pesca de arrasto e pela mineração em alto-mar. As novas espécies dos parques Juan Fernández e Nazca-Desventuradas estão legalmente protegidas contra estas ameaças. No entanto, os montes submarinos ao longo das cordilheiras de Nazca e Salas y Gómez estão atualmente desprotegidos.

Assista e conheça mais novidades da vida marinha descobertas

More Than 100 New Species Found on Underwater Mountains in South Pacific, Researchers Say

Consema: ‘manipulação do conselho para facilitar interesses do Governo do Estado’

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here