Manipulação dos Oceanos minimiza o aquecimento, será?

0
163
views

Manipulação dos Oceanos para minimizar aquecimento global: a nova ‘maluquice’ é um grande perigo!

A manipulação dos oceanos, algo muito sério, passou a ser brinquedo de milionários excêntricos e cientistas malucos. Ela nasceu da urgência em reduzir as emissões de gases de efeito estufa para limitar o aquecimento global. Os oceanos são o foco de especulação através da geoengenharia (intervenção deliberada e em grande escala no sistema climático da Terra), que desenvolve técnicas para tempos perigosos e efeitos colaterais potencialmente elevados. A matéria é do Raporterre, le quotidien de l’écologie.

ilustração de geoengenharia, ou manipulação dos oceanos
Geoengenharia, ou manipulação dos Oceanos? Ilustração:www.slideshare.net

Relatório do IPCC e a manipulação dos Oceanos

O último relatório do Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas (IPCC)- saiba mais aqui– sobre o aquecimento global não deixa dúvidas: para evitar o pior, seriam necessários 12 anos para reduzir pela metade as nossas emissões de gases do efeito de estufa. A missão parece tão difícil que algumas pessoas preferem procurar a varinha mágica … ou tecnológica. Em vez de mudar o sistema, por que não mudar o clima? Bloqueando a radiação solar ou mudando a química dos oceanos … Dos mistérios de poder aos laboratórios, a geoengenharia está progredindo.

Pesquisas sobre a manipulação dos oceanos

“Alguns países, como os Estados Unidos e China são tentados a lançar grandes programas de pesquisa sobre estes temas, observa Jean-Pierre Gattuso, diretor de pesquisa do CNRS (Centre national de la recherche scientifique) e pesquisador associado ao Iddri (Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Relações Internacionais). As rupturas do clima estão se tornando mais extremas e a mitigação é difícil: as soluções tecnológicas afiguram-se tão atraentes que parecem inevitáveis. “

“Soluções incertas, perigosas, com possíveis efeitos colaterais”

Para saber com mais clareza, um grupo de cientistas, incluindo Jean-Pierre Gattuso, estudou várias dessas tecnologias, especialmente aquelas voltadas para o oceano. Sua conclusão é irrevogável: “São soluções incertas, perigosas, com possíveis efeitos colaterais significativos, e abordam os sintomas sem abordar as causas da crise climática“, resume Alexander Margan, co-autor e pesquisador do estudo. O resultado de sua pesquisa foi publicado na revista Frontiers in Marine Science, sob o título Ocean Solutions.

Uma breve visão geral dessas falsas soluções

A seguir, algumas das ‘soluções’…

1. Testado e não aprovado: fertilização

A maioria dos métodos baseados no oceano procura aproveitar sua tremenda capacidade de armazenamento de carbono. Quase um terço de nossas emissões de CO2 são absorvidas pelo oceano, ou 26 milhões de toneladas por dia. A esponja oceânica funciona em parte graças ao fitoplâncton, que fotossintetiza mais da metade do oxigênio do planeta … e assim captura milhares de toneladas de CO2.

ilustração para fertilização técnica de manipulação dos oceanos
Fitoplâncton na base da cadeia alimentar oceânica.A fertilização é outra maneira de conseguir a manipulação dos oceanos. Ilustração: reporterre.net.

Desde o início dos anos 90, os cientistas trabalham na fertilização dos nossos mares. A operação envolve despejar ferro na água para impulsionar a atividade fotossintética do plâncton. “Em algumas regiões oceânicas, a captura de CO2 através da fotossíntese é limitada pela falta de alguns elementos, incluindo o ferro”, diz Gattuso. A pulverização de ferro atua como um fertilizante que estimula o desenvolvimento da planta marinha. “

Problemas da fertilização, um dos métodos de manipulação dos Oceanos

Quando você faz muita matéria orgânica na superfície, pode criar zonas hipóxicas ou anóxicas (sem oxigênio)”, alerta o pesquisador.  Cerejas podres no bolo fertilizado, os experimentos realizados, como o de 2009 no Oceano Antártico, mostraram-se muito decepcionantes. Esses riscos não impediram um empresário californiano de despejar 100 toneladas de sulfatos no Oceano Pacífico, em uma área de 10.000 km2, ilegalmente, em julho de 2012.
Acontece que a fertilização desperta o interesse da indústria da aquicultura, que espera, aumentando a quantidade de plâncton, impulsionar a população de salmão. O ‘experimento’ de julho de 2012 foi realizado com o apoio da Haida Salmon Restoration Corporation (Saiba mais sobre a problemática criação de salmão). Hoje, a pesquisa continua contra todas as probabilidades no Ocean Solutions, que visa reiterar a experiência do Chile.

2. Alcalinização: algo que poderia resolver tudo … ou destruir tudo

Existe outra maneira de aumentar a capacidade de absorção do mar. Não baseado em plantas marinhas, mas no funcionamento químico do oceano. A cada ano, o oceano naturalmente troca cerca de cem bilhões de toneladas de dióxido de carbono com a superfície. Este CO2 atmosférico se dissolve na água do mar, produzindo entre outras coisas ácido carbônico, o mesmo que contribui para a acidificação dos oceanos (entenda).

imagem de Óxido de magnésio usado na fertilização, ou manipulação dos oceanos
Óxido de magnésio. Foto:reporterre.net

Como fazer os mares absorverem mais CO2?

Basificando-os, em outras palavras, tornando-os básicos. “Quanto menor a acidez, maior a capacidade de absorção“, resume Jean-Pierre Gattuso. No papel, a solução parece simples: polvilhe as superfícies marinhas com um antiácido, como o magnésio ou o carbonato. E a modelagem científica é mais do que animadora: ao despejar 1 bilhão de toneladas de minério até o final do século 21, conseguimos estabilizar o aquecimento a 1,5ºC. De acordo com as últimas estimativas do Instituto Max Planck, Hamburgo, resumidas na edição de outubro de 2018 da Science and Life, o oceano poderia assim absorver 3.500 bilhões de toneladas de CO2 até o final do século.

Porém, aah, porém…

Porque ainda existe um ‘porém’, “esta técnica nunca foi implementada, porque é irrealista, dada a imensa infraestrutura que requer – minas enormes – e não é realmente útil, já que continuará a pagar pelos minerais enquanto as emissões de gases do efeito estufa continuarem, diz Jean-Pierre Gattuso. Isso apenas economizaria tempo. Sem mencionar que nenhum estudo aprofundado foi realizado sobre os efeitos da água básica nos ecossistemas marinhos.

3. Gerenciamento de radiação solar (?!)

Na família de gerenciamento de radiação solar o princípio: aumentar a refletividade das nuvens injetando microgotas de água do mar, se este filtro solar reduzir a temperatura, “não resolveria o problema das emissões de gases de efeito estufa“, alerta a ONG ETC, que escreveu documentos detalhados sobre geoengenharia. Acima de tudo, “mudar as nuvens pode ter conseqüências climáticas significativas“, insiste a associação. Apesar dos riscos, um projeto está planejado em Monterey Bay, Califórnia.

imagem do sol irradiando na superfície do oceano

É maluquice a manipulação dos Oceanos, ou não?

Da mesma forma, investigadores, por iniciativa do Ocean Solutions, examinaram outras técnicas destinadas a aumentar o albedo – capacidade de reflexão da radiação solar de uma determinada superfície – do oceano, cobrindo-os com uma espuma ou dispersão de microbolhas refletindo raios solares. Da mesma forma, o projeto Ice911 propõe a disseminação de microesferas de vidro no gelo e mar no Alasca.

Resultados? Sei não…

Mais uma vez, a ONG ETC está cética: “Além de reduzir o fluxo de luz essencial para a vida marinha, a espuma poderia reduzir o oxigênio em áreas abaixo da superfície e afetar a biodiversidade“. Pesquisas sobre esta técnica, no momento, foram limitadas a experimentos de laboratório e modelagem. As organizações internacionais que assinaram o manifesto temem que “a implantação dessas tecnologias dependa de infraestruturas militares e leve a novos desequilíbrios geopolíticos na corrida pelo controle do termostato da Terra”.

4. Bioenergia, a falsa panaceia

Para mais e mais pesquisadores e tomadores de decisão, a salvação virá das tecnologias de emissão negativa. Trata-se de produzir energia ao mesmo tempo que faz o inverso do que a revolução industrial anterior fez, ou seja, remover o dióxido de carbono da atmosfera e dos oceanos. Em inglês, essa técnica é chamada de Beccs (bioenergia com captura e armazenamento de carbono). O princípio é cultivar plantas, incluindo marinhas, possivelmente modificadas por engenharia genética, e então, queimá-las para produzir energia, enquanto recupera a fumaça que é enterrada para seqüestrar carbono.

Grandes incertezas sobre bioenergia, mais uma forma de manipulação dos oceanos

Os pesquisadores da Ocean Solutions Initiative questionam a viabilidade técnica de tal método: “Há, no momento, grandes incertezas quanto à sua implementação em escala global, devido à falta de experimentos com grande escala e falta de literatura científica sobre sucessos e fracassos “. A ONG ETC vai além, dizendo “essas tecnologias perigosas e fantasiosas”, poderiam “deixar os poluidores acreditarem que eles podem continuar a emitir CO2, já que as técnicas de emissão negativa irão um dia remover o carbono da atmosfera do planeta”.

Conclusão

“Todas essas soluções de geoengenharia são atraentes porque podem ser muito eficazes”, diz Jean-Pierre Gattuso. Mas eficiência não pode ser o único critério; Se uma técnica tem enormes efeitos colaterais sobre a biodiversidade, por exemplo, ela não será sustentável, mesmo que limite o aquecimento. “

Opinião do Mar Sem Fim

Republicamos esta matéria porque o assunto é importante, é a grande discussão nos países mais ricos neste momento. O tema não chega ao Brasil pela cegueira da grande imprensa que ainda não percebeu a importância dos Oceanos. Nada avança, na questão ambiental, sem passar por ampla investigação do assunto vis-a-vis a dramática situação dos Oceanos. A grande imprensa estrangeira, ao contrário, abre suas páginas, e cede seus minutos cada vez mais às discussões mundiais sobre os mares. Por esta ‘orfandade’ do público brasileiro, o Mar Sem Fim traduz, e publica. Ao menos ficamos sabendo da imensa distância que estamos das ‘soluções tecnológicas’. Melhor mesmo é largar o egoísmo de lado. De grão em grão a galinha também enche o bico. É isso aí. Use menos seu automóvel, dê ou peça carona ou, se puder, utilize o transporte público. Você terá o gosto especial de fazer sua parte.

Fonte: https://reporterre.net/Manipuler-les-oceans-une-mauvaise-idee-pour-lutter-contre-le-changement.

Conheça o importante e improvável legado ambiental do Governo Temer.

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here