Veleiro de pesquisa, ECO, da UFSC

6
257
views

Veleiro de pesquisa: projeto é realizado inteiramente por professores e alunos da instituição de Santa Catarina.

Veleiro de pesquisa

Com casco em alumínio e interior em fibra de vidro, o calado – parte que fica embaixo d’água — será adaptável para que o veleiro de pesquisa possa entrar em áreas rasas, como mangues e encostas
Foto: Cristiano Estrela / Agencia RBS

Por: Emanuelle Gomes.

Ao mesmo tempo que transpõe as barreiras impostas pelo mar, a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) está prestes a fazer a diferença em dois ramos importantes de pesquisa no país. Em setembro de 2014, um veleiro construído por alunos e professores da Engenharia Mecânica, em um estaleiro improvisado no Sapiens Parque, em Florianópolis, poderá se deslocar até os polos com pesquisadores do curso de Oceanografia.

O veleiro de pesquisa, batizado ECO (Expedição Científica Oceanográfica), é o único no Brasil que vai possibilitar uma estrutura completa para experimentos e coleta de material em expedições.

Curso da UFSC será o terceiro as ter um barco, no caso, um veleiro de pesquisa

Com isso, o curso de Oceanografia da UFSC, com apenas cinco anos de existência, será o terceiro do Brasil a ter um barco para ensino, pesquisa e extensão. Apenas a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Federal de Rio Grande (Furg) têm embarcações para esse fim no país. A USP, por exemplo, fez a compra de dois barcos, mas não são veleiros e nenhum deles foi construído pela universidade.

O veleiro de pesquisa catarinense recebeu recursos de R$ 1,5 milhão da Agência Brasileira de Inovação (Finep). Além de ser construído por alunos, a embarcação terá a aplicação de equipamentos desenvolvidos pelo departamento de Engenharia Mecânica.

— As aparelhagens de solda, por exemplo, foram construídas dentro da universidade. Essa é a maior obra do departamento — disse um dos coordenadores do projeto Jair Carlos Dutra.

Quando estiver pronto para ir ao mar, o veleiro de pesquisa também deve preencher uma grande lacuna e diminuir os gastos da universidade. A UFSC gasta R$ 3 mil com aluguel de embarcações apenas para o ensino de disciplinas da Oceanografia. Segundo a professora do curso Andrea Santarosa Freire são cerca de 20 saídas para o mar no semestre. Um investimento de mais de R$ 120 mil por ano.

— A partir da 3a fase, quase todas as disciplinas precisam de treinamento de alunos em atividades embarcadas. É inadmissível um curso de oceanografia não ter um barco — comentou a professora.

Por esse motivo, o curso já fechou parcerias. Alunos da Universidade do Vale do Itajaí (Univali) e da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul) poderão usar o veleiro. Com isso, todos os cursos com enfoque no mar em SC sairão ganhando.

Conheça o veleiro de pesquisa da UFSC

Veleiro de pesquisa

 

Projeto considerado inovador busca parceiros

O barco foi concebido para ser inovador. Com casco em alumínio e interior em fibra de vidro, o calado – parte que fica embaixo d’água — será adaptável para que o veleiro possa entrar em áreas rasas, como mangues e regiões costeiras. O professor Jair Carlos Dutra informou que,

Ele é resistente o suficiente para chegar nas regiões polares

Veleiro de pesquisa: tudo começou com dissertação de mestrado

A certeza é reforçada por quem integra a força-tarefa de construção do barco. Ela iniciou em 2011 como dissertação de mestrado do aluno de Engenharia Mecânica Cleber Marques, que continua no projeto, agora como doutorando. Andrea Piga, também aluno de doutorado, foi quem realizou as adaptações necessárias no projeto básico feito pelo engenheiro francês Olivier Petit.

A ideia era de que o motor fosse híbrido: a diesel e elétrico. No entanto os recursos do Finep não foram suficientes. Segundo Dutra, o barco, que no início seria de 40 pés, teve que passar para 60 pés e a mudança consumiu a verba disponível. Por enquanto, o veleiro terá motor convencional. Dutra ressaltou que

 Buscamos uma empresa que possa patrocinar. Vamos fazer dessa forma, mas podemos mudar depois para o elétrico

Verbas para a pesquisa

A professora Andrea Santarosa Freire relata que, como a pesquisa na área de oceanografia depende dos aluguéis de barcos, os recursos são em grande parte consumidos com o transporte e menos com a execução dos projetos. O veleiro, na percepção da professora , vai melhorar as condições de trabalho do curso e colocar a UFSC em destaque no cenário nacional.

Estamos torcendo para que ele entre na água o mais rapidamente possível. Vamos equipar e depois começar a usá-lo para ensino

Em um segundo momento não está descartada a possibilidade de viagens mais longas. A maioria dos professores do curso já faz pesquisa em locais afastados, como a Antártica.

 Conheça o triste fim do navio oceanográfico Prof. W. Besnard, o mais emblemático barco de pesquisas do Brasil.

COMPARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here