Diamantes extraídos de praias e mar da Namíbia

4
10037
views

Diamantes extraídos de praias e mar da Namíbia, saiba como

Milhões de anos atrás, pedras preciosas do coração do sul da África foram levadas para o oeste ao longo do Rio Orange e desaguaram no Oceano Atlântico. Enquanto algumas se espalharam pelas praias ao longo da costa da Namíbia, estimulando uma corrida de diamantes em 1908, outras foram parar no fundo do oceano. Hoje cerca de 70% da produção total de diamantes da Namíbia vêm do fundo do mar. Em 2018 foram produzidos cerca de 1,4 milhão de quilates. O país é o sétimo maior produtor de diamantes do mundo.

infográfico mostra operação de mineração de diamantes na Namíbia
O processo de mineração offshore. Ilustração, Washington Post.

A República da Namíbia

A República da Namíbia é um país da África que tem como fronteiras Angola e Zâmbia, ao norte, Botsuana, ao  leste,  África do Sul ao sul, e o oceano Atlântico do lado oeste. Até o final da Primeira Guerra Mundial a Namíbia era uma colônia Alemã.

Em 1920 a Liga das Nações  transferiu a administração para a África do Sul que perdurou até a independência do país em 1990. Sua população é de apenas 2,1 milhões de habitantes, uma das menores do mundo para a área territorial.

A base da economia é a agricultura, o turismo, e a mineração que inclui, além dos diamantes, urânio, ouro e prata. Mas o que nos interessa é a mineração de diamantes das praias e mar territorial da Namíbia.

Como são formados os diamantes

Os diamantes são formados quando o carbono é submetido a altas temperaturas e pressão no subsolo. Alguns foram lançados à superfície há milhões de anos em erupções vulcânicas.

PUBLICIDADE

Imagem de mineração em praia
Cicatrizes da mineração nas praias de Oranjemund. Imagem, https://www.breakingthecycle.education/.

Nas últimas décadas, os geólogos perceberam que, como os diamantes podiam ser encontrados no rio Orange, na Namíbia, havia uma boa chance de que eles também pudessem ser detectados nas praias e no mar, arrastados até lá por correntes.

Imagem de placa da cidade de Oranjemund
Por 81 anos Oranjemund ficou fechada ao público. Imagem, https://www.philadelphiadiamondco.com/.

No final das contas, as gemas subaquáticas estavam entre as pedras mais valiosas do mundo – com muito mais clareza do que os diamantes extraídos em terra. No início a mineração era feita nas praias. A cidade de Oranjemund ficou fechada ao público por 81 anos. Só podiam entrar funcionários da mineração e suas famílias.

Ao diminuir as jazidas em terra, a procura passou a ser feita no mar.

A nova fronteira para mineração de diamantes: o oceano

O problema é que não são apenas diamantes. Mas também, e especialmente, os  valiosos metais de terras raras particularmente os nódulos metálicos que se acumulam em torno das fontes hidrotermais, e que contam com jazidas de cobalto, níquel, molibdênio, nióbio, platina, titânio e telúrio, entre outros.

Imagem de braço mecânico de navio de mineração
Braço mecânico de um dos navios. Imagem, https://edition.cnn.com/.

A mineração submarina é controversa pelos enormes problemas que pode causar ao já debilitado ecossistema marinho.

A costa da Namíbia

A descoberta de tais gemas desencadeou uma revolução em uma das indústrias mais famosas do mundo, enviando empresas de mineração em uma corrida por pedras preciosas enterradas abaixo do fundo do mar.

Os especialistas preveem que a produção das minas terrestres existentes diminuirá em cerca de 2% ao ano nos próximos anos. Em 2050, a produção pode cessar.

Agora, algumas das primeiras “minas flutuantes” podem oferecer esperança para a gema mais mitificada do mundo e estender uma tábua de salvação para países como a Namíbia, cujas economias dependem de diamantes.

Em 2016, empresas de mineração extraíram US$ 600 milhões em diamantes da costa da Namíbia, sugando-os em mangueiras gigantes.

PUBLICIDADE

Os navios de mineração

Vistos de cima, os navios de mineração parecem plataformas de petróleo, navios de 100 metros de comprimento com plataformas de aterrissagem de helicópteros, equipamentos de dragagem e estacas metálicas industriais.

Imagem de navio de mineração de diamantes
Imagem, Simon Dawson/Bloomberg.

A De Beers, que historicamente dominou a produção global de diamantes, comprou direitos de mineração a mais de 3.000 milhas quadradas do fundo do mar da Namíbia em 1991. Até agora, ela explorou apenas 3 por cento dessa área.

Segundo o Washington Post, as gemas subaquáticas representam apenas cerca de 13 por cento do valor das minas de diamantes da De Beers em terra a cada ano. Mas, diz o jornal, mais países estão pressionando para que a exploração comece ao longo de suas costas.

As embarcações de mineração combinam tecnologia de plataformas de petróleo, navios de dragagem e até fábricas de enlatados para fazer seu trabalho. Um controle remoto semelhante a um trator se move lentamente ao longo da superfície do fundo do mar, direcionando uma mangueira que suga toneladas de sedimentos a cada hora.

O sedimento é então passado por uma série de máquinas que separam o material primeiro pelo tamanho e depois, usando a tecnologia de raios X, pela composição geológica. Os diamantes descem por cinco andares de esteiras transportadoras e máquinas até um recipiente de metal que parece uma lata de sopa.

A demanda por diamantes

Segundo o Washington Post, em 2016 o mundo gastou US$ 80 bilhões em joias com diamantes, mais da metade nos Estados Unidos, um recorde histórico. A demanda em economias emergentes como China e Índia também deve aumentar.

Quando os navios consideram que têm bastante diamantes eles são despachados direto para a capital do país, para serem examinados. Imagem,Simon Dawson/Bloomberg

Essas tendências – diminuição da oferta e aumento da demanda – tornaram os depósitos offshore da Namíbia ainda mais importantes. Na década de 1990, a De Beers enviou seus primeiros navios comerciais ao Atlântico em busca de diamantes. Agora, mais de 90 por cento da receita relacionada com diamantes da Namíbia vem de descobertas offshore.

PUBLICIDADE

Atualmente, a empresa usa drones para sobrevoar vastas extensões do oceano, em busca de áreas que valham a pena explorar. Em seguida, envia embarcações como o Mafuta para dragar as áreas mais promissoras. A maioria dos diamantes está perto da superfície, disse a De Beers.

A mineração de diamantes vai se expandir pelos oceanos?

A mineração de diamantes contribui com cerca de um décimo do produto interno bruto da Namíbia, e seu contrato offshore com a De Beers é uma parceria de 50-50 com o governo. Mas, embora a receita crescente tenha enriquecido alguns namibianos, este continua sendo o terceiro país mais desigual do mundo, de acordo com o Banco Mundial, com milhões de pessoas sem a ajuda da corrida do diamante.

Nem examina diamantes com lente
Os diamantes são examinados por funcionários da Namíbian Diamonds Trading Company, em Windhoek, a capital do país. Imagem, ps://edition.cnn.com.

Embora a Namíbia seja considerada o lugar mais fácil para extrair diamantes offshore, os executivos da mineração não estão descartando a exploração de outros trechos do oceano. A mineração marinha também ocorreu na costa da África do Sul, embora tenha se mostrado menos lucrativa.

Enquanto isso grupos ambientais levantam preocupações sobre as operações de mineração offshore, que expelem o sedimento de volta ao oceano depois que ele é processado. Mas entre a vida marinha e o valor dos diamantes, a escolha parece clara: mais mineração de diamantes.

Imagem de abertura: Simon Dawson/Bloomberg

Fontes: https://edition.cnn.com/2018/09/03/africa/marine-diamond-mining-namibia/index.html; https://www.washingtonpost.com/world/africa/a-new-frontier-for-diamond-mining-the-ocean/2017/07/01/a04d5fbe-0e40-4508-894d-b3456a28f24c_story.html; https://www.miningreview.com/diamonds-gems/namibia-leader-recovering-diamonds-sea/.

Mar de Mármara, poluição ameaça vida marinha

Comentários

4 COMENTÁRIOS

  1. Os diamantes são encontradas em magmas vulcânicas de hiberlitos, um dos maiores do mundo está na África do sul (cidade com nome), divisa com a Namíbia. É evidente que o “veio” hiberlítico é o mesmo, e se estende até o oceano na Nabíbia. No Brasil, há alguns hibertlitos, os principais, não por coincidência se situam em Reservas Indígenas, onde é proibida a mineração de qualquer espécie (prato para o contrabando oficializado pelos governantes). Um grande fica entre MT e Ro, na Reserva Roosevelt, onde estão as tribos Cinta Larga, Outro, provavelmente está em Roraima (divisa com a Guiana Inglesa), que é veio de Nióbio (usado em turbinas), até por “coincidênca”, é certo que lá além de Ni há também diamante. na criação teve a presença de Lula e a Rainha da Inglaterra. O Ni é contrabando oficial do governo federa.
    O país poderia ser um grande exportador “oficial” de minérios inclusive raros, como Ouro e Nióbio, além de pedras, mas não é porque os politicos preferem o contrabando controlado por eles mesmos.
    arioba

  2. A produção de pequenos mineradores independentes, garimpeiros, por exemplo, possibilita acesso a riqueza de maior número de pessoas. Os grandes garimpos, formam o lado mais democrático na produção desse setor.

  3. A Debeers é tao ou mais corrupta que muito governo e ditador africano, como da Namíbia que estes pagamentos nunca chegarão ao povo, como fez na Africa do Sul onde seus pagamentos e taxas praticamente em séculos nunca chegou aos povo miserável negro, voltando grande parte a coroa britânica, sustentada ate nas suas joias pela exploração dos miseráveis das suas coloniais, dai a não existir uma única colônia hoje rica e todas miseráveis, como o pobre povo indiano. Essa empresa bilionária só se enriqueceu graças a corrupção e associação ao explorador coroa britânica. Deveriam ambas devolver toda sua fortuna aos diversos povos miseráveis explorados, a começar pelas joias da coroa, nobreza amada pelos ingleses pois nunca tirou centavo deles e só das colonias, como portugueses e espanhóis fizeram. Tudo farinha podre do mesmo saco, com diferença dos ingleses mostrarem ate hoje em exposição as riquezas exploradas e mantendo o luxo dessa nobreza. Será que os adorados principeis sabem disso e sua manutenção? Devem muito a Debeer.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here