Criação de peixes em cativeiro: algumas notícias

6
834
views

Criação de peixes em cativeiro: algumas notícias

A edição de Junho de 2014 da prestigiosa National Geographic trouxe uma matéria com o título “O Milagre dos Peixes”, com dados que até certo ponto eu desconhecia. O tema é polêmico e já foi abordado por este site em outras ocasiões.trata-se da criação de peixes em cativeiro.

O mundo produz mais carne de animais marinhos do que boi – e isso é só o começo

O sub-título da matéria da NG é sugestivo quanto à ‘polêmica’  mencionada: “A revolução azul, nos Oceanos, é um meio de solucionar o quebra-cabeças alimentar ?” Em seguida um dado novo e importante: “hoje o mundo produz mais carne de animais marinhos do que boi – e isso é só o começo.”

A matéria é assinada por Joel K. Bourne Jr, com fotos de Brian Skerry.

Setor da aquicultura multiplicou-se 14 vezes desde 1980

A seguir destaco os pontos que julguei os mais importantes: ” o setor da aquicultura multiplicou-se 14 vezes desde 1980. Em 2012, a produção global alcançou mais de 66 milhões de toneladas – ultrapassou pela primeira vez a produção de carne bovina.” E completa: ” tal volume constitui quase metade de todos os peixes e frutos do mar comidos na Terra.”

35% de aumento de consumo de peixes nos próximos 20 anos

A estimativa para a demanda de peixes, pelo consumidor, é promissora segundo a revista: “35% de aumento nos próximos 20 anos”. Como atingir tal objetivo se a pesca está estagnada mundo afora? A única solução seriam as fazendas de peixes e crustáceos.

A especialista em política alimentar, Rosamond Naylor, da Universidade de Stanford confirma:

 Não há como obtermos todas as proteínas que necessitamos só com a pesca em condições naturais.

Como alimentar 7.4 bilhões de pessoas?

Hoje somos 7.4 bilhões de pessoas. Em 2050 seremos 9 bilhões! Não será tarefa fácil alimentar tamanha quantidade de gente. Nos países desenvolvidos a agricultura e pecuária utilizam tecnologia de ponta, biotecnologia, e técnicas inovadoras para aumentarem suas produções. Isto é positivo, por um lado, mas negativo se olharmos outro ângulo. Nestes países, ditos desenvolvidos, cada vez menos gente produz no campo. São substituídos por máquinas. O que fazer dos desempregados? Como prover tantos novos empregos?

E nos países subdesenvolvidos como os da África, por exemplo, como fazer?

Mas, e nos países subdesenvolvidos como os da África, por exemplo, como fazer? Que dizer dos países do Oriente Médio e seus desertos que, aparentemente, aumentam de tamanho a cada ano?

Terá chegada a hora de partirmos para a “revolução azul”?

Terá chegada a hora de partirmos para a “revolução azul”, com intuito de finalmente pararmos de apenas retirar proteínas do mar,  sem dar tempo da natureza renová-las como vem acontecendo?

É esta a questão levantada pela National Geographic: “muita gente teme que se cometam nos oceanos os mesmos erros da produção industrial da carne. Por isso, é grande o empenho para fazer as coisas certas desde o início.”

Problemas da pesca mundial

Os problemas da pesca mundial estão fora de controle. De acordo com dados da FAO a frota pesqueira mundial é 40% maior que a capacidade dos oceanos podem suportar. Os subsídios à atividade atingem a gigantesca cifra de 20 bilhões de dólares ao ano! Prova definitiva de que é insustentável. Por ano são retirados dos mares algo como 143 milhões de toneladas de pescado. 90% dos grandes peixes (matrizes, portanto) já não existem mais. E por aí vai. Sem falar na poluição e desaparecimento de habitats.

Criação de peixes em cativeiro, imagem de pesqueiro-em-angra-dos-reis
Enorme barco de pesca em Angra dos Reis.

Chegou a hora de partirmos para a ‘revolução azul’. Como fazê-la sem prejudicar ainda mais a vida marinha?

Sim,  chegou a hora de partirmos para a ‘revolução azul’. O problema é como fazê-la sem prejudicar ainda mais a vida marinha. A NG confirma: “a revolução azul também trouxe as mazelas do agronegócio como destruição de habitats, poluição e ameaças à segurança alimentar.”

Criação de peixes em cativeiro, imagem de fazenda de camarão -no-ceara-aracati
Ceará, vale do Jaguaribe. Onde se vê tanques de criação de camarões, antes via-se mangue. Ele foi extirpado pelo dono do projeto, na época, prefeito de Aracati.

Fazendas de camarão no Nordeste: um disparate

O caso brasileiro é exemplar. No Nordeste, nos anos 80, começou uma febre de criação de camarões em cativeiro. Visitei dezenas de fazendas, do sul da Bahia, até o norte do Piauí.

como faze-la sem prejudicar ainda mais a vida marinha, imagem de moça-e-ração-para-camarões-Bahia
A repórter Paulina Chamorro, minha companheira na primeira viagem pela costa brasileira, mostra a reação de peixes para a criação de camarões no sul da Bahia.

E o que vi foi desolador. Recomendo mais uma vez o documentário que fiz a respeito. Naquela região enormes áreas de mangue (importante berçário de vida marinha) foram extirpadas para dar lugar aos tanques de criação. Pior: escolheram um tipo exótico, o panneus vanamei, originário do Pacífico. Ou seja, de uma só vez, os carcinicultores fizeram duas bobagens que podem nos custar muito caro: a destruição de habitats naturais, e a introdução de espécies exóticas.

E não só no Brasil aconteceu este desastre.

O mau exemplo da criação de peixes na Ásia, e em outros recantos do mundo

De acordo com a  NG ” a poluição resultante da aquicultura – um coquetel pútrido de nitrogênio, fósforo e resquícios de peixes – tornou-se uma ameaça generalizada na Ásia, onde se localizam 90% dos criatórios de peixes.

Para manter vivos os peixes nos tanques recorrem a antibióticos e pesticidas

Para manter vivos os peixes nos tanques apinhados, alguns criadores asiáticos (e quase todos os carcinicultores brasileiros, acrescento) recorrem a antibióticos e pesticidas, cujo emprego está proibido nos Estados Unidos, na Europa, e no Japão.”

Criação de peixes em cativeiro, imagem do salmão-do-atlântico
Salmão-do-atlântico. (fonte: unes.com.br)

Criação de peixes em cativeiro: Salmão, febre de criação

A NG prossegue informando que “nas últimas três décadas, criadores de peixes instalaram incontáveis cercados com salmão-do-atlântico em fiordes desde a costa da Noruega até a Patagônia – e tais áreas, até então intocadas, viraram focos de poluição, parasitas e enfermidades.” E prossegue: ” em 2012 as fazendas de camarão na Escócia perderam quase um décimo dos espécimes devido a uma infecção amébica das guelras. No Chile, anemias infecciosas causaram a morte de salmões no valor estimado de 2 bilhões de dólares desde 2007.  Em 2011, uma epidemia acabou com todo o setor produtivo de camarões em Moçambique.”

Criação de peixes em cativeiro, imagem de fazenda-de-salmao
Fazenda de criação de peixes, no caso salmão, que visitei nos canais chilenos da patagônia.
Criação de peixes em cativeiro, imagem de tanques-de-salmao-
Tanques de salmão onde os chilenos criam até 30 mil peixes em cada tanque.
Criação de peixes em cativeiro, imagem de monitoramento-dos-tanques de criação de salmões
Os tanques são monitorados dia e noite. Mesmo assim o desastre se abateu sobre as fazendas chilenas.

Para saber mais, sobre a criação de peixes, assista este documentário:

Há outro documentário a respeito da criação de salmões no Chile: Ovas de Ouro (Chile/2005) – Diretor: Manuel Gonzalez / Formato original: Vídeo Betacam SP / NTSC Duração 63’. Este documentário foi o grande ganhador do VIII Fica. O roteiro é uma radiografia inspirada e orientada para delatar o comportamento do império industrial salmoneiro e pesqueiro que age nas costas do Chile. (Troféu Cora Coralina (maior destaque do festival) e premiação de R$ 50 mil).

Fazendas de criação de peixes nos Estados Unidos são no interior

Ao contrário do Brasil, e das fazendas asiáticas, as dos Estados Unidos ao invés de serem no litoral, são no interior. E isto faz toda a diferença. De acordo com a NG ” para Bill Martin, criador de tilápias, mais conhecidas nos restaurantes como ‘Saint-Pierre’, a solução é óbvia: criar os peixes em tanques em terra firme. E não em cercados nos lagos ou no mar. Nos cercados não há como evitar as doenças e mortes.

Criação de peixes em cativeiro, imagem de tilápia
A Tilápia, ou “Saint- Pierre” nos restaurantes.

Criação de peixes em cativeiro: nos USA não são de manutenção barata

A NG ressalta que “fazendas no interior não são de manutenção barata. “Para manter vivos os peixes, Bill teve que instalar um sistema de tratamento de água tão grande quanto o necessário para manter uma cidade de pequeno porte. Martim recicla 85% das água nos tanques, e o restante – segue para a unidade local de tratamento de esgoto, ao passo que os dejetos sólidos mais volumosos são levados para um aterro sanitário. Para repor a água perdida, ele retira mais de um milhão de litros de água de um aquífero.” A fazenda de Bill, uma das maiores dos USA chama-se Blue Ridge.

Ainda assim, ressalta a revista, “por enquanto apenas algumas empresas estão produzindo peixes – incluindo salmão, bijupirá e truta – em tanques em terra firme.”

Criação de peixes em cativeiro: no Panamá são em mar aberto

A revista comenta a fazenda de Brian O’Hanlon, no Panamá, “que segue na direção oposta”. Na costa do Panamá “O’Hanlon comanda a maior empresa de criação de peixes em mar aberto no mundo, a Open Blue. Ela emprega 200 funcionários e tem uma frota de barcos usados na manutenção de uma dúzia de gaiolas gigantes. Elas podem abrigar mais de 1 milhão de bijupirás, peixe   que, tal como o salmão, tem os saudáveis ácidos grados ômega 3. Em 2013 O’Hanlon vendeu mais de 800 toneladas a restaurantes por todo os Estados Unidos.”

Criação de peixes em cativeiro, no Panamá, imagem de bijupirá
O bijupirá. (fonte: pescaesportiva.org)

Custos de manutenção da criação de peixes em cativeiro

“Os custos de manutenção e operação em mar aberto não são pequenos. As gaiolas de O’Hanlon estão em uma área em que ondas chegam aos 6 metros ou mais. Esta movimentação vem a calhar pois ajuda a evitar a poluição e as doenças. Até agora ele não precisou tratar os bijupirás com antibióticos. E os pesquisadores da Universidade de Miami não detectaram nenhum resquício de dejeto de peixes fora das gaiolas. Eles desconfiam que os dejetos diluídos acabam sendo consumidos pelo plâncton subnutrido, uma vez que as águas em mar aberto são carentes de nutrientes”.

Criação de peixes em cativeiro, imagem de pesquisa-no mar com bijupirá
Pesquisa com criação de bijupirás no Brasil. (fonte: Jornal Agora)

Criação de peixes em cativeiro: ampliar a escala é grande desafio

Mas este criador pensa de modo diferente de Bill Martin. Segundo ele ” o sistema de reúso de água, como o de Bill Martin, jamais vão produzir biomassa em quantidade suficiente. Não há como eles ampliarem a escala de modo a atender às demandas do mercado. Para obter lucro, prossegue, vai ser como na produção industrial de gado: atulhar a maior quantidade possível de peixes, no limite para que permaneçam vivos”.

Criação de peixes em cativeiro, imagem de gaiolas-de-criação-de-tilápias-na-Bahia
Criação de peixes em cativeiro: giolas de criação de tilápias. Rio Cairu,Bahia.

Criação de tilápias no sul da Bahia

Apesar destas informações no Sul da Bahia, no rio Cairu, cria-se tilápias, um agressivo peixe africano, de água doce, na região de estuário. Um total contra-senso. E com apoio do Governo do Estado. Filmei e fotografei uma fazenda numa de minhas viagens.

Criação de peixes em cativeiro, imagem de despesca-da-tilápia-no-rio-Cairu
Criação de peixes em cativeiro

A alimentação dos peixes em cativeiro

Segundo o texto de NG “os peixes apresentam uma enorme vantagem em relação aos animais terrestres: não necessitam de tanta comida. Requerem uma quantidade menor de calorias porque têm sangue frio e também porque flutuando em um meio aquático. Não precisam lutar tanto contra a gravidade. Cerca de 1 quilo de ração de peixe em cativeiro (são necessários 2 quilos para obter 1 quilo de frango; 3 quilos para conseguir um quilo de carne de porco; e 7 quilos de ração para 1 quilo de carne bovina).”

De acordo com a revista os criadores de bijupirás “usam pelotas de peixe contendo até 25% da ração de peixe e 5% de óleo de peixe – o restante é constituído de nutrientes extraídos de cereais.”

Criação de peixes em cativeiro: ração e óleo vem de peixes menores

Mas, ressalta a matéria: “a ração e óleo vem de peixes menores como sardinhas e anchovas. Elas se movem em cardumes ao largo do litoral do Pacífico, na América do Sul. Estes cardumes estão entre os maiores do planeta, mas tendem a sofrer colapsos espetaculares ( grifo meu).

Parcela que corresponde à aquicultura quase dobrou desde a virada do século

A NG alerta: “a parcela que corresponde à aquicultura na retirada destes peixes menores quase dobrou desde a virada do século. Ela agora chega quase a 70% do suprimento global de ração de peixe e a quase 90% de todo o óleo de peixe.

Mercado está aquecido: países enviam navios à Antártica a fim de recolher 200 mil toneladas anuais de Krill

Mas o pior vem agora: “o mercado está tão aquecido que alguns países enviam navios aos mares da Antártica a fim de recolher 200 mil toneladas anuais de Krill – uma fonte de nutrientes crucial para pinguins, focas e baleias.” E finaliza: “críticos ressaltam que é uma insanidade recolher a base da cadeia alimentar (krill) para produzir doses de proteína barata (grifo meu)“.

Quantidade de peixes menores, usada por quilo de ração, diminuiu 80%

Para finalizar a NG informa que “a quantidade de peixes menores usada por quilo de ração diminuiu 80% nos últimos 15 anos”. A revista cita Rick Barrow, que, nas últimas três décadas, vem desenvolvendo rações em um laboratório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. Segundo ele, “os peixes não precisam de ração de peixe, e sim de nutrientes. A gente cria trutas com dietas vegetarianas.”

Criação de peixes em cativeiro: recado final

“Encontrar a melhor maneira de alimentar os peixes em cativeiro pode ser, em última análise, mais importante para o planeta do que decidir o melhor lugar para cria-los”.

No Brasil

Recentemente tomei conhecimento de uma nova tentativa de criar peixes em cativeiro no litoral de São Paulo e Rio de Janeiro. Neste caso é para a criação da Garoupa- Verdadeira.Vou investigar mais para poder fazer uma postarem sobre isto.

Conclusão do Mar Sem Fim

O caso ainda está longe de ser resolvido. A informação acima é uma prova: ainda é preciso “encontrar a melhor maneira de alimentar os peixes em cativeiro”. Portanto, olho vivo.

Tubarão-boca-grande é encontrado nas Filipinas

COMPARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Lamentável é saber que com toda a costa Brasileira, nos tornamos ESGOTO pra cá vem peixe criado no lodo ! criado onde houve a maior descarga de chumbo da história da humanidade ! e o que fazem contra isto ? nossa pesca ficou fragilizada ao longo dos anos pela depredação, e nossa produção não tem como competir com o que é importado ! lanço uma pergunta : porque não importamos CAMARÃO ?

    • Olá, amigo, obrigado pela mensagem. Pois é, a situação de nosso litoral é crítica, mas ainda dá tempo de arrumar se todos quisermos. E não pense que só o litoral brasileiro tem problemas. O país mais rido do mundo, os Estados Unidos, tem uma penca de problemas. Lá eles conseguiram universalizar o tratamento de esgotos. No entanto, uma das maiores zonas mortas dos oceanos (há 400 espalhadas pelos sete mares), zonas sem oxigênio para que haja vida marinha, fica na foz do rio Mississipi. É que quando chove, a água lava o solo e segue pro rio. Ao lavar o solo, leva consigo enorme quantidade de agrotóxicos usados na agricultura em todo o vale do Mississipi.Quando este caldo mortal encontra o mar, mata o que estiver no caminho. É isso, vamos lutar pelo que é nosso. Vamos exigir seriedade de nossos políticos sem-vergonha. Vamos exercer cidadania. Unidos, a gente consegue. É isso. Abraços e volte sempre!

  2. João, na Croácia existem várias fazendas de ATUM, são cercados gigantes e profundos, conheço 3 projetos, todos na Dalmácia, chegam a criar atuns de 100 kilos!!! Quem comanda a retirada e matança dos atuns são empresas japonesas, elas é que classificam os peixes e determinam seu destino. Volta e meia saiem aviões cargueiros com Atuns frescos, recém abatidos para o Japão, os peixes de menor classificaçao seguem de barcos especiais…

    • Oi, Toninho, obrigado pela informação. Já sabia de criação de atuns no Mediterrâneo, mas não na Croácia. Se vc achar algum site relacionado a esta criação por favor avise. Abração

  3. Minha mãe D. Olga mora no interior de São Paulo nascida no litoral paulista gosta do programa e gostaria de manifestar e compartilhar sua indignação com relação a ocupação do litoral brasileiro pois ela considera que este deve ser livre a qualquer pessoa.

    Manda também um abração a equipe do programa Mar Sem Fim e ainda diz que só perde qdo tem temporal..rs

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here