Vendaval em Punta Arenas, deu medo

19
1326
views

Vendaval em Punta Arenas antes da partida para a Antártica

Aconteceu dia 11 de janeiro de 12013, enquanto preparávamos o equipamento para levar até a Ilha Rei George, local do naufrágio. Foi um dia de muita ação. Pela manhã tivemos uma reunião a bordo do Felinto Perry, com a presença do Comandante Luiz Felipe e seus oficiais, eu, Plinio, e “don” Francisco Ayarza, da empresa Nautilus,  encarregado de resgatar o Mar Sem Fim.

Vendaval em Punta Arenas
Um dos botes do Felinto Perry.

Mais uma vez foi discutida a “faina” que seria feita ao chegarmos à Antártica. “Don” Francisco, como  dizem os chilenos, repassou a sua parte. Havia a preocupação do Comandante Luiz Felipe sobre quem seria o responsável pela certificação das condições do Mar Sem Fim ser rebocado através do pior pedaço de mar que existe: o estreito de Drake, cerca de 500 milhas que separam o finalzinho da América do Sul do continente antártico.

Vendaval em Punta Arenas
Alessandro e Alexandre trabalham no cais observados pelo Plinio.

Outra questão da pauta era definir a empresa que  rebocaria o Marzão. Fechei com a Ultratug, que usou um rebocador de 90 pés (31 metros), de 130 toneladas, com dois motores caterpilar de 3.500 hps cada.

Vendaval em Punta Arenas
Detalhes do hall de entrada da “oficina” de don Francisco Ayarza.

Duro foi decidir quem daria a certificação pro Mar Sem Fim navegar. “Don” Francisco insistia que não era com ele. Sua parte seria trazer o barco à tona, e ajudar a consertá-lo para a travessia. A companhia de rebocadores também se recusou alegando que sua tarefa seria apenas trazer o barco de volta para Punta Arenas…

Vendaval em Punta Arenas
É, ou não, charmoso?

Na verdade havia um certo medo de que o barco naufragasse durante a travessia. De quem seria a culpa? Decidiu-se pela contratação de um  renomado engenheiro naval de Punta Arenas que iria de avião para a ilha Rei George vistoriar o barco antes da travessia.

PUBLICIDADE

Vendaval em Punta Arenas
Não lembra os livros do Tintim?

Demorou mas chegamos a uma conclusão que agradou a todos.

Vendaval em Punta Arenas
Pela manhã o vento estava na casa dos 40 nós…

Dia de de vendaval em Punta Arenas

Em seguida eu e Plinio fomos até o escritório de don Francisco. Uma jóia. Me fez lembrar os livros de aventuras do repórter Tintim: quadros náuticos na parede, escafandros antigos, objetos recuperados de naufrágios, um show. Curiosamente, don Francisco lembra muito a figura do comandante Haddock, quem leu sabe, o inseparável amigo do intrépido  Tintim.

Vendaval em Punta Arenas
No final da tarde o sudoeste estava beirando os 70 nós nas rajadas.

Diário de bordo do resgate do mar sem fim

Neste dia escrevi:

No momento estamos a espera de uma melhora do tempo que anda brabo por aqui. Hoje houve um vendaval em Punta Arenas.  Poucas vezes vi algo assim: 60 nós de sudoeste, com rajadas de até 70 nós ( cerca de 120 quilômetros por hora)!!

Está difícil andar na rua  tamanha a força do vento. Ora ele te joga pra frente, ora pra trás, sempre com uma força tremenda que me lembrou os dias que antecederam o naufrágio em abril de 2012.

Vendaval em Punta Arenas
Tive que me segurar para tirar a foto. O vento quase me joga no mar de tão forte.

E finalizei:

Estamos programados para sair na segunda- feira, dia 14 de janeiro. Espero que até lá as condições de tempo estejam melhores. Até breve.

Saiba mais sobre o resgate do Mar Sem Fim.

Comentários

19 COMENTÁRIOS

  1. Saudações.
    Não sou nenhum “figurão” do mundo náutico, apenas amo o mar e velejo com meu pequeno Hobie Cat 16 e me delicio com suas matérias desde a época do veleiro Mar Sem Fim na costa brasileira do Oiapoque ao Chui.
    Hoje, dia 14 de janeiro, não sei se partiu ou não. De qualquer forma, apesar de não conhecê-lo pessoalmente, estou na torcida de que você com sua equipe tragam o “Marzão” de volta sem nenhuma intercorrência no trajeto.
    Lamento o fato de a mídia não cobrir esta empreita importante e grandiosa, uma verdadeira epopéia. Tenho certeza que saberá descrever em palavras esta grande aventura encabeça por você.
    Parabéns e Sucesso.
    Jaime.

    • Aurello, obrigado pela força. Infelizmente o Marzão não vai ser capaz de navegar depois de quase um ano debaixo dágua. Vamos tirá-lo da Antártica porque o continente foi consagrado à pesquisa. De acordo com o Tratado Antártico, do qual o Brasil é signatário, nada que seja estranho deve permanecer por lá. É por este motivo que o Brasil está retirando o que sobrou da Base Comandante Ferraz, que pegou fogo no ano passado, e vai construir uma nova base no ano que vem. Da mesma forma eu vou retirar meu querido barco, traze-lo para a América do Sul e, provavelmente, vendê-lo como sucata aqui mesmo em Punta Arenas. É um final triste para um barco tão legal, tão marinheiro, como era o Mar Sem Fim, mas é esta a realidade. Não está send fácil aceitar isto. Mas fazer o quê?
      Este foi o custo de uma série de decisões erradas que tomei.Infelizmente, só assim a gente aprende. Abraços

  2. Olá João , nao conheci esse Mar sem Fim, mas tive o prazer de ser parte da tripulação do Veleiro Mar sem Fim junto com o Alonso Goês !! Tenho certeza q apesar das dificuldades na recuperação desse seu barco se existe alguém q poderá fazê-lo êh vc! Boa Sorte e ventos amenos para vc! Um abraço Rogério Granja

    • Obrigado, Rogério, mas infelizmente o Marzão está condenado depois de quase um ano debaixo dágua,. Vamos tira-lo da Antártica pq o continente é dedicado a pesquisa e nada que não seja de lá deve ficar. É duro mas é a realidade.
      Abraços

    • Oi, Rogério, não sabia de suas viagens com o velho e bom Aloso Goes. Que bom que vc paroveitou. Ele é uma pessoa especial, fora de série.
      Bom, obrigado pela mensagem, abraços e tudo de bom!

  3. O mar e seus mistérios, que impulsionam os seres a desvendá-los!
    Imagens belíssimas!!!
    Também espero que as condições do tempo melhore, até dia 14,
    assim possam fazer, uma viagem tranquila.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here