Sophie Bely, a morte trágica de uma navegadora

24
5360
views

Sophie Bely, a morte trágica de uma navegadora audaz

Sophie Bely, a morte trágica de uma navegadora. Uma tarde levei um susto tão grande que me deixou atordoado. Lá pelas tantas, resolvi xeretar o WhatsApp, justo eu, que quase não uso celular. Um direto no queixo. O amigo, Betão Pandiane, passou o seguinte recado: “Uma notícia triste. Recebi a notícia que a Sophie Bely caiu no mar junto com o capitão e amigo do barco que ela estava. Eles voltavam da Geórgia do Sul quando uma onda adernou o barco e levou duas pessoas. A Sophie e o Arnout, comandante do barco (o veleiro polar Paradise). O Igor está no Kotic na Antártica trabalhando. Está muito abalado. Não tenho mais informações mas isso parece que foi ontem (6 de março).”

imagem de Albatroz- errante em voo
Albatroz-errante, ícone antártico, tem até 3,5 m de envergadura. Seu ciclo de vida é dar a volta ao mundo, parar em uma ilha para procriar (entre elas as Geórgia do Sul), correr o mundo outra vez.

Fiquei ofegante. Deu branco… demorou segundos para ligar as pontas. Então, de repente, ‘vi a cena’ em câmera lenta, quadro a quadro; pesadelo de todo homem, ou mulher do mar.

imagem de Sophie Bely, a morte trágica de uma navegadora
Fábio Tozzi e Sophie Bely. Foto: Julio Fiadi.

Sophie Bely, a morte trágica de uma navegadora

Era casada com Oleg. Mãe de Olga, e Igor. Sophie conquistava pela simpatia, o companheirismo, e a arte de cozinhar. Era uma exímia cozinheira, não por acaso, a foto a mostra  em seu QG. O casal foi um dos ‘desbravadores’ das viagens privadas de veleiros à Antártica. Elas começaram, se não me engano, em algum momento dos anos 70 do século passado. Os dois se apaixonaram pelo que descobriram.  A extraordinária beleza, a proximidade com uma fauna marinha e alada que ainda não se incomoda com nossa presença, ao contrário, interage. Faz parte de nosso cotidiano, a poucos metros de distância, grupos de baleias de vários tipos; elefantes-marinhos que pesam até 1.100 kg, focas e outras espécies de mamíferos marinhos, pinguins, e uma porção de outras aves.

imagem de Oleg Bely de bote na Antártica
Oleg Bely com sua marca registrada: o gorro vermelho.

Oleg Bely

Pra quem é amante do mar, como eu, era uma lenda, um lindo personagem náutico. Eu conhecia sua reputação há muito tempo. Corria o final da década dos 80 do século passado, quando eu participava de regatas em Ilhabela enquanto sonhava com voltas ao mundo e coisas assim. Um dia, depois da regata, um amigo conta que iria pra Antártica, naquele verão, com Oleg e seu Kotic II. Fiquei fascinado com o que ouvi.

imagem de leão marinho na Antártica
A fêmea leão-marinho, dona da Antártica, é simpática, dócil, e imensa. Os machos são ainda maiores.

Os dados a seguir são parte da minha memória desta família especial. Oleg era um francês, também de origem russa, que se fez na vida trabalhando na NASA. Ao fazer o pé de meia, falou mais alto o espírito de aventura, a liberdade absoluta; o contato direto com o que restou de natureza intocada neste chato mundo superpopuloso: Antártica, a última fronteira da Terra.

imagem de paisagem da Antártica
A Antártica é superlativa em tudo. Excesso em cima de excesso. Conhecê-la foi a melhor coisa que fiz na vida.

Os pioneiros…

Eles foram os primeiros a fazer charters na Antártica. Abriram o caminho. Conta-se que Oleg (sempre, e por consequência, leia-se a família) tem mais de 30 travessias do Drake, o espaço mais ‘birrento’ de mar que há no mundo. Tornaram-se referência para quem navega acima do paralelo dos 40º de latitude Sul. O casal mudou-se para um sítio, às margens de um rio, no Uruguai. Ali o Kotic, o lindo veleiro que Oleg construiu em Dois Córregos, interior de São Paulo, fica fundeado ao lado da casa da família. Nos verões, eles descem até Ushuaia. Chegam por volta do fim de novembro, ficam até fevereiro, explorando, fazendo charters.

imagem de skua em voo
O skua é territorialista, não aceita presença estranha, investe contra ela.

O Kotic II

O Kotic II é mítico. Durante minha primeira viagem à Antártica, encontrei-o num dos lugares mais lindos de lá, as Ilhas Argentinas.  O casal, mais o filho Igor (dizem que nasceu na Antártica…), mais uma vez levavam um grupo de brasileiros para conhecer a última joia do planeta, a cereja do bolo da Terra.

imagem do O Kotic II, da família Bely, na Antártica
Sophie Bely, a morte trágica de uma navegadora. O Kotic II, da família Bely.

Quando chegamos, vimos o Kotic. Fundeamos atrás. No dia seguinte Igor nos levou num passeio pelos arredores da baía. Depois de um platô, demos com um morro em cima do qual havia uma caverna, ele nos levou até lá. A Antártica é o quintal deste excepcional navegador com uma brutal experiência na região, ainda que tenha apenas 35 anos.

imagem de Igor Bely na Antártica
Igor Bely.

O charter que perdi, o amigo que ganhei

Entrei em contato com Oleg e comprei um lugar a bordo, na primeira viagem do verão de 1991. Estava feliz da vida em meu trabalho na Eldorado.

imagem de Icebergs
Icebergs, ou esculturas flutuantes?

A rádio marcava gol em cima de gol e, no verão seguinte, eu iria conhecer a Antártica com o notável Oleg Bely.

imagem de duas pessoas no interior de caverna no polo sul
Guiados por Igor, mais dois entram na caverna, no polo sul.

Passei o ano pensando nisso mas, ao fazer as malas, ameaçou estourar a primeira guerra do Golfo. Como diretor de uma rádio jornalística, abdiquei da viagem. Sentido, foquei a cobertura da guerra…Desde então me perguntava, haverá outra oportunidade? Quando, enfim, vou conhecer a Antártica?

Imagem de Igor Bely em caverna da antártica
Igor.

Abaixo, a linda baía Brown, apenas mais uma belíssima surpresa.

Imagem do mar sem fim na baía Brown, Antártica
Baía Brown, verão de 2011.

A maioridade

Foram precisos 18 anos para acontecer nosso encontro. Assim que cheguei em Ushuaia, com o Mar Sem Fim no verão de 2011, fui a bordo do Kotic e me apresentei.

imagem de estreito na antártica
Quer mais?

Eu era aquele que faltou na viagem dos anos 90. Naquele minuto ficamos amigos. Oleg lembrava-se de nossas trocas de mails. Visitei o mítico veleiro por dentro, uma graça, ao mesmo tempo aconchegante, um espaço interno quase todo aberto que dá um ar de ‘loft’ ao barco da família, e super seguro. Um veleiro polar dos melhores que há no mundo.

imagem de Oleg Bely no bote do Kotic II

Toda a família era simpática, alto astral e ótimo papo. E mestres na Antártica, e na navegação polar em geral (às vezes trocavam a Antártica pelas Geórgia do Sul).

imagem de João Lara Mesquita e Oleg Bely a bordo do Mar Sem Fim
Em Ushuaia, a bordo do Mar Sem Fim, Oleg veio dar instruções sobre os points especiais da Antártica, a navegação, modo de fundear, etc.

Epílogo

No final de 2015 fui diagnosticado com um raro tipo de câncer linfático. Ele obrigou-me a focar no tratamento da saúde. Mas acompanhei a saga de meus amigos do mar. Em 20 de maio de 2016, também com câncer (no cérebro), nosso herói não resistiu a mais uma dolorosa sessão de quimioterapia depois de sua última viagem ao polo; Oleg fez a última viagem, deveria estar com setenta e mais.

imagem de lua cheia no polo sul.
Não existe nada comparável a lua cheia no polo sul.

Ele deixou pencas de admiradores no mundo polar, dezenas de brasileiros entre eles. Igor, assumiu o lugar do pai como comandante do Kotic, e passou a fazer os charters. A vida, aos poucos, voltava ao normal. Até que recebi a trágica notícia.

imagem de por do sol na Antártica
Pra quem acha que a palheta de cores da Antártica pode ser monótona…

O mar sem fim chama a atenção do internauta quanto ao raro fenômeno que agora se repete, de que os comentários dos visitantes (veja abaixo, em comentários) do site passam ser protagonistas, tal a quantidade de relatos sinceros que completam a história original.

imagem de skua em voo
Skua.

Sinais de respeito e admiração pairam no ar.

imagem da vista da toca no morro na antártica
A vista da toca…

Mar Sem Fim enlutado, bandeira a meio-pau, homenagem dos amigos

Meus mais sinceros sentimentos ao Igor, e sua irmã Olga, que não tive o prazer de conhecer. Daqui de meu bunker, extremamente abalado, penso no acidente, no charme e simpatia de Sophie. Sinto calafrios. O caso lembra-me o de Eric Tabarly, considerado pelo Sail Universe, ‘o melhor marinheiro desde sempre, que teve o mesmo, e  terrível desfecho.

Que este casal único se encontre outra vez, enquanto nossa memória afetiva sofre pra se recompor. O mundo da vela polar está ao lado dos ‘meninos’, de luto fechado, tentando entender como foi possível.

imagem de albatroz- errante curtindo as altas latitudes.
Curtindo as altas latitudes, em homenagem à Sophie Bely, a morte trágica de uma navegadora.

Foto de abertura para ‘Sophie Bely, a morte trágica de uma navegadora’: Julio Fiadi.

Roald Amundsen, o primeiro a chegar nos dois polos

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

24 COMENTÁRIOS

  1. Meu nome é Fernando, tive a honra de participar da construção do Kotik em Dois Córregos, Oleg e Sophie me davam aulas de francês após o trabalho, tenho até hoje o livro que ele trouxe de Paris para minhas aulas. Igor e Olga eram pequeninos, mais uma triste perda. Meus sentimentos a eles.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here