Orcas não atacam barcos e não gostam de barulhos

1
2618
views

Orcas não atacam barcos, mas se incomodam com a poluição sonora por nós introduzida nos oceanos

Notícias da Europa e do Brasil na mesma semana de setembro de 2020 davam conta de pretensos ataques de orcas a barcos. Cumé qui é? Orcas jamais atacaram barcos, que novidade seria esta? Foi o que pensamos ao ler as notícias. E olhe que as fontes eram confiáveis, The Guardian, na Europa, e Globo no Brasil. Orcas não atacam barcos, mas se incomodam com barulhos.

Orcas não atacam barcos, mas se incomodam com barulhos

Este escriba já navegou ao lado delas, na Antártica, sem qualquer problema, ao contrário, muitas vezes os belos animais se aproximam demonstrando curiosidade, jamais agressividade.

imagem de orcas
Orcas não atacam barcos, apenas os animais por elas predados. Imagem, https://www.whaleresearch.com/.

Mas este comportamento, aparentemente, estaria mudando? Fomos atrás de especialistas. Conversamos com o professor do Instituto Oceanográfico da USP, Marcos Cesar de Oliveira Santos, especializado nestes predadores do topo da cadeia.

Marcos explicou que “estes animais altamente evoluídos podem ter se irritado com o barulho das sondas dos barcos,” e contou que no vídeo do encontro no litoral baiano é possível ouvir algum tripulante dizendo, ‘elas estão indo em cima do transmissor’ (possivelmente da sonda de bordo).

Predadores do topo da cadeia

E ele contou muito mais. Falou sobre a importância, para o ambiente marinho, dos predadores do topo da cadeia. Para Marcos, “as orcas são sociedades matriarcais com comportamentos distintos entre grupos e mesmo gerações.” E completou: “nós primatas é que não conseguimos entender.”

O professor explica os malefícios de apelidos sem sentido, como ‘baleias assassinas’, e mostra que o animal é altamente sociável, e desenvolvido.

Só um tipo de animal tão desenvolvido é capaz de inventar técnicas de caça em grupo que fazem o deleite de quem visita a Antártica, ou de caça solitária em certas praias do sul da Argentina. E sempre ensinando aos filhotes as técnicas que passam de geração após geração.

Marcos se decidiu por biologia depois de assistir um filme sobre as orcas em 1978. “Fiquei vidrado pela morfologia…lá se criou um vínculo inquebrável.”

Podcast, conheça

Eles são o mesmo que um bom e velho programa de rádio. Só que agora, com a tecnologia disponível,  são encontrados na internet através de variados aplicativos. Assim você ouve quando quiser.

Conheça Marcos Cesar de Oliveira Santos

 

Prof. Marcos César de Oliveira Santos
Prof. Marcos César de Oliveira Santos. Imagem, http://www.marinasnacionais.com.br/.

Prof. Marcos Cesar de Oliveira Santos. Laboratório de Biologia da Conservação de Mamíferos Aquáticos (LABCMA). Departamento de Oceanografia Biológica, Instituto Oceanográfico, Universidade de São Paulo.

Imagem de abertura:  Google

Ouça o podcast  Tasso Azevedo, do Mapbiomas, fala sobre a Amazônia

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

1 COMENTÁRIO

  1. Em “Sobreviver no Mar Cruel”, Dougal Robertson relata sua dramática experiência de naufrágio ao largo das ilhas Galápagos, após seu palhabote ter sido supostamente “atacado” por rorquazes, ou orcas…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here