O drama da floresta tropical do Congo

5
2906
views

O drama da floresta tropical do Congo

Antes de mais nada, ela é a segunda em extensão no mundo. E as florestas tropicais são as mais importantes por dois pontos de vista. Um é o sequestro de carbono, o segundo, a biodiversidade. Ambos estão em perigo crítico. Por um lado, o excesso de CO2 na atmosfera que vai perdurar ainda por séculos. Do mesmo modo, a crise de biodiversidade acelerada se intensifica dia a dia. Uma é consequência da outra. No meio disso estão as florestas tropicais cada vez mais ameaçadas. O drama da floresta tropical do Congo.

devastação da floresta tropical do Congo
Imagem, You Tube.

As maiores florestas tropicais do mundo

A maior delas, a Amazônia, ainda tem chances de se regenerar dependendo de quem vier a ser o novo presidente a partir de 2023. Por outro lado, a floresta congolesa a segunda em extensão, representa 10% de todas as florestas tropicais, tem tudo para acabar.

Felizmente, ainda temos uma imprensa vigorosa especialmente nos Estados Unidos. Recentemente o New York Times publicou duas matérias a respeito. E elas dão frio na barriga.

Floresta tropical do Congo

A primeira tem a data de julho de 2022, How Demand for Twigs In Bringing Down a Rainforest, de autoria de Dione Searcey. Já a segunda, de Manoela Andreoni, Raft by Raft, a Rainforest Loses Its Trees, leva a data de junho do mesmo ano.

Ambas, entretanto, mostram que dificilmente esta enorme floresta tropical, com 1,3 milhões de milhas quadradas que se espalha por seis países, vai resistir.

PUBLICIDADE

As maiores ameaças

Antes de mais nada, no caso do Congo é a pobreza. Não por acaso acabar com a pobreza é a  meta número 1 dos Objetivos Sustentáveis da ONU.

Falta energia elétrica no país

Para se ter uma ideia, menos de 17% da população de 89 milhões de pessoas dispõem de energia elétrica. Até mesmo em Kinshasa, a capital, poucos são os habitantes que têm o benefício. Em razão disso, resta cozinhar com lenha. Imagine a quantidade diária de madeira para cerca de 90 milhões de pessoas cozinharem.

Para além disso, há ainda a pressão das madeireiras ilegais, e a  derrubada da mata para a agricultura. O resultado da equação foi que o  Congo perdeu mais de 1,2 milhão de acres de floresta primária em 2021.

Pelo mesmo motivo, o carvão, possivelmente o pior combustível fóssil em termos de emissões, é o mais usado no País. Ou seja, não há muita esperança que a devastação cesse na região. Entretanto, o país é cortado pelo rio Congo e, segundo o New York Times, ‘cientistas consideram que as hidrelétricas  no Congo poderiam gerar energia para abastecer todo o continente’.

Extração ilegal de madeira

Mas, como construí-las dada a imensa pobreza? Para além destes problemas, a extração ilegal de madeira avança. Segundo o NYT, ‘uma recente auditoria do governo mostrou uma grande rede de corrupção neste mercado’. A auditoria revelou ainda que parte dos políticos vende autorizações para as empresas. 

Cop 26 e a ajuda do Reino Unido

Durante a COP 26,  Boris Johnson assinou um acordo de proteção das florestas do Congo de US$ 500 milhões de dólares. O Guardian explicou. “Johnson assinou a carta de intenção em nome da Iniciativa Florestal da África Central (Cafi) para um acordo de 10 anos que inclui objetivos para proteger florestas e turfeiras de alto valor.”

Foi então que o país fez a auditoria mencionada pelo NYT. O Guardian comenta que ‘descobriram que seis ministros sucessivos alocaram ilegalmente pelo menos 18 concessões de madeireiras, quebrando uma moratória de quase 20 anos sobre novos cortes industriais na segunda maior floresta tropical do mundo’.

toras de árvores do Congo
Imagem, You Tube.

O Guardian ouviu a ambientalista Irene Wabiwa Betoko, líder florestal da bacia do Congo para o Greenpeace: “A auditoria revela um circo de ilegalidades, corrupção e crimes contra o meio ambiente. O Greenpeace África exige uma investigação legal de todos os funcionários responsáveis ​​pelo saque da floresta tropical e, quando necessário, o levantamento de sua imunidade parlamentar”.

Apesar disso, a coalização de países doadores saudou a divulgação da auditoria e condicionou a liberação da ajuda a melhores práticas por parte do Congo. Contudo, é difícil acreditar que terão sucesso. Onde há pobreza, e fraqueza das instituições como é o caso, mais fácil se torna a corrupção e muito mais difícil cessá-la. Para piorar, grande parte das empresa que extraem ilegalmente a madeira são chinesas.

Como se vê, um país não é apenas um grande predador dos estoques pesqueiros mundiais mas, igualmente, das florestas tropicais.

PUBLICIDADE

‘Prioridade do Congo não é salvar o planeta’

Como tudo que está ruim pode piorar, pesquisando sobre as florestas do país descobrirmos que parte das que pertencem ao Congo serão leiloadas para perfuração de petróleo e gás! Questionado, um ministro de Estado respondeu que ‘a prioridade do Congo não é salvar o planeta’.

A venda é, ao mesmo tempo, uma traição ao acordo assinado por Boris  Johnson que previa, em troca da proteção da Bacia do rio Congo, investimentos internacionais de US$ 500 milhões de dólares. Segundo o site www.resetera.com o país quer ser o “o novo destino para investimentos em petróleo.”

A mesma fonte informa que os blocos a serem leiloados incluem ‘ turfeiras tropicais que armazenam grandes quantidades de carbono’. Mais uma vez, a representante do Greenpeace, Irene Wabiwa, foi ouvida. Para ela, “se a exploração de petróleo ocorrer nessas áreas, devemos esperar uma catástrofe climática global, e todos teremos que assistir impotentes.”

Assista ao vídeo e saiba mais

Illegal logging threatens DR Congo rainforest | Counting the Cost

Ameaças ao litoral da região metropolitana do Recife

Comentários

5 COMENTÁRIOS

  1. Que horror. E também por mais essa temos que reduzir o consumo de produtos chineses. Um País que não é democrático, que explora seu próprio povo e ainda destrói a biodiversidade do mundo, esmigalhando ainda mais a miséria africana. O poder também está nas nossas mãos.

  2. É a China a grande devastadora de nosso planeta. Tem que criar oportunidades para, por enquanto, mais de um bilhão de pessoas famintas. Madeireiras também no Brasil. Para China o que importa é a China. O resto que se lasque.

  3. A pobreza extrema da África é resultado da exploração colonialista dos europeus,
    grandes bandidos que exploraram o mundo durante séculos e agora querem impor suas loucuras ambientalistas a todos, criando a famosa parceria caracu, onde sempre entram com a cara.

  4. Recentemente, outra matéria do NYT revela que a RDC deve leiloar em breve lotes na bacia do Congo para exploração de petróleo e gás (Congo to Auction Land to Oil Companies: ‘Our Priority Is Not to Save the Planet’). A discussão pode ser simples (“é preciso preservar”), mas também complexa (“preservar e viver na miséria?”).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here