Encontrado naufrágio de bombas nucleares

0
1021
views

Encontrado naufrágio de bombas nucleares: expedição científica encontra porta-aviões usado em testes  em 1946

A imagem era surreal. Porta-aviões, encontrado, em razão de naufrágio provocado por bombas nucleares, estava cheio de cabras, porcos e ratos que flutuavam no paradisíaco Atol de Bikini. Era julho de 1946. O governo dos EUA tinha expulsado os nativos das ilhas para  bombardeá-las com duas armas nucleares. Em 01 de Julho os militares norte-americanos lançaram a bomba Gilda. Uma alusão à famosa personagem de Rita Hayworth. Mau gosto, ou só impressão?

Encontrado naufrágio de bombas nucleares, imagem do US Independence
Militares observam US Independence depois das bombas nucleares de julho de 1946

Encontrado naufrágio de bombas nucleares que  contaminam corais

Na sequência, em 25 de julho, os EUA jogaram a segunda, batizada de Helen, uma homenagem a Helena de Tróia, uma mulher que fez sucumbir muitos heróis da mitologia grega.

As duas bombas geraram caminhos radioativos, contaminando colunas de coral e deixando os animais que estavam embarcados extremamente assustados pelas explosões. Aqueles que não morreram chamuscados, foram atingidos nos dias que se seguiram por altas doses de radiação.

Encontrado naufrágio de bombas nucleares: operação envolveu 42 mil pessoas, 242 navios, 156 aeronaves e cinco mil animais

A operação foi entitulada “Crossroads”. Envolveu uma frota de 242 navios, 42.000 pessoas, 156 aeronaves e mais de 5.000 animais com o objectivo oficial de estudar os efeitos de um ataque nuclear. Mas o  desejo oculto era mostrar poderio bélico para a União Soviética após o fim a segunda Guerra Mundial. Imagina se fosse hoje, com as redes sociais em ascensão. Seria o caos! Os defensores de animais fariam mais barulho que a eleição de Donald Trump. Ou não?

Um desses barcos de Bikini, que participou da operação, o porta-aviões USS Independence, estava afundado a 830 metros de profundidade e agora foi encontrado graças a uma expedição científica. James Delgado arqueólogo marinho, líder da campanha, e um caçador de naufrágios explicou:

É a primeira vez que encontramos um navio estudado em águas profundas que participou da Operação Crossroads

US Independence, imagem do navio US Independence após a primeira explosão em julho de 1946
US Independence após a primeira explosão em julho de 1946

Em março de 2015, Delgado e sua equipe descobriram os restos do USS Independence nas águas do santuário marinho da baía de Monterey, na costa da Califórnia. Após estudos, o Jornal de Arqueologia Marítima publicará uma autópsia sobre o porta-aviões com documentos detalhando seu papel nos primórdios da Guerra Fria.

Navio ainda mostra sinais de contaminação

O navio ainda mostra vestígios de testes nucleares em Bikini. A primeira explosão, a 600 metros de distância, varreu o convés, as cabras, os porcos e ratos. A segunda bomba, a 1.300 metros, terminou de transformar o navio em um escudo de ferro flutuante.

Segundo delgado,

O efeito da radiação matou a maioria dos animais em todos os barcos

Os testes foram utilizados para confirmar se não havia dúvida de que um ataque nuclear seria letal. As gravações sombrias da operação, incluídas no documentário US Radio Bikini (1988), mostram cabras em carne- viva tentando comer palha depois de sobreviver às explosões.

Após a operação Crossroads, alguns dos navios que não afundaram, como o USS Independence, foram rebocados para San Francisco para serem estudados em detalhe, e para testes de descontaminação.

Encontrado naufrágio de bombas nucleares

Em 1951, o USS Independence finalmente foi enterrado em um local secreto e profundo o suficiente para não estar ao alcance de espiões soviéticos. Outros 85 navios com radiação, da Operação Crossroads,  também foram lançados no fundo do oceano.

Assista o documentário:

Mar Sem Fim fez uma relação de navios afundados com bombas nucleares, acompanhe os vídeos e fotos.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here