Cabos submarinos, pequena história que deu na Internet

3
438
views

Cabos submarinos, pequena história que deu na Internet

O primeiro dos muitos cabos submarinos, que hoje fazem o mundo parecer pequeno, foi instalado em 1850. Ele conectava a Inglaterra e a França. Oito anos depois, o segundo cabo foi novamente instalado no Atlântico. Desta vez ele tinha 4 mil quilômetros de comprimento, e media 1,5 centímetro de largura. Sua função era ligar a Europa aos Estados Unidos  permitindo a comunicação telegráfica entre os dois continentes.

desenho do navio Goliath, o primeiro a instalar cabos submarinos
O navio Goliath, o primeiro a instalar cabos submarinos. Ilustração, http://www.submarinecablesystems.com/.

Passadas duas semanas da instalação, a rainha Victoria enviou uma mensagem de felicitações ao presidente dos EUA, James Buchanan. A mensagem demorou 17 horas para chegar, um avanço extraordinário para a época! Naquela altura, ninguém sabia que estes cabos seriam os ‘bisnetos’ da maior revolução das comunicações mundiais quase dois séculos depois. Este cabo transatlântico de 1858 teve vários problemas e falhas, foi trocado por três vezes. Mas provou ser possível dar saltos imensos com a nova tecnologia.

1843, o início dos cabos submarinos

A possibilidade de um cabo telegráfico atlântico foi levantada pela primeira vez em 1843, quando Samuel Morse, escreveu “… uma comunicação telegráfica sobre o plano eletromagnético pode  ser estabelecida através do Oceano Atlântico! Por mais surpreendente que pareça agora, estou confiante de que chegará o momento em que este projeto será realizado.” E foi mesmo, Morse estava certo. E em 1849, os navios da marinha americana começaram sondagens sistemáticas em alto mar no Atlântico. Com base em suas descobertas, o hidrógrafo Mathew Fontaine Maury, superintendente do Observatório Naval, sugeriu que havia um platô submarino entre a Terra Nova e a Irlanda, que seria o caminho ideal para colocar um cabo telegráfico. Assim foi feito.

mapa mostra instalação do primeiro dos cabos submarinos ligando Europa e Estados Unidos
Europa e Estados Unidos estavam interligadas. Ilustração, http://www.submarinecablesystems.com/.

A indústria dos cabos submarinos do século 19

Segundo o site http://www.submarinecablesystems.com, “O início da indústria de cabos submarinos surgiu no final da década de 1840. Aconteceu a partir de uma série de eventos não relacionados. O fio de cobre para conduzir os sinais estava  disponível, embora de qualidade incerta. Para uso subaquático, era necessário um isolador. Uma seiva semelhante a borracha de uma árvore encontrada apenas no Império Britânico era o material perfeito. O método de blindagem do cabo para dar resistência durante a colocação e a proteção posteriormente foi adaptado dos cabos de ferro recentemente introduzidos. Nascia uma pujante indústria.

Até o final do século 19 havia 130.000 milhas de cabos submarinos no mar

http://www.submarinecablesystems.com: “Apesar do alto custo de instalação de um cabo longo – mais de um milhão de dólares na época -, o alto retorno do investimento levou a um boom na instalação de cabos no mundo inteiro. Outros cabos no Atlântico se seguiram. Assim como os cabos que ligavam outras partes do mundo. Até o final do século 19 havia dez cabos no Atlântico, com mais dois em construção. Trinta e seis navios eram empregados na criação de novas linhas e na reparação das pioneiras. 130.000 milhas de cabos que já estavam no fundo do mar.”

O primeiro cabo telefônico no anos 50

“O primeiro cabo telefônico transatlântico, TAT-1, entrou em serviço em 1956 – na verdade, dois cabos, um para transportar o tráfego para o leste e o outro para o oeste. Este cabo transportava 36 canais telefônicos, cada um dos quais equivalente a 22 circuitos telegráficos. Uma ligação custava cerca de US$ 3 por minuto na época, o que seria superior a US$ 20 por minuto em dólares de hoje. Novamente, uma vez que essa inovação foi feita, o progresso foi rápido. Outros cabos telefônicos do Atlântico seguiram em curtos intervalos, junto com outros em todo o mundo. Apenas dez anos depois, o TAT-6 tinha 4000 canais telefônicos.”

Cabos submarinos, satélites e…

Outro desafio à supremacia dos cabos aconteceu depois que satélites foram ao espaço. “O meio de mensagens de longa distância veio com o advento dos satélites de comunicação, que inicialmente retiravam uma quantidade considerável de tráfego. A principal desvantagem dos satélites é o atraso na transmissão de ida e volta. Essa é uma fonte de desconforto quando usada para voz. Interrompe as dicas verbais que todos usamos no telefone para saber quando parar e começar a conversar. E também introduz grandes atrasos na transmissão de dados – um sinal através do Atlântico leva cerca de oito vezes mais tempo para chegar quando enviado por satélite.

…fibra ótica

“Felizmente, o cabo de fibra óptica veio em socorro. Aqui entramos na era atual das comunicações por cabo. Em 1988, foi lançado o TAT-8, o primeiro cabo de fibra óptica do outro lado do Atlântico. Isso forneceu 40.000 canais telefônicos. A capacidade do cabo aumentou muitas vezes desde então, a um custo muito baixo.”

imagem de cabos submarinos de 1858 e 2008
O passado e o presente. Imagem, http://www.submarinecablesystems.com.

De 1858 para o século 21: 1,2 milhão de quilômetros de cabos submarinos

Hoje, existem cerca de 380 cabos submarinos em operação em todo o mundo, com uma extensão de mais de 1,2 milhão de quilômetros. E, apesar de todas as mudanças, muitas coisas permaneceram as mesmas nestes 150 anos. “Os cabos ainda têm um condutor para transmitir o sinal (vidro em vez de cobre). Um isolador para proteger os circuitos da água (polietileno) e uma liga forte (aço em vez de ferro). As rotas de cabos são pesquisadas com o auxílio da navegação por satélite em vez da navegação celestial.” Assim conclui seu artigo Bill Burns, para o site http://www.submarinecablesystems.com.

infográfico com mapa mundi e cabos submarinos instalados
A extraordinária rede submarina atual. Ilustração, https://www.submarinecablemap.com/#/.

‘Cabos submarinos, força invisível que impulsiona a internet’

CNN: “Os cabos subaquáticos são a força invisível que impulsiona a Internet moderna. Muitos deste cabos, nos últimos anos, foram financiados por gigantes  como Facebook, Google, Microsoft e Amazon. Eles carregam quase todas as nossas comunicações. E, no entanto – em um mundo de redes sem fio e smartphones – as pessoas mal sabem que  existem. No entanto, à medida que a Internet se tornou mais móvel e sem fio, a quantidade de dados que viaja através de cabos submarinos aumentou exponencialmente.”

Colocar um cabo hoje

CNN: “Colocar um cabo é um processo de anos que custa milhões de dólares’, disse Byron Clatterbuck, executivo-chefe da Seacom, uma empresa multinacional de telecomunicações responsável por colocar muitos dos cabos submarinos que conectam a África ao resto do mundo. O processo começa observando as cartas navais para traçar a melhor rota. Os cabos são mais seguros em águas profundas, onde podem repousar sobre um fundo do mar relativamente plano, e não se enroscam contra rochas. “Quanto mais fundo, melhor”, disse Clatterbuck. “Quando você coloca o cabo em águas profundas, raramente tem problemas. Ele desce no fundo do fundo do mar e fica lá”.
As coisas se tornam mais difíceis quanto mais perto você chega da costa. Um cabo com apenas alguns centímetros de espessura no fundo do oceano deve ser blindado do meio ambiente quando chegar à estação de aterrissagem que o liga ao backbone da Internet do país.

O Cabo

CNN: “Imagine uma mangueira de jardim comprida, dentro da qual existem tubos muito pequenos que abrigam um par de fibras muito, muito finas”, disse Clatterbuck. Essa mangueira é envolvida em cobre, que conduz a corrente direta que alimenta o cabo e seus repetidores, às vezes até 10.000 volts.

infográfico do interior de um cabo submarino
Ilustração: CNN.

Depois que a rota é traçada…distribuição dos cabos submarinos

CNN: “Depois que a rota é traçada e verificada, e as conexões em terra estão seguras, enormes navios de colocação de cabos começam a distribuir o equipamento. “Imagine carretéis de carretéis de mangueira de jardim junto com muitos desses repetidores do tamanho de um velho baú de viagem”, disse Clatterbuck. “Às vezes, pode levar um mês para carregar o cabo em um navio.”

imagem de navio moderno colocando cabo submarino
Compare as tecnologias de hoje e de ontem. Imagem, CNN.

O cabo Marea, um gigante desta rede social

” O cabo Marea de 6.600 quilômetros pesa mais de 4,6 milhões de quilos (10,2 milhões de libras), ou o equivalente a 34 baleias azuis, de acordo com a Microsoft, que co-financiou o projeto com o Facebook.”

Ilustração de abertura: https://www.submarinecablemap.com/#/.

Fontes: https://www.britannica.com/technology/undersea-cable; http://www.submarinecablesystems.com/default.asp.pg-history; https://edition.cnn.com/2019/07/25/asia/internet-undersea-cables-intl-hnk/index.html; https://www.ufinet.com/submarine-cables-and-the-internet-age/; https://www.submarinecablemap.com/#/.

Economia dos oceanos, China é a nação preponderante

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

3 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here