Arte rupestre na Amazônia: humanos e animais da Era do gelo

3
11716
views

Arte rupestre na Amazônia: humanos e animais da Era do gelo

A Amazônia é superlativa em todos os sentidos. O imenso tamanho a torna a maior floresta úmida do planeta. Sua biodiversidade na parte brasileira, mas não apenas, transformou o Brasil no país campeão em diversidade animal e vegetal. E, ainda no Brasil, a Amazônia Legal representa 61% do território nacional. Só em rios, na parte brasileira, são 75 mil km. No momento em que a água passa a ser cada dia mais escassa, só isso  bastaria para demonstrar a importância da nossa Amazônia que ainda contempla 12 milhões de hectares de várzeas, 11.248 km de fronteiras internacionais, mais de 180 milhões de hectares de florestas ‘protegidas’. Mas hoje o tema é a Arte rupestre na Amazônia.

Imagem de pesquisadores estudando a arte rupestre da Amazônia
Imagem, http://lastjourney.exeter.ac.uk/.

Arte rupestre na Amazônia e figuras humanas ao lado de animais da Era do gelo

Muito desta riqueza extraordinária ainda não foi sequer conhecida. Pesquisas ainda acontecem com frequência menor que a desejada e esperada. A Amazônia faz parte do mundo em desenvolvimento, não do dito rico, o mundo desenvolvido.

Isso explica a lacuna. Mas a cada vez que pesquisadores adentram a mata fechada, pode esperar, algo de muito especial sairá de lá.

Foi o que aconteceu com uma equipe de arqueólogos da Universidade de Exeter,  projeto ERC LASTJOURNEY, que trabalha para descobrir quando as pessoas se estabeleceram na Amazônia e o impacto de sua agricultura e caça na biodiversidade.

De uma paisagem em mosaico de savanas, para a floresta úmida atual

As pinturas, em paredes de rocha especialmente preparadas da Serranía La Lindosa, no extremo norte da Amazônia colombiana, são mais uma evidência do impacto que as primeiras comunidades humanas tiveram sobre a biodiversidade da Amazônia e sua adaptação às mudanças climáticas.

Mapa da Colombia mostra local da descoberta da arte rupestre na Amazônia
O local da descoberta. Ilustração, http://lastjourney.exeter.ac.uk/.

Na época em que os desenhos foram feitos, as temperaturas estavam subindo, iniciando a transformação da área de uma paisagem em mosaico de savanas irregulares, matagais espinhosos, matas de galeria e floresta tropical com elementos montanhosos da floresta tropical amazônica de hoje.

E o que elas mostram é do arco da velha. Algo que era sabido, mas não estudado.

Figuras humanas ao lado de animais da Era do gelo

Segundo os pesquisadores ingleses, as figuras foram pintadas entre 11.800 até 12.600 anos atrás. Elas mostram os humanos de então ao lado de preguiças gigantes, mastodontes, camelídeos, cavalos, e ungulados, uma divisão de mamíferos que compreendia os animais de casco. ‘As milhares de imagens estão entre as mais antigas representações de pessoas interagindo com enormes criaturas, incluindo mastodontes’, diz o site da Exeter.

imagem de Arte rupestre na Amazônia
Imagem, José Iriarte, professor de Arqueologia de Exeter.

Para a universidade inglesa ‘esta é uma das maiores coleções de arte rupestre da América do Sul. Os desenhos registrados estão em três abrigos de rocha em colinas na Amazônia colombiana. As pinturas, identificadas durante levantamentos de paisagem, também retratam formas geométricas, figuras humanas e impressões de mãos, bem como cenas de caça e pessoas interagindo com plantas, árvores e animais da savana’.

Quanto tempo levou para criarem as pinturas?

A Exeter responde: ‘As vibrantes imagens vermelhas foram produzidas ao longo de um período de centenas, ou possivelmente milhares de anos. Algumas são tão altas e inacessíveis que escadas especiais feitas com recursos florestais seriam necessárias e ficariam ocultas para qualquer pessoa que visitasse o abrigo de pedra’.

Imagem de arte rupestre na Amazônia
Imagem, José Iriarte, professor de Arqueologia de Exeter.

‘Existem desenhos de veados, antas, crocodilos, morcegos, macacos, tartarugas, serpentes e porcos-espinhos, bem como o que parece ser uma megafauna da Idade do Gelo. Esses animais agora extintos são retratados na arte rupestre do Brasil Central, mas os especialistas acreditam que esses desenhos são mais realistas’.

A extinção na mudança climática de então

Mudanças climáticas são fenômenos normais na história da Terra. A que ocorre hoje é preocupante não pela mudança em si, mas pela extraordinária rapidez. Algo que mude o clima na velocidade que ocorre hoje não é provocado por ciclos naturais, eis a grande descoberta, mas pelo estilo insustentável de vida da geração que depende de combustíveis fósseis, e cuja parcela mais rica consome indiscriminadamente.

De volta ao site da Exeter: ‘Existem representações de criaturas semelhantes a uma preguiça gigante, mastodonte, camelídeos, cavalos e ungulados de três dedos com troncos. Todos esses animais nativos foram extintos, provavelmente por causa de uma combinação de mudanças climáticas, perda de seu habitat e caça pelos humanos.’

Imagem de ferramente de pedra da era do gelo
Imagem, http://lastjourney.exeter.ac.uk/.

Vamos repetir: combinação de mudança climática, que hoje ocorre vertiginosamente; perda de habitat, que também ocorre em razão da superpopulação e de ‘ministros’ despreparados vide a polêmica dos mangues e restingase caça pelos humanos, o que prova mais uma vez que o mito do bom selvagem ainda em voga na ‘academia’ e no pensamento de certos ‘ambientalistas’… não passa de mito.

Por este singelo motivo sempre dissemos que um dos 12 tipos de unidades de conservação brasileiras, as reservas extrativistas ou Resex, não passam de uma falácia ao apregoarem o uso sustentável de seus recursos que são desconhecidos, para o ódio dos ‘órfãos’ de Marina Silva.

E que a pesca artesanal também provoca desequilíbrio ambiental, motivo pelo qual não acreditamos na  ‘pesca sustentável’, também apregoada Brasil afora por ‘pesquisadores’ e ou ‘ambientalistas’.

O que está por trás da arte rupestre na Amazônia

‘Essas pinturas são uma evidência espetacular de como os humanos reconstruíram a terra e como caçaram, cultivaram e pescaram”, disse o professor Iriarte. ‘É provável que a arte fosse uma parte poderosa da cultura e uma forma de as pessoas se conectarem socialmente. As fotos mostram como as pessoas teriam vivido entre animais gigantes, agora extintos, que caçavam’.

Ilustração de arte rupestre
Ilustração, http://lastjourney.exeter.ac.uk/.

As pinturas também revelaram uma das primeiras datas seguras para a ocupação da Amazônia colombiana e pistas sobre a dieta das pessoas nessa época, assim como restos de pequenas ferramentas e ocre raspado usados ​​para extrair pigmentos para fazer as pinturas.

As comunidades que viviam na área na época em que os desenhos foram feitos eram caçadores-coletores que pescavam no rio próximo. Ossos e restos de plantas encontrados durante as escavações mostram que comiam frutos de palmeiras e árvores, piranhas, crocodilos, cobras, sapos, roedores como paca e capivara e tatus.

E mostram, igualmente, o tanto que ainda é preciso pesquisar para conhecer. Conhecer, para proteger.

Imagem de abertura: José Iriarte, professor de Arqueologia de Exeter.

Fonte: https://www.exeter.ac.uk/news/research/title_829032_en.html.

Toninhas em Angra dos Reis reforçam UC ameaçada

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

3 COMENTÁRIOS

  1. Os humanos são os predadores no topo da cadeia alimentar. Assim, nos tempos em que não havia supermercados, caçavam (há ainda os que o fazem e, o que é pior, por prazer e não para saciar a fome). Só que, os predadores existiam em número compatível com a quantidade de presas que caçam e assim era com os humanos primitivos. A reprodução das presas e a caça por seus predadores mantinha o equilíbrio: havia presas suficientes para os predadores e não havia excesso delas de modo a por em risco a flora. Assim, concordo com o texto acima. Acho improvável que os humanos primitivos tenham extinguido espécie a não ser em ilhas em que humanos desembarcaram em bandos e caçaram aves indefesas, como os moas da Nova Zelância e os dodos da Ilha Maurício. Agora o desequilíbrio ocorre porque a espécie humana expandiu-se exponencialmente por todo o mundo, devastando a natureza em rítimo que não permite a recuperação.

  2. Os arqueólogos são pessoas excepcionais, teorizam a partir de pinturas que os seres humanos daquela época participaram de alguma forma da extinção de algumas espécies animais. Interessante como teorias vem e vão na ciência. Talvez os “artistas rupestres” apenas quisessem mostrar o mundo que os circundava.

  3. Vamos extrapolar muitos dos dados com que comentamos diariamente os assuntos; muito provavelmente as populações de humanos nas Américas antes das invasões pelos brancos europeus não seriam muito mais que uns 20 ou 30 milhões dispersos por territórios que jamais conheceram nas suas totalidades e suas expectativas de vidas médias não ultrapassariam aos 30 anos (se chegassem a tanto) , portanto, seria difícil aceitar que caçadores tenham “ajudados nos extermínios” das espécies nos levando a acreditar que fenômenos naturais devem ter provocados os desaparecimentos afinal o anel de fogo já era atuante e um dos seus sinais mais evidentes seria a própria criação da Cordilheira dos Andes. Acredito que muitas das descobertas tenham surgidas anteriormente pelos “achismos”, mas talvez muitos dos conceitos tiveram versões e revisões que são limitadas pelas tecnologias disponíveis nas épocas, culturas e experimentos e para exemplificar imaginemos o que diriam humanos de apenas 80 anos atrás sobre desembarcar na Lua, Marte ou em asteroides. Histórias são histórias e depende de quem as escreve fixando as “verdades”, afinal de contas não se celebram as descoberta da América pelo viking Leif Ericson uns 500 anos antes de Cristóvão Colombo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here