APA/ESEC de Guapimirim, pede socorro

7
366
views

APA/ESEC de Guapimirim: o último pedaço de mangue ‘protegido’ da baía de Guanabara

Uma das Unidades de Conservação federais marinhas mais importantes do Rio de Janeiro é a APA/ESEC de Guapimirim que ‘protege’ o último remanescente de manguezal que cerca a fétida baía de Guanabara, o cartão postal brasileiro que conseguimos destruir.

Quando visitei a UC, na última série para a televisão, fiquei bem impressionado com o trabalho, apesar das fortes pressões do entorno. Não são poucas. Favelas, municípios paupérrimos, e até o complexo petroquímico do Rio, Comperj, ficam no entorno da Unidade de Conservação.

APA/ESEC Guapimirim, mapa-da-unidade de conservação APA/ESEC Guapimirim

O Mar Sem Fim recebe denúncia de abandono na APA/ESEC de Guapimirim

Semana passada o Mar Sem Fim recebeu denúncia de moradores de São Gonçalo, município pobre da região metropolitana do Rio, com mais de 1.000.00 de habitantes e situado na divisa da Unidade de Conservação. São Gonçalo, como diz nossa fonte,

é a casa da mãe Joana, aqui você se pesquisa vai encontrar vários lixões clandestinos.

APA/ESEC Guapimirim, mapa-mostrando sao-goncalo, RJ
São Gonçalo fica na divisa com a Unidade de Conservação

Comperj, gigantesco complexo petroquímico do Rio de Janeiro, é outra pressão, e  também fica próximo a Unidade de Conservação.

APA/ESEC Guapimirim, mapa mostrando a localização da Comperj, RJ
O enorme complexo petroquímico (marca verde) também próximo da UC

A denúncia diz que a Petrobras, depois de abrir a estrada para a chegada ao complexo, abandonou a pista que virou lixão.  Por dia são despejados 20 caminhões de lixo. Nestes locais forma-se uma sopa mortal conhecida como chorume. Quando chove, para onde vai parar este caldo macabro? Na baía de Guanabara, e na área que deveria ser protegida, lógico.

APA/ESEC Guapimirim imagem de lixao-em-são-goncalo, RJ
O lixão na estrada da Petrobras

Nosso denunciante flagrou caminhões de lixo, que não seriam de São Gonçalo, despejando resíduos sólidos no local.

APA/ESEC Guapimirim
A estrada do lixo

De acordo com a denúncia, há lixões dentro da APA, como o da foto abaixo.

APA/ESEC Guapimirim, imagem de lixai na APA Guapimirim, RJ
Lixão e curral de porcos dentro da APA Guapimirim

Não há vida capaz de suportar tamanha poluição.

APA/ESEC Guapimirim
Colhereiro morto. Será que a ave provou a “água” do chorume?

A fonte do Mar Sem Fim diz que

O lixão de Itaoca acabou quando teve esse teatro político de despoluição da baía de Guanabara, acabou o do Gramacho também, há 4 anos. Prometerem muito na época. Mas depois de acabarem o lixão de Itaoca começaram a proliferar os  clandestinos…

E nosso amigo mostrou mais uma prova…

APA/ESEC Guapimirim, imagem de lixão clandestino em São Gonçalo, RJ
Lixão clandestino

O entrono da Unidade de Conservação, e mesmo dentro dela, virou depósito de lixo e chorume até em áreas de mangue.

A palavra do chefe da UC APA/ESEC Guapimirim

Imediatamente após receber a denúncia, entrevistei o chefe da UC, Maurício Barbosa Muniz. Corajoso, ele não titubeou:

Quanto a situação descrita, a denúncia procede.
Com a desativação do Lixão de Itaoca, que foi uma conquista da gestão das UC´s, uma séria de vazadouros ilegais de lixo surgiram no entorno, já que o processo de desativação pecou por não encontrar formas de inserir os catadores em outras atividades econômicas. Soma-se a isto o fato da região ser uma das mais carentes da área metropolitana do RJ  e totalmente dominada pelo poder paralelo, pois ali está instalado o Complexo do Salgueiro.

Vistorias feitas por equipes da Unidade de Conservação são recebidas por bandidos armados de fuzis

Nenhuma instituição pública consegue ter uma ação sistemática no local, pela insegurança geral, mas não deixamos de monitorar e realizar vistorias no local  (mesmo colocando nossas equipes em risco, que já foram abordadas por indivíduos de fuzil).

Equipe da UC denunciou os problemas para a prefeitura, o Ministério Público e INEA, mas nada foi feito

Essas mesmas denúncias foram encaminhadas por nós, após  realização de visitas técnicas ao local, aos órgãos competentes: Prefeitura de SG, MPRJ, MPF e INEA.
O chefe da Unidade de Conservação sabe muito bem os problemas gerados pela omissão do poder público
a questão é muito mais complexa, e acho injusto direcionar a gestão das Unidades de Conservação, um problema que muito antes de ser ambiental, é social, de saúde pública, de segurança pública etc…

O Mar Sem Fim concorda com o chefe da APA/ESEC de Guapimirim

Infelizmente não é só no Rio de Janeiro que as autoridades tapam seus olhos para os problemas reais. A  maioria prefere cuidar de interesses pessoais. O caso do Rio é emblemático. O devasso ex- governador Sérgio Cabral,  cara-de- pau,  comprava jóias nas lojas mais famosas da cidade com dinheiro vivo…Hoje está na cadeia, como se sabe. Outro ex- governador também frequenta as cadeias do estado, acusado de compra de votos. Antony Garotinho, cuja mulher também (des)governou o estado, é mais um que ignorou os problemas da população carente. O resultado é este: o Rio de Janeiro quebrado, sem conseguir pagar os funcionários públicos, e áreas mais pobres se afundando  na pobreza. Quanto ao meio ambiente, ora, o meio ambiente que se vire!

APA/ESEC Guapimirim, imagem de-chorume-no mangue
APA/ESEC de Guapimirim. Poça de chorume dentro do mangue

O último pedaço de mangue que merece este nome está em perigo

O último mangue não totalmente destruído que cerca da Baía de Guanabara é tão importante que mereceu duas Unidades de Conservação superpostas. Em 1984 foi criada a APA, Área de Proteção Ambiental. Como este tipo de UC é muito permissivo e não garantia a proteção efetiva, em 2006 foi criada no mesmo local a Estação Ecológica, ou ESEC, que é  mais restritiva. Mesmo assim, ao que parece, não adiantou. Esta última parcela de mangue está com seus dias contados.

APA/ESEC de Guapimirim
APA/ESEC de Guapimirim. Lagoa de chorume a poucos metros da divisa da APA

Mais uma vez, quando chove, o chorume transborda, e mata tudo que estiver sobre seu alcance. Uma judiação descobrir o estado calamitoso do “último pedaço de mangue preservado”da Baía de Guanabara.

APA/ESEC de Guapimirim: ajude a pressionar as autoridades do Rio de Janeiro

O Mar Sem Fim vai encaminhar esta matéria para o INEA, a prefeitura de São Gonçalo, o Ministério Público do Rio, e o de São Gonçalo, e à presidência da OAB, RJ. Faça o mesmo você também. Seguem abaixo os links para os quais a matéria deve ser encaminhada:

INEA:[email protected]

MinisMinistério Público de São Gonçalo:   http://www.mpf.mp.br/rj/municipios/sao-goncalo

Ministério Público do Rio de Janeiro: http://www.mprj.mp.br

Prefeitura de São Gonçalo: [email protected]

Governo do Estado do Rio de Janeiro: [email protected]

Saiba por que são importantes as Unidades de Conservação marinhas.

COMPARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Eu morei por essas bandas, me lembrou que na época denuncie umas 10 vezes para prefeitura de SG, e pelo visto adiantou nada.

    Apesar de não morar lá, vou ajudar a denunciar.

    Segue alguns contatos:

    Secretaria de Estado do Ambiente (SEA)
    Secretário – André Gustavo Pereira Correa
    Av. Venezuela nº 110 – 5º andar – (próximo a Praça Mauá) Centro
    Rio de Janeiro-RJ – CEP: 20081-312
    21-2332-5620/5621/5622

    Instituto Estadual do Ambiente (INEA)
    Presidente – Marcus de Almeida Lima
    Av. Venezuela nº 110 – (próximo a Praça Mauá) Centro
    Rio de Janeiro-RJ – CEP: 20081-312
    21-2332-4640/4638
    Disque Meio Ambiente da ALERJ – 0800 282 0230
    Ouvidoria:[email protected]

    Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro
    http://www.mprj.mp.br
    Av. Marechal Câmara, nº 370 – Centro – Rio de Janeiro, RJ – Brasil – CEP 20020-080
    Telefone: (21) 2550-9050

    Ouvidoria do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro
    Ouvidora: Georgea Marcovecchio Guerra
    Telefone: 127
    Endereço: Av. Marechal Câmara, n.° 370 – subsolo – Centro
    Rio de Janeiro – CEP: 20020-080
    Horário de atendimento: de 8h a 20h – de segunda-feira a sexta-feira
    http://www.mprj.mp.br/cidadao/ouvidoria

    Procuradoria Geral do Estado – PGE
    Procuradoria do Patrimônio e do Meio Ambiente (PG-6)
    Procuradora-Chefe: Dra. Adriana de Biase Ninho
    Endereço: Rua do Carmo, nº. 27 – 6 º. andar.
    Telefones: 2332-7313 / 2332-9346

    • Muito obrigado, amigo, vamos todos mandar a matéria para todos estes endereços. É nossa única arma: ou exercemos cidadania, reclamando, cobrando, ou seremos esmagados pelos atores desta ópera bufa que se chama “Poder Público” no Brasil. Parabéns!

    • Sei dos problemas, amigos, o pessoal da UC também sabe. O problema parece ser a omissão das autoridades. Em breve vou publicar a matéria nas redes sociais, e direcional-la às autoridades. abraços, coragem e boa sorte pra todos nós!

  2. Se o Brasil tive-se leis, a primeira coisa, era acabar com essas criações clandestina de porcos, pegando todos esses porcos contaminados. Investiga as empresas que jogam lixo irregular, que e possível e só querer. E fiscalizar, hoje em dia com avanços da internet, tem como fiscalizar sem sair de casa, e só querer né?

    • Este é o maior problema. Temos leis sim, mas elas não são cumpridas especialmente quando pessoas mais humildes estão envolvidas. É o fim da picada! Esta é a triste realizado do Brasil. Com fé e esperança vamos colocar este gente na cadeia, onde já estão dois ex- governadores do Rio de Janeiro. Abraços

      • Espero, acabando com esses lixões clandestinos, salvando os últimos manguezais da baia e os botos também. Também para dá uma amenizada na caótica baia de Guanabara. Só muita gente pressionando para os político agir em alguma coisa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here