APA e ESEC de Guaraqueçaba

0
2589
views

APA e ESEC de Guaraqueçaba

APA e ESEC de Guaraqueçaba: entenda

APA – Grupo Uso Sustentável

 “Área de Proteção Ambiental”. Em termos das Unidades de Conservação é a mais permissiva entre os 12 tipos existentes no Brasil. Área em geral extensa, com certo grau de ocupação humana, com atributos bióticos, abióticos, estéticos ou culturais importantes para a qualidade de vida e o bem-estar das populações humanas. 

BIOMA: Marinho costeiro

Municípios: Antonina, Campina Grande do Sul, Guaraqueçaba e Paranaguá.

ÁREA: 282.444,0200 hectares

DIPLOMA LEGAL DE CRIAÇÃO: Dec nº 90.883 de 31 de janeiro de 1985

Plano de Manejo: A APA tem Plano de Gestão desde 1995

Lista de Espécies Ameaçadas protegidas nesta UC:

Jacutinga, Papagiao-de-cara-roxa, Gavião- pomba, Sabiá- pimenta, Pararu, Néon, Mico-leão-da-cara-preta, Socó- jararaca

Objetivos da UC:

“Proteger a diversidade biológica, disciplinar a ocupação e assegurar a sustentabilidade dos recursos naturais. Criada para assegurar uma das últimas áreas representativas do bioma Mata Atlântica do complexo estuarino da Baía de Paranaguá, dos sítios arqueológicos, das comunidades caiçaras integradas no sistema regional, bem como controlar o uso de agrotóxicos e estabelecer critérios racionais de uso e ocupação do solo na região.

Estação Ecológica – Grupo de Proteção Integral

ESEC DE GUARAQUEÇABA

Área que tem como objetivos a preservação da natureza e a realização de pesquisas científicas. Só é permitido o uso indireto dos recursos naturais, ou seja, apenas a utilização que não envolva consumo, coleta, dano ou destruição destes recursos. É proibida a visitação pública, exceto se com objetivo educacional, conforme definir o Plano de Manejo ou regulamento específico desta categoria de Unidade de Conservação. 

Bioma: Marinho Costeiro

Município: Guaraqueçaba

BIOMA: Marinho costeiro

Municípios: Guaraqueçaba e Paranaguá

ÁREA: 4.475,69 hectares

DIPLOMA LEGAL DE CRIAÇÃO: Dec nº 87.222 de 31 de maio de 1982/Dec nº 93.053 de 31 de julho de 1986

Plano de Manejo: a UC não tem Plano de Manejo

ESEC de Guaraqueçaba

DIPLOMA LEGAL DE CRIAÇÃO: Dec nº 87.222 de 31 de maio de 1982/Dec nº 93.053 de 31 de julho de 1986

Lista de Espécies ameaçadas protegidas nesta UC:

Papagiao-de-cara-roxa

Objetivos da UC:

Preservação da natureza e realizações de pesquisas científica.

 A Unidade ainda não conta com Plano de Gestão.

APA e ESEC de Guaraqueçaba: caderno de anotações

O contexto de criação das UCs.

Na década de 80 Cubatão (SP) passa a ser chamada de “Vale da Morte”, nos jornais, e recebe o título de ‘Cidade Mais Poluída Do Mundo’, da ONU, depois de crianças nascerem com anencefalia (sem cérebro) em razão da miséria, poluição industrial e falta de saneamento.

Em 1984 outra hecatombe: a explosão de um duto da Petrobrás age como uma minibomba de Hiroshima pulverizando a Vila do Socó, enorme favela na baixada santista. Até hoje não se sabe ao certo o número de mortos. Menos de um ano depois, Janeiro de 1985, uma nova tragédia: o deslizamento da Serra do Mar em razão do desmatamento provocado pelo polo industrial de Cubatão foi a gota d’água que faltava.

O saudoso Jornal da Tarde estampa uma foto dos veios abertos da Serra do Mar, e publica com uma manchete histórica: “A Serra do Mar Está Desabando”. A reação dos leitores é imediata. A opinião pública  reage, e  pressiona o governo do estado.

Capa do Jornal da Trade A Serra do Mar Está Desabando.
A capa do jornal dá a medida de seu engajamento na questão do meio ambiente.

Começam os trabalhos de despoluição de Cubatão

Pouco depois, em Junho de 1985, o Governador Franco Montoro “concretiza medida que abrange todos os remanescentes da Mata Atlântica, de forma contínua, preenchendo os vazios existentes entre parques e reservas, e declara o tombamento integral da Serra do Mar e dos remanescentes da Floresta Atlântica em toda a região costeira do Estado. É a primeira vez que se dá tratamento conjunto ao sistema florestal costeiro em uma unidade federativa.”

No ano seguinte José Richa, então governador do Paraná, toma a mesma atitude e tomba a parte da Serra do Mar do estado.

Foi este o contexto que provocou a criação destas duas Unidades de Conservação do Lagamar. A ESEC surgiu em 1982, e  APA,  em 1985. Pouco depois, em 1989, o Parque Nacional de Superagui completou a lista das UCs federais marinhas do estado do Paraná.

APA e ESEC de Guaraqueçaba

APA e ESEC de Guaraqueçaba,vista-baía-Guaraqueçaba-
APA e ESEC de Guaraqueçaba. Vista a partir da cidade de Guaraqueçaba.

Desta vez viemos explorar o lado norte da grande baía onde termina o Lagamar Iguape- Cananéia – Paranaguá, um dos mais importantes ecossistemas da costa brasileira, cercado por manguezais ainda pouco degradados. Por sua importância, em 1999 o Lagamar recebeu o título de Patrimônio Mundial da Natureza, da UNESCO.

APA e ESEC de Guaraqueçaba,flores-amarelas-e-mamangava-
APA e ESEC de Guaraqueçaba. Cores e insetos típicos na Mata Atlântica.

No lado norte, no fundão da baía de Laranjeiras, fica a cidade de Guaraqueçaba, nosso ponto de partida, e local da sede da Estação Ecológica e da APA.

Guaraqueçaba, ‘boca do sertão’

Para chegar há duas opções: 90 quilômetros de estrada de terra, a partir de Antonina, ou via barco, saindo de Paranaguá. Escolhemos a segunda opção. Guaraqueçaba fica ‘na boca do sertão’. É uma destas cidades no fim da linha, o ponto final de uma estrada. A partir dela só é possível seguir para o norte, em direção à Cananéia (SP), de barco, utilizando os canais e baías que formam o Lagamar.

APA e ESEC de Guaraqueçaba,duas-canoas-no-canal-do Lagamar
Canoas são o meio de transporte.

A cidade, fundada em 1545, é bem pequena embora o município tenha cerca de oito mil habitantes.

APA e ESEC de Guaraqueçaba,Luiz-Faraco-chefe da ESEC Guaraqueçaba
Luiz Faraco nos recebeu na ESEC de Guaraqueçaba.

Histórico da APA e ESEC de Guaraqueçaba

O Chefe da ESEC, Luiz Faraco, estava conosco e contou a história. Devemos sua criação à visão de Paulo Nogueira Neto, ex- professor titular de ecologia (USP), um dos fundadores do Departamento de Ecologia Geral, do Instituto de Biociências, da USP. Dr. Paulo foi o primeiro ‘ministro do meio ambiente’ ainda antes de existir o MMA. Em 1974  foi convidado para organizar a SEMA, Secretaria Especial de Meio Ambiente, que dirigiu até 1986.

A SEMA foi a semente que germinou o MMA, Ministério do Meio Ambiente, em 1986, durante o Governo Sarney.

borboleta-e flores na APA E ESEC de Guaraqueçaba
Elas jogam um papel importante na polinização de flores na Mata Atlântica.

A ESEC de Guaraqueçaba nasceu durante a gestão de Nogueira Neto na SEMA. Na época havia algumas categorias de UCs mas Paulo Nogueira criou outras duas:  APA, ou Área de Proteção Ambiental, e as Estações Ecológicas.

flor-amarela-da mata atlântica-APA E ESEC de Guaraqueçaba
Cores e formas da Mata Atlântica.

Luiz Faraco conta que a criação desta UC ‘foi peculiar’. Ela contempla apenas trechos do manguezal que se debruça sobre o estuário do Lagamar, e as ilhas da Banana e das Galhetas.

colhereiro no mangguezal APA E ESEC de Guaraqueçaba
Mangezal da ESEC

APA de Guaraqueçaba

Três anos depois, em 1985, perceberam que a ESEC estava desguarnecida nos fundos onde fica a planície costeira com trechos de mata de restinga. A planície segue até o início da Serra do Mar, por sua vez coberta de Mata Atlântica. Assim surgiu a APA de Guaraqueçaba, criada como uma proteção para a ESEC.

Imagem do Lagamar, planície costeira e morros com mata atlânticaAPA E ESEC de Guaraqueçaba
APA e ESEC de Guaraqueçaba. Visão geral: ao fundo o Lagamar e Guaraqueçaba ( à esquerda), o mangue, a planície costeira e, já na subida do morro, em primeiro plano, a Mata Atliântica.

Búfalos na Mata Atlântica?

Nos anos 70 o governo errou ao incentivar a criação de búfalos na planície. O resultado foi a formação de fazendas, por empresários, e o desmatamento para criar pastagens.

faz-desmatada-na planicie costeira do Paraná,APA E ESEC de Guaraqueçaba
Antigas fazendas de búfalos.

A área da APA de Guaraqueçaba

Ela é imensa, tem 282.444 hectares e começa imediatamente após o mangue protegido pela ESEC de Guaraqueçaba, engloba boa parte da planície costeira, partes da Serra do Mar, e ainda uma lâmina d’água com mangue nas margens em frente ao porto de Paranaguá, segue baía adentro passando a poucos metros de Antonina para, finalmente, penetrar para o interior.

mata-atlântica APA E ESEC de Guaraqueçaba
APA e ESEC de Guaraqueçaba. Matão onde sobressaem as palmeiras  do palmito Jussara em extinção.

Mosaico de Unidades de Conservação

Mata Atlântica, mata de restinga e manguezais, são ‘ecossistemas associados’. Os três fazem parte do mesmo bioma. Não valia a pena reservar apenas uma parte, o manguezal, sem proteger os outros (mata atlântica e de restinga), daí esta superposição, ou mosaico de áreas protegidas.

Veja o mapa com o mosaico das UCs.

mapa-apa-esec-de-guraqueçaba-e-parna-de-superagui
A linha vermelha mostra a área da APA. Os trechos em marrom, a ESEC e, em azul claro, o Parque nacional do Superagui.

Importância do Lagamar

O Lagamar é vital não apenas para a vida marinha. Suas copas são habitat de inúmeras aves, muitas ameaçadas de extinção. Guaraqueçaba significa ‘lugar do Guará’ em tupi- guarani. Hoje esta linda ave vermelha, que estava quase extinta, voltou a frequentar a área em pequenos grupos.

guaras-na mata atlântica-APA E ESEC de Guaraqueçaba
APA e ESEC de Guaraqueçaba. Os Guarás estão voltando.

Peabiru

Antes da chegada dos portugueses a região, desde São Paulo até aqui, passando pelo norte de Santa Catarina, era ligada por ramais do caminho do Peabiru, que ia do Império Inca, nos Andes ao litoral paulista, frequentado pelas tribos indígenas. Resquícios ainda podem ser vistos em inúmeros Sambaquis espalhados por todo o Lagamar.

APA e ESEC de Guaraqueçaba,sambaqui-no lagamar do Paraná.
Sambaqui no Lagamar do Paraná

APA e ESEC de Guaraqueçaba e embarcações tṕicas

Para encerrar, o único meio de transporte eficiente são os barcos. Esta parte do Brasil guarda uma imensa quantidade de canoas de bordadura.

canoa-bordadura-de-popa-APA E ESEC de Guaraqueçaba
APA e ESEC de Guaraqueçaba. Canoa de bordadura, comunidade de Tromomô, PR.

As embarcações típicas são um bem cultural, hoje reconhecido pelo IPHAN. Mas correm sério risco de extinção.

APA e ESEC de Guaraqueçaba, canoa-bordadura-inteira-
O colorido é espetacular.
detalhe-do-leme-de canoa de bordadura,APA E ESEC de Guaraqueçaba
APA e ESEC de Guaraqueçaba. O detalhe do leme manejado por cabos.

As canoas de bordadura, originárias de Santa Catarina, já estão motorizadas enquanto as outras, de um só tronco, continuam movidas à força de remo.

canoa-de tronco escavado e-pescador,APA E ESEC de Guaraqueçaba
As canoas de tronco escavado são mais rústicas,

A imensidão do Lagamar, o solo difícil, a vegetação cerrada, formaram uma barreira mais poderosa que a Serra já que esta, 54 anos depois da “descoberta”, já fora vencida a ponto do planalto abrigar uma vila: São Paulo de Piratininga.

A área pantanosa que visitamos não teve a mesma sorte. O progresso deu a volta deixando-a praticamente igual ao que era no século XVI.

caneiros tirando-armadilha-de-siris-APA E ESEC de Guaraqueçaba
APA e ESEC de Guaraqueçaba. Habilidade admirável desses brasileiros “anfíbios da costa”.

Slocum, as canoas e a arte nata do brasileiros da costa

É admirável a habilidade com que as canoas são pilotadas. Como escreveu o ícone da navegação em solitário joshua Slocum  em seu livro A Viagem do Liberdade, “…a navegação é usada com grandes vantagens pelos habitantes (brasileiros) quase anfíbios da costa, que amam a água e movem-se nela como patos e marinheiros natos”.

canoa-branca- de pau-APA E ESEC de Guaraqueçaba
Enquanto rema o pescador segura o gerival com pé.

Pobreza das UCs marinhas federais

A ESEC de Guaraqueçaba, por exemplo, conta com apenas três funcionários, Luiz Faraco, chefe da UC, e dois técnicos de nível médio que moram em Guaraqueçaba. E a APA de Guaraqueçaba, com seus 282 mil hectares, tem apenas três: Fátima Becker, chefe da Unidade, o servidor do ICMBio, lotado na APA , Alan Yukio; e a analista ambiental Kelly Cottens.

faz-de-palmeira-real-mil,APA E ESEC de Guaraqueçaba
APA e ESEC de Guaraqueçaba. Fazenda de Palmeira real em meio a imensidão da APA. Como tomar conta com apenas três pessoas?

“Equipamentos” da ESEC e APA de Guaraqueçaba

Apenas um barco, uma canoa de alumínio com motor de popa, é o que as duas UCs têm para que seu pessoal navegue pelas áreas que ‘devem proteger’ . Além do barco, mais duas caminhonetes 4×4 completam o equipamento.

“O melhor momento da conservação no país é medíocre.”

Durante esta viagem entrevistei Clóvis Borges, Diretor Executivo da ONG SPVS, fundada em 1984 por um grupo de biólogos e pesquisadores do Museu de História Natural, Capão da Embuia, de Curitiba, que queria ajudar na conservação.

Perguntei como classificava o ICMBio: “um desastre”, disse, emendando: “o melhor momento da conservação no país é medíocre.”

reserva-rio-cachoeira-mantida pela SPVS-
Entrada de uma das RPPNs mantidas pela SPVS. Quando as fazendas foram compradas eram puro pasto.
reflorestamento-da-RN-cacheira- na APA e ESEC de Guaraqueçaba
APA e ESEC de Guaraqueçaba. Toda esta área era pasto para búfalos. Hoje a SPVS conseguiu reflorestar boa parte da fazenda.

Clóvis, que conhece a região na palma da mão, sugeriu um número de 80 funcionários para realmente assegurarem o que resta da biodiversidade nestas duas UCs.

“O ICMBio cria as Unidades, os problemas, e não tem lastro para tanto”, afirma Clóvis.

ONGs e RPPNs- uma das soluções para contrabalançar a pobreza e erros do ICMBio

A SPVS tem duas RPPNs – Reserva Particular do Patrimônio Natural (equivalem a uma unidade de conservação com a diferença de serem mantidas pela iniciativa privada, ou ONGs)– no município do Guarequeçaba. Ambas estão incorporadas à área da APA. A SPVS chegou a ter 75 funcionários nos tempos áureos. Hoje tem 23, mesmo assim este número é bem maior que os poucos funcionários do ICMBio encarregados da APA e da ESEC.

Explorando a ESEC de Guaraqueçaba

No primeiro dia de exploração navegamos com o barquinho da ESEC pelos canais que levam a São Paulo. Paramos em todas as comunidades. A pobreza é quase total. A maioria não tem sequer um posto de saúde.

paisagem com montanhas no lagamar do Paraná-APA E ESEC de Guaraqueçaba
APA e ESEC de Guaraqueçaba. Paisagem do Lagamar.

Caiçaras e as proibições

Os moradores vivem da pesca, criação de ostras, usam gaiolas para retirarem siris do mar, e uma espécie de rede, conhecida com gerival, para pescar camarões. E isto é tudo que podem fazer.

jogando-siris-na-agua-APA e ESEC de Guaraqueçaba
APA e ESEC de Guaraqueçaba .Depois de pescados os siris são processados na água quente para soltar a carne. Em seguida a casca é aproveitada em armadilhas para bagres,

Guapicum

Na comunidade de Guapicum mais uma vez fiquei emocionado com a sinceridade, resignação, e pobreza dos moradores. Questionei o líder caiçara, Rubem Barroso Neto, sobre o tipo de ajuda recebida das prefeituras de Guaraqueçaba e Paranaguá já que tudo era proibido.

comunidade-guapicum parana-APA E ESEC de Guaraqueçaba
Comunidade de Guapicum.

Prefeitura da Guarqueçaba menospreza os caiçaras

Rubem, triste mas sem demonstrar um pingo de raiva, contou que a prefeitura de Guaraqueçaba prometera entregar cem ‘lanternas’, espécie de armação submarina para a criação de ostras. “E aí?” , perguntei. “As lanterna (sic) ficaram cinco anos no barracão da prefeitura de Guaraqueçaba. Quando entregaram na região, nossa comunidade ficou fora.”

lanterna-armadilha para criação de ostras, APA e ESEC de Guaraqueçaba
APA e ESEC de Guaraqueçaba. “Lanterna” para a criação de ostras. Elas ficam debaixo d’água aguardando a ostra chegar ao tamanho ideal enquanto o molusco filtra a água.
criação-de-ostras-APA E ESEC de Guaraqueçaba
As bóias amarelas marcam o lugar onde ficam as lanternas.

Comunidade de Tromomô

Estivemos na comunidade de Tromomô e, mais uma vez, ouvimos histórias de arrepiar. Conversei com Joel Luis do Nascimento, vice- prefeito de Guaraqueçaba, que mora no local.

popas-de-canoas-de-bordadura-tromomô-APA E ESEC de Guaraqueçaba
APA e ESEC de Guaraqueçaba. Canoas bordadas de Tromomô.
vila-tromomô-PR-APA E ESEC de Guaraqueçaba
Tromomô, apesar de estar no continente, é isolada. A estrada não chega até aqui. O único meio de locomoção são os barcos,

Joel compra os caranguejos catados pelos moradores (40 famílias) por onze reais a dúzia. Leva para Paranaguá onde vende por treze, quatorze reais a mesma quantidade. Um atravessador leva o produto para Curitiba onde a dúzia vale vinte reais. A exploração de siris é liberada o ano todo, mas a dos caranguejos só pode ser feita três meses por ano. Perguntei o que faziam no resto do tempo. “Nada, a gente recebe o salário defeso (salário mínimo) e se vira comendo peixes e camarão. De vez em quando aparece um turista pra quem vendemos ostras, mas é raro…”

canoa-cheia de-siris,APA E ESEC de Guaraqueçaba
APA e ESEC de Guaraqueçaba. Dá trabalho pescar os siris…

APA de Guaraqueçaba

No terceiro dia saímos da cidade de Guaraqueçaba, pela estrada de terra, em direção à Antonina. Dos dois lados a área pertence a APA de Guaraqueçaba. A chefe da UC, Fátima Becker, nos acompanhou. Logo na saída dá pra ver os pastos onde antes havia mata de restinga. Um ou outro búfalo ainda sobrevive, quase sempre atolado na lama. Cenário de filme. Aquele sertão imenso, lindo, a mata atlântica cobrindo a Serra do Mar à nossa direita enquanto, na planície por onde passa a via, pastos imensos quase sempre vazios esperam por uma ação de replantio como fizeram as duas RPPNs mantidas pela SPVS.

palmeira-real,APA E ESEC de Guaraqueçaba
A Palmeira Real é exótica e também dá palmito. A experiência se espalha na planície costeira do norte do Paraná.
menino-da escola de vila verde, parrana,APA E ESEC de Guaraqueçaba
APA e ESEC de Guaraqueçaba. Menino da escola de Rio Verde.

Pedi à Fátima que parasse em algumas vilas de modo que eu pudesse verificar a “qualidade de vida” das populações espalhadas pelas 57 comunidades que ficam dentro da APA.

meninos-brincando-escola de vila verde, parrana, APA E ESEC de Guaraqueçaba
Hora do recreio.

Comunidade de Rio Verde

A primeira foi Rio Verde, de origem quilombola. Um pequeno aglomerado de casas de madeira, paupérrimas, e uma escola construída com tijolos. Chegamos na hora do recreio. As crianças brincavam fora do “prédio”, inocentes, alegres apesar de tudo. Pensando no futuro daqueles lindos rostos infantis, senti um gosto amargo na boca. Lembrei da figura de seu Reinaldo, ex-construtor de canoas que encontramos num casebre no meio da mata. Ficarão iguais?

alunas da escola vila verde, parrana,APA E ESEC de Guaraqueçaba
Mais duas alunas.
seu-reinaldo-antigo construtor de canos bordadas, APA E ESEC de Guaraqueçaba
APA e ESEC de Guaraqueçaba. Me recuso a aceitar que o futuro das crianças seja o mesmo de seu Reinaldo, antigo construtor de canoas bordadas. O ciclo perverso TEM que mudar.

Conflitos nas “áreas protegidas”

Entrevistei o professor Antônio Gonçalves da Silva. Ele fala das carências e  “problemas” criados depois do decreto que oficializou a APA. O desentendimento entre moradores e áreas protegidas é total. Antônio não foi exceção. Depois da criação da APA, “o ser humano está em segundo plano, como pode?”, pergunta, “somos a imagem de Deus…”

professor e alunos da escola em vila verde, paraná,APA E ESEC de Guaraqueçaba
O professor e as crianças.

A cidade de Antonina

Numa ponta da estrada fica a charmosa Antonina, espécie de mini Paraty com lindos casarões coloniais na beira da baía, e um Teatro Municipal lindíssimo atestando a atração que a cidade exercia no passado.

teatro-municipal-de Antonina-APA E ESEC de Guaraqueçaba
Teatro Municipal de Antonina.

Bons restaurantes e pousadas para receber os visitantes.

igreja do sec XVIII de Antonina,APA E ESEC de Guaraqueçaba
A pequena igreja domina a baía de Antonina. Erguida em 1715, ela foi testemunha da saga de Slocum.

Surpresa em Guaraqueçaba

Na ponta oposta, Guaraqueçaba que, embora mínima, tem algumas pousadas senão luxuosas, no mínimo confortáveis, e dois ou três ótimos restaurantes, um dos quais homenageia Slocum com quadros nas paredes. E por iniciativa do proprietário, filho do antigo dono do armazém. Se ele pode fazer esta homenagem, como um governo de estado não pode? É muito descaso!

entrada-mercearia-rodrigues guaraqueçaba,APA E ESEC de Guaraqueçaba
Logo na entrada uma foto ( a de cima) de Joshua Slocum no Liberdade.
blacao-da-mercearia-de-guaraqueçaba,APA E ESEC de Guaraqueçaba
O charmoso balcão da Mercearia Rodrigues, na praça principal de Guaraqueçaba.
salao-mercearia-guaraqueçaba-APA E ESEC de Guaraqueçaba
O salão da Mercearia Rodrigues ostenta nas paredes instrumentos usados no Fandando. O bar tem mais charme que muitos botecos badalados de São Paulo e Rio.

RPPN Salto Morato

Paramos de novo, desta vez na sede da RPPN Salto Morato, mantida pela Fundação O Boticário. Ali acontecia uma reunião com as chefes das UCs do mosaico do Lagamar.

Ação da ONG SPVS melhora a vida dos nativos

Pé na estrada de novo, sempre rodeados por belíssima paisagem. Pouco antes de chegarmos à Antonina, a última parada foi num sítio onde o proprietário vende produtos naturais, especialmente o mel de abelhas.

cantina-mariza-APA E ESEC de Guaraqueçaba
É nesta propriedade onde se produz mel.

O local, ao contrário da miséria dos outros, é diferente. Mostra progresso, melhoria de vida. Casas de tijolos, bem feitas e bem cuidadas, sinal aparente de ascensão social. O sítio foi palco de uma ação da SPVS que, através de um de seus programas, contribuiu para o sucesso do empreendimento. Por sete anos a SPVS ajudou na organização da produção do mel ao mesmo tempo em que cuidava de licenciar o produto junto aos órgãos competentes de Antonina onde foi implantada uma cooperativa. O sitiante cuida das abelhas, extração e engarrafamento do mel. Em seguida o produto é levado para a cooperativa que o distribui para vários mercados.

criaçao-de-abelhas,APA E ESEC de Guaraqueçaba
O produtor cria as abelhas em caixas como esta.
casa-de-abelhas-aberta,APA E ESEC de Guaraqueçaba
A “casa”aberta.
garrafa-de-mel-APA E ESEC de Guaraqueçaba
Demorou SETE ANOS para SPVS treinar o produtor e montar a cadeia de distribuição. Apenas três pessoas para cuidar da APA e sua população soa como desacato

Melhorou a renda do produtor. Ao contrário do clima modorrento que se vê em outras comunidades, no sítio percebe-se agitação, trabalho, e melhoria da qualidade de vida.

joao-lara,-produtor-de-mel,-Fatima-Becker-Antonina, PR
Eu, o produtor de Mel, e Fátima Becker, chefe da APA de Guaraqueçaba.

Considerações finais sobre a APA e ESEC de Guaraqueçaba

Não se pode atribuir à criação das UCs, e sua frágil estrutura, os problemas de qualidade de vida dos nativos. Como disse no início, ” Guaraqueçaba ficou fora da rota, é ponto final da estrada, está acostumada a pobreza desde sempre”. O mais correto é atribuir o fenômeno da extrema pobreza a omissão do Poder Público seja na esfera municipal, estadual ou Federal.

Maiores ameaças à manutenção da biodiversidade :

A brutal carência e falta de estrutura, pessoal e equipamento, das Unidades de Conservação.

Caça, extração de palmito e madeira ilegal.

Agrotóxicos nas fazendas abertas na planície costeira. Resíduos acabam nos rios que desaguam no Lagamar.

Dois portos nas imediações: o do Paranaguá, de um lado, e o de Antonina, de outro. Ambos não têm a menor estrutura para lidarem com acidentes comuns nesta atividade.

Assista o programa da APA de Guaraqueçaba

Assista o programa da ESEC de Guaraqueçaba

SERVIÇOS

 A melhor opção para ir de Curitba até a planície costeira é o trem que desce a Serra da Graciosa.

trem na serra da graciosa,APA E ESEC de Guaraqueçaba
APA e ESEC de Guaraqueçaba. Além de nostálgico o trem passa entre a Mata Atlântica o tempo todo.

A aventura começa aqui. O trem faz um constante ziguezague por entre a Mata Atlântica até chegar em Morretes uma hora  e meia depois da partida.

Mais informações aqui.

De Morretes para Paranaguá vá de taxi. O trajeto dura cerca de uma hora. A estação de Morretes fica defronte uma praça onde não é difícil pegar um taxi.

Em Paranaguá pegue um barco da empresa Abaline ( 41- (41) 3425-6325 / 3455-2616). Mais informações sobre horários e tarifas. Guaraqueçaba tem várias pousadas entre elas a Pousada Chauá, Rua do Colégio, dono: João Amadeu, tel. 41- 3482.1265. Esta pousada organiza os seguintes passeios:

programas-a serem feitos em Guaraqueçaba,APA E ESEC de Guaraqueçaba
A escolha é grande.

 

SERVIÇOS

O endereço da Cooperaguá está aqui para mais opções de programas e passeios.

Guaraqueçaba conta com outras pousadas entre as quais a Bambuza. Conheça outras opções na região. Os restaurantes de Guaraqueçaba ficam na praça principal: os recomendados são: Mercearia do Rodrigues, Rua Paula Miranda, Nº8, Centro. Tel: 41 3482 1210. Proprietário: [email protected]

O Rastaurante Barbosa, que serve uma casquinha de siri de lamber os beiços, também é uma boa pedida. É vizinho da Mercearia Rodrigues.

O melhor passeio próximo é conhecer a RPPN Salto Morato, aberta de terça a domingo. Informações aqui.  Em Guaraqueçaba é muito fácil alugar uma canoa de bordadura para passeios pelos canais e baías. Para tanto basta ir até o píer da cidade e perguntar sobre preços e trajetos com os nativos.

Estrada Guaraqueçaba – Antonina: Restaurante do Marinho em Tagaçaba:  41 – 3414 1115.

Antonina: Camboa Capela Hotel. E mais dezenas de opções aqui. Em Antonina recomendo experimentar o Barreado no restaurante Caçarola do Joca. Ou experimente a deliciosa culinária da Cantina Casa Verde, uma graça de restaurante. No geral a gastronomia em Antonina e Morretes (a poucos minutos de Antonina) é muito festejada. Neste guia há várias opções.

APA de Cairuçu, não tem sequer um barco para fiscalização

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here