Tratado sobre plásticos: vai começar a reunião da ONU

0
1093
views

Tratado sobre plásticos, vai começar a reunião da ONU, a UNEA – 5.2, em Nairobi, Quênia

De 28 de fevereiro até 2 de março, acontecerá a esperada reunião da ONU quando líderes de 193 países discutirão a criação de uma comissão que provavelmente se tornará o próximo acordo global para lidar com a poluição plástica. Uma vez que esse mandato esteja em vigor, um tratado será negociado. A ideia de um tratado internacional sobre plásticos, nos moldes do Acordo de Paris, vem ganhando força conforme já mostramos em matérias anteriores, e está na pauta da ONU desde 2012. Agora chegou o momento da decisão. Tratado sobre plásticos: vai começar a reunião da ONU.

plástico em praia
O desastre se avizinha caso não consigamos um tratado para o plástico. A foto é de uma praia no Líbano. Imagem, Diego Ibarr a Sanchez The New York Times/Redux.

‘Acordo de Paris’ sobre o plástico

Em janeiro de 2021 publicamos o post com o título acima, onde mostrávamos que todas as nações caribenhas, os países nórdicos e as ilhas do Pacífico pediram um novo acordo global. Sessenta e oito países expressaram publicamente interesse em um tratado sobre plásticos, assim como uma ampla coalizão de países africanos e a União Europeia.

É impossível lidar com o material de maneira apenas local. A pandemia de plásticos nos oceanos e em terra firme é uma questão global, assim como o aquecimento do planeta.

O plástico, apesar de ter trazido avanços para indústria desde sua descoberta nos anos 50 do século passado, é quase impossível de ser reciclado. O resultado desta dificuldade é o que hoje sabemos: 80% do plástico produzido desde 1950, em torno de 8.3 bilhões de toneladas métricas,  está em aterros, nos oceanos, ou espalhado no meio ambiente terrestre.

Apesar da produção ter caído em 2019 devido à pandemia, mesmo com  queda a produção foi de 367 milhões de toneladas, de acordo com a PlasticsEurope.  Se nada for feito a produção do material deve triplicar até 2050, preveem analistas.

PUBLICIDADE

Um caminhão de plástico por minuto nos oceanos

Atualmente, o equivalente a um caminhão basculante de plástico entra nos oceanos a cada minuto. E, segundo matéria da Scientific American,  ‘pequenos pedaços de plástico estão em muitos dos alimentos que comemos, a ponto de podermos ingerir cerca do peso de um cartão de crédito do material todas as semanas’.

De acordo com o relatório histórico de 2020 “Breaking the Plastic Wave”, se atrasarmos a ação dramática em apenas cinco anos, mais 80 milhões de toneladas métricas de plástico acabarão no oceano até 2040, o que equivale a cerca de metade de todo o plástico que se acumulou nos oceanos da Terra desde o início da era do plástico até agora.

A reunião de Nairobi segundo a Scientific America

Ainda há muito mais a fazer para garantir que a solução seja verdadeiramente global. Na Ocean Plastics Leadership Network (OPLN), estamos trabalhando em uma maneira de fazer exatamente isso.

Diálogos do Tratado Global de Plásticos

Em preparação para o encontro, a OPLN, juntamente com o World Wildlife Fund e o Greenpeace, vem realizando os Diálogos do Tratado Global de Plásticos há cerca de um ano. Nosso objetivo tem sido criar um fórum para que as várias pessoas e grupos envolvidos no ciclo de vida do plástico em todo o mundo tenham suas vozes ouvidas antes do processo de negociação.

A ampla participação dos diretamente interessados em Nairobi

Isso significava reunir grupos que tradicionalmente não se sentam à mesma mesa – e muitas vezes discordam veementemente. As maiores empresas do setor plástico enviaram seus líderes; estes incluíam empresas petroquímicas (que produzem resina plástica), convertedores (que fabricam embalagens plásticas), empresas de bens de consumo (como a Coca-Cola Company, P&G e Colgate-Palmolive) e empresas de gerenciamento de resíduos.

A indústria do petróleo e o setor químico estarão na reunião

Em uma prova de até onde chegou o discurso, até o Conselho Americano de Química, que representa a indústria do petróleo e o setor petroquímico, agora concorda que é necessário um tratado de plásticos. Enquanto isso, 100 das maiores empresas do mundo, incluindo Pepsico, Starbucks e Unilever, emitiram uma declaração conjunta pedindo um tratado juridicamente vinculativo que crie regras globais comuns para produtos plásticos, design e gerenciamento e reduza a produção de plástico virgem.

A tensão que precede a reunião

É claro que ainda há tensão sobre o que o tratado deve fazer. Enquanto o setor petroquímico quer manter o foco na gestão de resíduos, as organizações ambientais estão pressionando para eliminar gradualmente os plásticos de uso único, construir novos sistemas de reutilização e recarga e abordar os impactos do plástico na saúde humana, justiça ambiental e mudanças climáticas.

Independentemente do que for decidido na UNEA 5.2, as partes interessadas em todo o mundo precisarão de um fórum para conversar entre si e construir uma rápida implementação dos planos. Devemos ter diálogos abertos e multissetoriais em todos os países, com sessões recorrentes enquanto o tratado está sendo negociado.

Dois bilhões de pessoas sem acesso à coleta e gerenciamento do lixo no mundo

Considere os dois bilhões de pessoas no mundo, em grande parte em países em desenvolvimento, que não têm acesso a serviços de coleta de gerenciamento de resíduos e são forçados a despejar ou queimar ilegalmente seus resíduos. Ou os 15 a 20 milhões de pessoas que ganham a vida vendendo sucata plástica que encontram nas ruas, praias e lixões para mercados secundários de plástico reciclado. Ambos os grupos são parte vital da equação do plástico e seus interesses devem ser representados na mesa de negociações.

Assim, enquanto a ONU está reunida em Nairobi, discutindo, entre outras coisas, o que será necessário para conter o fluxo de resíduos plásticos, queremos exortar os líderes nacionais a apoiar diálogos acessíveis a todos, para expandir rapidamente o escopo de quem está na mesa de negociações deste acordo global.

Imagem de abertura: Google.

Fonte: https://www.scientificamerican.com/article/we-need-a-global-plastics-treaty-to-stop-an-environmental-disaster/?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=earth&utm_content=link&utm_term=2022-02-23_top-stories&spMailingID=71280004&spUserID=MzgxNTI2NDc0MDExS0&spJobID=2234591742&spReportId=MjIzNDU5MTc0MgS2.

APA Baleia Sahy obriga Sabesp a impedir esgoto no mar

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here