Recursos marinhos – petróleo, conheça o histórico

0
766
views

Recursos marinhos – petróleo, riscos e custos

Histórico da extração de petróleo

Com o choque do petróleo na década de 70, passou a ser viável a exploração destes recursos marinhos na plataforma continental.

recursos marinhos, imagem de plataforma de petróleo no mar de sergipe
As primeiras plataformas de petróleo no mar de Sergipe.

Em 1974 foi descoberto o campo de petróleo, Garoupa, 110 metros abaixo do nível do mar, na Bacia de Campos. Em 76 foi a vez de Namorado e Enchova.

recursos marinhos, imagem de plataforma de petróleo no mar de sergipe
As primeiras plataformas de petróleo foram instaladas no final dos anos 60.

Temos 11 bacias explorando petróleo no mar

Hoje temos 11 bacias explorando petróleo no mar, espalhadas desde a foz do Amazonas até Pelotas. A que tem a maior quantidade de blocos é a de Santos, com 68. Em seguida, Campos, Rio de Janeiro, com 33. A Bacia de Campos é a principal do Brasil ocupando uma área de 115 mil quilômetros quadrados, com profundidades de até 3.400 metros. É nela que fica nosso maior campo de águas profundas, Roncador.

O livro Amazônia Azul a descreve assim Bacia de Campos: uma cidade dispersa, habitada por 40 mil pessoas. Dezesseis plataformas fixas, 27 sistemas de produção flutuante em 38 campos de produção, com 546 poços, apoiada por navios, rebocadores e helicópteros.

 R$ 57 bilhões em impostos diretos

Os número também são eloquentes. Dados da ANP de 2003 indicam que o petróleo é responsável pelo recolhimento de R$ 57 bilhões em impostos diretos.

No mesmo ano os royalties sobre a produção, distribuídos para dez Estados, 790 municípios, Fundo Especial, MCT e Marinha, somaram R$ 4,4 bilhões (Fonte: Amazônia Azul).

Em 1997 o Brasil ingressa no clube dos países que produzem mais de um milhão de barris por dia. Em 2000 um recorde mundial: a Petrobrás extrai óleo a 1.887 mil metros de profundidade.

Recursos marinhos – petróleo no pré- sal

Recursos marinhos, ilustração de extração de petróleo no pré sal
Depois da camada de sal chega-se ao petróleo (fonte:correionago.com.br)

Em 2005 surgiram os indícios do pré-sal. Em 2008 a empresa extrai óleo do pré-sal pela primeira vez, no Campo de Jubarte, Bacia de Campos.

Consumo de petróleo hoje

De acordo com matéria do jornal O Globo A situação atual é a seguinte: o Brasil está produzindo e consumindo cerca de 40% a mais de petróleo do que há dez anos, mas a capacidade de transformar a matéria-prima em produtos como diesel, gás, gasolina, lubrificantes, nafta, óleo combustível e querosene de aviação avançou só 4,5% neste período, e cobre apenas dois terços dos quase três milhões de barris diários”. E prossegue: “O consumo de petróleo no Brasil passou de 1,97 milhão de barris por dia em 2003 para 2,93 milhões de barris no ano passado (+42%), enquanto a produção subiu de 1,5 milhão de barris por dia para 2,1 milhões (38,8%).

Em março deste ano o Estadão publicou o editorial “Limites ao conteúdo local” onde se lê que “a ANP prevê que, neste ano, o déficit de comércio de gasolina e diesel alcançará US 11,5 bilhões.”

Riscos da extração

A operação de montagem de uma plataforma marinha é extremamente crítica mesmo em águas não tão profundas como as do pré-sal. Veja a animação:

Imagine a complicação no pré-sal com profundidades que chegam a 7 mil metros…Para minimizar os riscos  o Governo lançou um Plano Nacional de Contingência que, segundo a ONG S.O.S Mata Atlântica, não garante a segurança da costa.

A ONG não foi a única a criticar. Ricarco Baitelo, coordenador da campanha de energias renováveis do Greenpeace informou que…

o anúncio do plano ocorreu depois de alguns leilões enquanto deveria ter sido antes de modo a incluir os pontos nos contratos.

Outro especialista, o oceanógrafo David Zee expõe a questão da vida marinha na região:

não conhecemos todas as espécies no pré-sal, mas sabemos que é parte uma importante rota de baleias.

Recursos marinhos – pretróleo, localização

recursos marinhos, ilustração da bacia de petróleo no sudeste brasileiro
A localização dos Campos (fonte:geopoliticadopetroleo.wordpress.com)

Este é o grande medo de especialistas marinhos em várias partes do mundo. Uma das mais renomadas e minha autora de cabeceira citada neste site frequentemente, Sylvia Earle, cientista chefe da NOAA, em seu famoso livro The World Is Blue, é categórica ao considerar um grande perigo a exploração destas vastas áreas do planeta.

Até pouco tempo atrás considerava-se não haver vida nas águas profundas. Agora já sabemos que a diversidade de pequenas criaturas vivendo entre a areia e lama do fundo do mar podem exceder em muito os locais com maior biodiversidade do planeta.

Lixo no mar: mais de seis bilhões de quilos por ano!

Um estudo da Academia Nacional de Ciências, citado por Sylvia, reportou que “mais de seis bilhões de quilos de lixo são deliberadamente lançados ao mar todo ano. A maioria vem de navios mercantes, mas cerca de 450 milhões de quilos de lixo diários são descartados de navios pesqueiros, navios de passageiros, barcos privados, vazamentos de óleo de plataformas, e outras fontes.”

Os cinco piores acidentes da história

Não resta dúvida que a extração de recursos marinhos, como o petróleo, é fonte permanente de perigo e poluição. Entre os cinco piores acidentes da história recente estão, pela ordem:

1- 1991, Guerra do Golfo. Tropas Iraquianas abrem as válvulas dos poços do Kwait liberando 240 milhões de petróleo no Golfo Pérsico.

Recursos marinhos, imagem de poços de petróleo destruídos na Guerra do Golfo
Guerra do Golfo (foto:exame.abril.com.br)

2- 2010, Golfo do México, explosão da plataforma Deepwater Horizon, da British Petrolium, provoca a morte de onze pessoas e libera cerca de 200 milhões de galões de óleo no mar.

Recursos marinhos, imagem de incêndio em plataforma de petróleo
Incêndio da plataforma Deepwater Horizon (foto:viralglobalnews.com)

3- Ixtoc 1, 1979, novamente no Golfo do México, provocando o derrame de algo como 150 milhões de galões de óleo no mar.

Recursos marinhos, imagem de ave marinha -envolta em petróleo
Consequências para a avifauna. (foto:www.viamaxi.com.br)

4- Colisão entre os petroleiros Atlantic Empress e Aegean Captain ao largo da ilha de Tobago, 26 mortes e cerca de 90 milhões de galões no Mar do Caribe.

Recursos marinhos,
Cenário sinistro…(foto:otempochegadoblogsopt.com)

5- O Exxon Valdez naufraga no estreito Prince William, Alasca, derramando 40 milhões de petróleo cru no mar.

Recursos marinhos, imagem de baleia morta coberta de petróleo
Até hoje há resquícios do acidente no Alasca (foto:seawayblogspot.com)

Piores acidentes  no Brasil

No Brasil os piores acidentes foram:

Bacia do rio Iguaçu, Paraná, julho de 2000. Vazamento na refinaria da Petrobrás, em Araucária. Derrame de mais quatro milhões de litros.

Agosto de 2000, rompimento de duto da Petrobrás, ligando a refinaria Duque de Caxias ao terminal Ilha Dágua, provoca o vazamento de 1,3 milhões de óleo na Baía de Guanabara.

Novembro de 2011, sonda de perfuração da Chevron provoca derrame estimado em 3,7 mil barris de petróleo na Bacia de Campos.

Extração de petróleo e seus riscos: uma reflexão

Na época do dramático acidente no Golfo do México, provocado pela explosão da Deepwater Horizon, os jornais publicaram  que 4 mil navios e embarcações trabalharam para minimizar impacto. A Marinha do Brasil tem, entre tudo que flutua, menos de 200 embarcações…

recursos marinhos, imagem de plataforma de petróleo tombada,
Convém não esquecer…. (fonte:revistaescola.abril.com.br)

Quando, onde, e quais as consequências do próximo acidente da lista?

Saiba mais sobre a exploração mineral no mar.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here