Peixe invisível caça sua presa em milésimos

0
2174
views

Peixe invisível caça sua presa: e ele  tem nome, peixe escorpião

O peixe escorpião, o peixe invisível, é um mestre do disfarce, ele esconde-se no recife até o momento perfeito para atacar. Na natureza é assim. É preciso ser muito especial para sobreviver. Cada espécie, adota uma solução diferente.

peixe-invisivel, imagem do peixe escorpião também conhecido como peixe invisível
Foto: google

Peixe- invisível, algumas características

Têm um aspecto de guerreiro japonês antes de começar uma batalha. Com a sua couraça cheia de espinhos, a sua grande boca, os seus grandes olhos e as barbatanas desproporcionadas. Estes peixes têm um aspecto muito pouco apreciado. O nome do grupo onde estão incluídos deriva da designação científica, Scorpaenidae, que significa família dos peixes escorpião.

Coloração é importante

Segundo o site uac.pt, “A coloração nestes animais é importante. Graças ao padrão variável e cores quentes que cobrem o seu corpo são capazes de se confundir voluntariamente com o fundo desaparecendo do olhar dos seus predadores e das suas presas. O mimetismo chega, nalgumas espécies, à associação de outros organismos”.

peixe invisível, imagem de um peixe escorpião
Foto: Universidade dos Açores

O peixe invisível suga sua presa em milésimos de segundos

“Esta capacidade de “passar desapercebido” é essencial para a estratégia de alimentação, já que, geralmente, estes animais ficam imobilizados sobre o fundo até que uma presa passe por perto. Nesse momento, projectam-se sobre ela e, com a sua boca criam um vácuo que a suga. O acto de sugar dura um instante (ca. 15 milissegundos), o que dificulta a fuga. As presas mais comuns deste predador bentónico incluem rainhas, peixes-rei, gorazes juvenis, pequenos crustáceos e cefalópodes”.

E ainda por cima é venenoso

Ainda de acordo com estudo da Universidade dos Açores, ” se tiver o azar de tocar num peixe-escorpião o mais natural é ser injectado pelo seu veneno. Se for injectado é porque, voluntária ou involuntariamente, o encurralou ou o pisou.  Corra, ou faça-se transportar para a urgência de um hospital ou para um lugar onde seja provável existirem medidas de suporte. Este grupo de espécies, que não ocorre no Atlântico, é extremamente perigoso e pode matar em pouco tempo”.

O site Mar Sem Fim separou outras curiosidades marinhas para você conhecer.

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here