O Ártico está derretendo, e agora?

3
3826
views

O Ártico está derretendo, aquecendo-se duas vezes mais rápido que a média global

O Ártico está derretendo. Aquecendo-se duas vezes mais rápido que a média global. Isso causa um derretimento maciço do gelo marinho. Enquanto sabemos que a mudança climática está aquecendo o ar do Ártico, há muito mais acontecendo sob o gelo que não entendemos. Uma equipe de cientistas interdisciplinares está desenvolvendo um estudo promovido pelo Greenpeace. O estudo acontece na expedição de polo a polo de quase um ano do grupo ambientalista. Os cientistas querem aprender mais sobre essa ameaça sob o gelo, o que poderia destruir o ciclo de vida que começa no Ártico e ameaça a vida das pessoas em todo o planeta. A partir de matéria da CNN.

imagem de gelo fragmentado ártico
O  Ártico está derretendo. Imagem, cnn.com.

O Ártico está derretendo, um mosaico de gelo fraturado

Os barcos infláveis ​​que transportam os cientistas manobram lentamente através de um mar de gelo fraturado. Um mosaico de peças que antes faziam parte da camada de gelo do Ártico, empurradas para o sul por ventos e correntes para o Estreito de Fram. Aqui, os cientistas passam dias trabalhando em cima dos precários blocos de gelo. Eles mantêm  um olhar atento para os ursos polares enquanto perfuram o gelo para medir a espessura. “Definitivamente tem diminuído nesta área. Tem diminuído em todos os lugares”, diz o líder da equipe, o físico polar Till Wagner, da Universidade da Carolina do Norte Wilmington. Desde 1990, a espessura do gelo marinho diminuiu em um terço. De cerca de 3 metros para 2 metros, de acordo com o Observatório Ártico do Estreito de Fram.

imagem de cientistas trabalhando no gelo do ártico
Imagem, cnn.com.

Gelo marinho formado perto da costa ártica da Rússia

O site www.livescience.com informa. “Uma nova pesquisa descobriu que, duas décadas atrás, metade do gelo marinho formado perto da costa ártica da Rússia passou por uma viagem pelo Oceano Ártico atravessando o Estreito de Fram entre a Groenlândia e Svalbard antes de derreter. Hoje, apenas cerca de 20% do gelo nascido perto da Rússia faz essa jornada.” Esse é um grande problema. Assim se referiu o líder do estudo Thomas Krumpen. Thomas é físico de gelo oceânico do Centro Helmholtz do Instituto Alfred Wegener para Pesquisa Polar e Marinha na Alemanha. O gelo marinho formado em águas rasas retém muitas pequenas partículas. Desde sedimentos a algas, poluição de microplásticos, ferro e outros nutrientes (Saiba mais). Quando o gelo derrete em vez de viajar, afeta a distribuição dessas substâncias.

Ilustração do Estreito de FRAM.
O Estreito de FRAM.

Como essa mudança no transporte afetará o ciclo biogeoquímico?

Rastrear o gelo do mar é um desafio. O Ártico é normalmente coberto de nuvens. Ele é protegido dos olhos curiosos dos satélites meteorológicos. Krumpen e seus colegas desenvolveram um método para contornar o problema. Eles usam satélites com imagens baseadas em microondas que lhes permitem ver através das nuvens. Eles podem rastrear onde o gelo se formou com base em características como sua textura e brilho. Usando dados de 1998 a 2017, pesquisadores descobriram que o derretimento está acontecendo muito rápido para compensar o aumento na velocidade do gelo. Cada década, 17% menos de águas rasas da Rússia chegam ao Estreito de Fram.

O Ártico está derretendo, gelo 30% mais fino

Usando levantamentos de gelo aéreo, a equipe também descobriu que o gelo que chega ao Estreito de Fram hoje se origina nas águas abertas do Oceano Ártico central, ao invés da costa da Rússia, onde a plataforma continental se estende. É 30% mais fino que o gelo no no mesmo local no início dos anos 2000.

PUBLICIDADE

imagem de Morsas se equilibram no fino pedaço de gelo
Morsas se equilibram no fino pedaço de gelo. Imagem, theguardian.com.

O Estreito de Fram

CNN: “O Estreito de Fram é onde as águas quentes originadas no México são trazidas pela Corrente do Golfo, fluindo por milhares de quilômetros através do Atlântico para alcançar a borda do gelo do Ártico. 80% do movimento de gelo dentro e fora do Oceano Ártico acontece por aqui.”

“É a conexão com os mares continentais perdidos”

Com essa conexão separada, sedimentos, nutrientes, algas e outros materiais próximos à costa podem ficar perto do litoral em vez de alcançar mar aberto. Pesquisadores agora tentam entender como essa interrupção no transporte de nutrientes afeta o ecossistema do Ártico. Um próximo esforço deve ajudar. Em setembro, pesquisadores internacionais lançarão uma expedição para congelar deliberadamente um quebra-gelo no gelo da Transpolar Drift. Cientistas da missão, chamada MOSAiC, levarão amostras biológicas e químicas durante um ano inteiro.

Primavera e outono

The Guardian diz que “O gelo marinho está derretendo mais cedo na primavera. E congelando no outono. A cada verão, ele  afina mais e recua ainda mais. Deixa grandes extensões do oceano expostas à luz solar  de 24 horas. Isso está mudando as fronteiras do gelo e fragmentando um dos reguladores climáticos mais importantes do planeta. Também cria uma série de feedbacks que aceleram o derretimento do Ártico. Vários são apenas parcialmente compreendidos.

O Ártico perdeu 40% de sua extensão

Desde o início da era do satélite, em 1979, o verão do Ártico perdeu 40% de sua extensão. E até 70% de seu volume. Outros cientistas calculam a taxa de declínio de 10 mil toneladas por segundo. Grande parte do gelo de vários anos desapareceu. A maior parte do que resta é a camada mais jovem e mais fina do inverno anterior, que é mais fácil para o sol derreter e o vento empurrar.

Verões livres de gelo em 20 a 40 anos

Cientistas esperam verões livres de gelo em 20 a 40 anos, o que permitiria que os navios cruzassem todo o caminho até o polo norte (Veja Passagem do Noroeste). Verões sem gelo são 10 vezes mais prováveis ​​se o mundo se aquecer em 2ºC ao invés de 1,5ºC, de acordo com o Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudança Climática. O corpo dos principais cientistas internacionais disse no ano passado que o Ártico e os sistemas de recifes de corais são os ecossistemas de maior risco.

Para saber mais, assista ao vídeo

Imagem de abertura – theguardian.com.

Fontes – https://edition.cnn.com/2019/06/08/world/arctic-beneath-ice-intl/index.html; https://www.theguardian.com/environment/2019/jun/07/oceans-demise-the-end-of-the-arctic-as-we-know-it?CMP=share_btn_tw&fbclid=IwAR0uUuqn0mTg0w43WAr3h2mAXRRsTDCi4o6SNUelv7YtQU8hZNWEggpILcw; https://www.livescience.com/65129-arctic-baby-sea-ice-melting.html.

Bitucas de cigarros, maior fonte de poluição dos oceanos

Comentários

3 COMENTÁRIOS

  1. Pois é, e temos ai o governo brasileiro que nega as mudanças climáticas e o aquecimento…olha só a herança maldita que estamos deixando para as próximas gerações, comprometendo não somente a fauna/flora como também a nossa própria existencia em troca de crescimento insustentável a qualquer custo!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here