O Ártico está derretendo, e agora?

0
124
views

O Ártico está derretendo, aquecendo-se duas vezes mais rápido que a média global

O Ártico está derretendo. Aquecendo-se duas vezes mais rápido que a média global. Isso causa um derretimento maciço do gelo marinho. Enquanto sabemos que a mudança climática está aquecendo o ar do Ártico, há muito mais acontecendo sob o gelo que não entendemos. Uma equipe de cientistas interdisciplinares está desenvolvendo um estudo promovido pelo Greenpeace. O estudo acontece na expedição de polo a polo de quase um ano do grupo ambientalista. Os cientistas querem aprender mais sobre essa ameaça sob o gelo, o que poderia destruir o ciclo de vida que começa no Ártico e ameaça a vida das pessoas em todo o planeta. A partir de matéria da CNN.

imagem de gelo fragmentado ártico
O  Ártico está derretendo. Imagem, cnn.com.

O Ártico está derretendo, um mosaico de gelo fraturado

Os barcos infláveis ​​que transportam os cientistas manobram lentamente através de um mar de gelo fraturado. Um mosaico de peças que antes faziam parte da camada de gelo do Ártico, empurradas para o sul por ventos e correntes para o Estreito de Fram. Aqui, os cientistas passam dias trabalhando em cima dos precários blocos de gelo. Eles mantém  um olhar atento para os ursos polares enquanto perfuram o gelo para medir a espessura. “Definitivamente tem diminuído nesta área. Tem diminuído em todos os lugares”, diz o líder da equipe, o físico polar Till Wagner, da Universidade da Carolina do Norte Wilmington. Desde 1990, a espessura do gelo marinho diminuiu em um terço. De cerca de 3 metros para 2 metros, de acordo com o Observatório Ártico do Estreito de Fram.

imagem de cientistas trabalhando no gelo do ártico
Imagem, cnn.com.

Gelo marinho formado perto da costa ártica da Rússia

O site www.livescience.com informa. “Uma nova pesquisa descobriu que, duas décadas atrás, metade do gelo marinho formado perto da costa ártica da Rússia passou por uma viagem pelo Oceano Ártico atravessando o Estreito de Fram entre a Groenlândia e Svalbard antes de derreter. Hoje, apenas cerca de 20% do gelo nascido perto da Rússia faz essa jornada.” Esse é um grande problema. Assim se referiu o líder do estudo Thomas Krumpen. Thomas é físico de gelo oceânico do Centro Helmholtz do Instituto Alfred Wegener para Pesquisa Polar e Marinha na Alemanha. O gelo marinho formado em águas rasas retém muitas pequenas partículas. Desde sedimentos a algas, poluição de microplásticos, ferro e outros nutrientes. Quando o gelo derrete em vez de viajar, afeta a distribuição dessas substâncias.

Ilustração do Estreito de FRAM.
O Estreito de FRAM.

Como essa mudança no transporte afetará o ciclo biogeoquímico?

Rastrear o gelo do mar é um desafio. O Ártico é normalmente coberto de nuvens. Ele é protegido dos olhos curiosos dos satélites meteorológicos. Krumpen e seus colegas desenvolveram um método para contornar o problema. Eles usam satélites com imagens baseadas em microondas que lhes permitem ver através das nuvens. Eles podem rastrear onde o gelo se formou com base em características como sua textura e brilho. Usando dados de 1998 a 2017, pesquisadores descobriram que o derretimento está acontecendo muito rápido para compensar o aumento na velocidade do gelo. Cada década, 17% menos de águas rasas da Rússia chegam ao Estreito de Fram.

O Ártico está derretendo, gelo 30% mais fino

Usando levantamentos de gelo aéreo, a equipe também descobriu que o gelo que chega ao Estreito de Fram hoje se origina nas águas abertas do Oceano Ártico central, ao invés da costa da Rússia, onde a plataforma continental se estende. É 30% mais fino que o gelo no no mesmo local no início dos anos 2000.

imagem de Morsas se equilibram no fino pedaço de gelo
Morsas se equilibram no fino pedaço de gelo. Imagem, theguardian.com.

O Estreito de Fram

CNN: “O Estreito de Fram é onde as águas quentes originadas no México são trazidas pela Corrente do Golfo, fluindo por milhares de quilômetros através do Atlântico para alcançar a borda do gelo do Ártico. 80% do movimento de gelo dentro e fora do Oceano Ártico acontece por aqui.”

“É a conexão com os mares continentais perdidos”

Com essa conexão separada, sedimentos, nutrientes, algas e outros materiais próximos à costa podem ficar perto do litoral em vez de alcançar mar aberto. Pesquisadores agora tentam entender como essa interrupção no transporte de nutrientes afeta o ecossistema do Ártico. Um próximo esforço deve ajudar. Em setembro, pesquisadores internacionais lançarão uma expedição para congelar deliberadamente um quebra-gelo no gelo da Transpolar Drift. Cientistas da missão, chamada MOSAiC, levarão amostras biológicas e químicas durante um ano inteiro.

Primavera e outono

The Guardian diz que “O gelo marinho está derretendo mais cedo na primavera. E congelando no outono. A cada verão, ele  afina mais e recua ainda mais. Deixa grandes extensões do oceano expostas à luz solar  de 24 horas. Isso está mudando as fronteiras do gelo e fragmentando um dos reguladores climáticos mais importantes do planeta. Também cria uma série de feedbacks que aceleram o derretimento do Ártico. Vários são apenas parcialmente compreendidos.

O Ártico perdeu 40% de sua extensão

Desde o início da era do satélite, em 1979, o verão do Ártico perdeu 40% de sua extensão. E até 70% de seu volume. Outros cientistas calculam a taxa de declínio de 10 mil toneladas por segundo. Grande parte do gelo de vários anos desapareceu. A maior parte do que resta é a camada mais jovem e mais fina do inverno anterior, que é mais fácil para o sol derreter e o vento empurrar. Cientistas esperam verões livres de gelo em 20 a 40 anos, o que permitiria que os navios cruzassem todo o caminho até o polo norte (Veja Passagem do Noroeste). Verões sem gelo são 10 vezes mais prováveis ​​se o mundo se aquecer em 2ºC ao invés de 1,5ºC, de acordo com o Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudança Climática. O corpo dos principais cientistas internacionais disse no ano passado que o Ártico e os sistemas de recifes de corais são os ecossistemas de maior risco.

Para saber mais, assista ao vídeo

Imagem de abertura – theguardian.com.

Fontes – https://edition.cnn.com/2019/06/08/world/arctic-beneath-ice-intl/index.html; https://www.theguardian.com/environment/2019/jun/07/oceans-demise-the-end-of-the-arctic-as-we-know-it?CMP=share_btn_tw&fbclid=IwAR0uUuqn0mTg0w43WAr3h2mAXRRsTDCi4o6SNUelv7YtQU8hZNWEggpILcw; https://www.livescience.com/65129-arctic-baby-sea-ice-melting.html.

Bitucas de cigarros, maior fonte de poluição dos oceanos

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here