Entrevista com Maria Tereza Jorge Pádua, parte II

0
1347
views

Maria Tereza Jorge Pádua, lenda viva do ambientalismo nacional.

Entrevista com Maria Tereza Jorge Pádua, parte II: nesta segunda parte de nossa conversa Maria Tereza fala da pouca estrutura de nossas UCs,  e explica os motivos da situação atual: criaram UCs e não compraram as terras. Ou seja, não indenizaram os antigos proprietários até hoje.

Entrevista com Maria Tereza Jorge Pádua, parte II, imagem de Maria Tereza Jorge Pádua,
Maria Tereza é um doce de pessoa. E com sobra de competência! Precisamos mais mulheres como ela no setor público.

Militares compraram cerca de 2 milhões de hectares

Curiosamente ela lembra que no início de seu trabalho, época da ditadura que ela não quer de volta, quando estava no IBDF, ” os militares compraram cerca de 2 milhões de hectares ao decretarem áreas protegidas.” Maria Tereza deixa claro que não é saudosista, nem favorável àqueles tempos sombrios.

Perguntei se depois da redemocratização ela poderia apontar algum governo que se sobressaiu na questão ambiental. A resposta não foi animadora: “a Lei do SNUC faculta que 0,5% dos grandes empreendimentos deve ser usado para comprar terras como as dos Parques Nacionais, Rebios, ou ESECs. Mas não se faz nada”, diz indignada.

Orçamento do ICMBio

E conclui: “o orçamento do ICMBio é de 200 milhões reais por ano, ou seja, mal paga a folha de pagamentos… ” Segundo a ambientalista não seria preciso tanto para encerrar de vez com as indenizações paradas há anos. “São 2 bilhões de reais para regularizar tudo. Um novo estádio de futebol, ou uma hidrelétrica,  seriam suficientes para quitar a dívida.”

 Poder Legislativo e autoridades do Executivo

Para Maria Tereza o pior não é ação do MMA ou o ICMBio, “mas a do Poder Legislativo, e autoridades maiores do Executivo, que ameaçam constantemente as UCs com projetos de mineração entre outros.”

ONGs que fazem a diferença

Entre as ONGs que fazem a diferença Maria Tereza cita a FUNATURA e seu excepcional trabalho no Parque Nacional do Jaú, na Amazônia; a Fundação Museu do Homem, de Niède Guidon, na Caatinga;  a Fundação Grupo O Boticário e suas RPPNs, “modelos de boa gestão”, e o “SESC que mantém a maior RPPN do Brasil” no Pantanal.

Entrevista com Maria Tereza Jorge Pádua, parte II:

Entrevista ambientalista Maria Tereza - Parte 2

Na semana que vem a última parte deste instrutivo e saboroso bate-papo.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here