Comportas para salvar Veneza entram em ação

0
3624
views

Comportas para salvar Veneza entram em ação

A construção de Veneza começou no século no 5  d.C, após a queda do Império Romano do Ocidente. Naquele tempo a Europa começava a sofrer as invasões de bárbaros. E a população da região norte, do que viria a ser a Itália, estava receosa de novas invasões. Assim, a cidade foi construída em meio a 118 ilhas no meio de uma laguna (550 km²) no norte da Itália. Segundo o site da  UNESCO, ‘Veneza simboliza a luta vitoriosa do povo contra os elementos que conseguiram dominar a natureza hostil. A cidade também está diretamente associada à história da humanidade. A “Rainha do Adriático”, empoleirada em suas minúsculas ilhas, estendia seu horizonte bem além da lagoa, do Adriático e do Mediterrâneo.’ Só que ‘a luta do povo contra os elementos’ quase foi perdida para o aquecimento do planeta. Contudo, comportas foram construídas para salvar Veneza do inexorável naufrágio.

Veneza alagada
Imagem, portuguese.people.com.cn.

A luta para salvar Veneza

Segundo a CNN, ‘o Modelo Eletromecânico Experimental – está em obras desde 1984. Mas levou quase quatro décadas para ser construído, sendo assolado por atrasos e corrupção a tal ponto – um ex-prefeito foi a julgamento por desviar dinheiro do projeto – que muitos venezianos acreditavam que nunca funcionaria.’

Barreira para salvar Veneza
Imagem, Alfa Laval.

O grande teste aconteceu em outubro de 2020 quando uma grande maré de inverno atingiu a cidade. A CNN diz que ‘A maré que estava 135 centímetros acima do normal atingiu Veneza. Normalmente, isso colocaria cerca de metade da cidade debaixo d’água, mas desta vez a cidade permaneceu seca. Foi a primeira vez que acionaram as barreiras em condições climáticas adversas.’

Como funciona a barreira

O site alfalaval explica: ‘o Mose é um projeto inovador de barreira contra inundações com um sistema de 78 portões móveis sendo construído nas três aberturas da ilha barreira que separa a laguna de Veneza do Adriático. Em circunstâncias normais, eles ficarão planos sob a água, mas, quando necessário, serão elevados, bombeando-os com ar comprimido resfriado dos trocadores de calor da Alfa Laval, para evitar que o aumento do nível do mar entre na lagoa.’

Barreira para salvar Veneza
Imagem, Alfa Laval.

Toda a Europa acompanha o que se passa na cidade, e nem todos são otimistas. Segundo a BBC, o projeto originalmente orçado em 4,1 bilhões de Euros pode acabar custando 8 bilhões quando estiver pronto ao final de 2023.

Barreira para salvar Veneza
Imagem, Alfa Laval.

O projeto também está longe de ser uma solução completa, diz a BBC. O projeto foi para combater grandes aumentos do nível da água e, portanto, não será capaz de impedir a inundação de áreas particularmente baixas, como a Basílica de São Marcos.

PUBLICIDADE

Críticas ao projeto

“Foi adotada uma solução altamente impactante, fortemente projetada e que muitos consideram excessivamente complicada”, diz Jane da Mosto,  diretora executiva da We Are Here Venice, uma organização sem fins lucrativos focada em entender e enfrentar os vários desafios de Veneza. “Desse modo, isso pode na melhor das hipóteses apenas evitar grandes inundações da cidade e outras ilhas causadas por eventos extremos. São necessárias outras estratégias para proteger o tecido urbano dos impactos crônicos de níveis médios de água cada vez mais altos.”

Antes de mais nada, para os críticos, só um sistema nos moldes do holandês seria eficaz. A BBC explica: ‘um enorme sistema de gerenciamento de enchentes composto por 13 barragens e uma série de diques, que opera na Holanda desde 1997. De acordo com o Watersnoodmuseum – um museu dedicado a todas as inundações – é tão eficaz que a região só será inundada uma vez a cada 4.000 anos.’

Outras medidas adotadas incluem a proibição de navios no centro histórico para evitar os danos provocados pelas marolas, entre outros. Mas ainda não é o suficiente. Segundo a rede inglesa, “swell” é um termo frequentemente usado para descrever o rastro criado por barcos a motor e é parcialmente responsável pelos danos causados ​​pela água, relacionados às ondas que afligiram 60% dos edifícios venezianos que margeiam o Grande Canal.

Desse modo, esses danos agravam o problema das enchentes, enfraquecendo os edifícios e as fundações de pedra da cidade, ao mesmo tempo em que aumentam a quantidade de dinheiro que precisa ser alocado para obras de manutenção.

Para os  mais otimistas a admiração por Veneza pode ser a chave para o. seu salvamento. Para alguns dos entrevistados pela BBC ‘o mundo não deixará Veneza desaparecer’.

Recuperação da Serra do Mar com ajuda da sociedade

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here