Aquecimento global com Jefferson Cardia Simões

1
1190
views

Aquecimento global com Jefferson Cardia Simões

Este ano, mais uma vez, o clima prega sustos na comunidade mundial. Após uma semana sob as temperaturas mais quentes já registradas na história, entre 6 e 13 de fevereiro, parte da Antártica derreteu, literalmente. Na base argentina Marambaio, na Península Antártica, pesquisadores brasileiros mediram a maior temperatura já registrada na história da Antártica em 9 de fevereiro de 2020. Nesta data que não será esquecida, os termômetros bateram 20,7°C! Enquanto isso, em janeiro de 2019, o New York Times repercutiu um estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences cujo título era Greenland’s Melting Ice Nears a ‘Tipping Point,’ Scientists Say, em tradução livre, O derretimento do gelo na Groenlândia se aproxima de um ‘ponto crítico’, dizem os cientistas. Nosso tema de hoje é  Aquecimento global com Jefferson Cardia Simões.

Aquecimento global com Jefferson Cardia Simões

Ele é o mais renomado glaciologista brasileiro. Conhecido e respeitado no Brasil e exterior. Mas o que levou alguém que nasceu num País tropical estudar glaciologia?

Jefferson está preocupado e mostra que o aquecimento global está saindo do controle. “Temos que fazer o máximo para mitigar”.

E sobre o descaso do cidadão comum, que reclama do aquecimento nas redes sociais, mas não muda seus hábitos? Jefferson fala sobre isso, e dá sua opinião a respeito do controle de natalidade, um assunto tabu na mídia mundial. “Se não fizermos nada a situação vai piorar ainda mais.”

O seu automóvel, por exemplo, você sabe quanto ele gasta de combustível? Pensa sobre isso quando vai trocar de carro? E quanto ao consumo, você consome de forma responsável, ou é um dos muitos compulsivos?

Estes, e outros assuntos, como o ‘ponto de inflexão’ na Groenlândia, e os recordes de calor na Antártica; a nova base brasileira na Antártica, e a ajuda da Marinha do Brasil nas pesquisas na região.

Jefferson também alertou para ‘as mudanças geopolíticas no hemisfério Norte em razão do aquecimento’. E, para ele, o Acordo de Paris já foi para o saco. Temos que pensar em outro.

Para saber como os cientistas encaram a questão, convidamos Jefferson Cardia Simões.

Conheça Jefferson Cardia Simões

imagem de Jefferson Simões
Imagem, pt.wikipedia.or.

Professor titular de Glaciologia e Geografia Polar da UFRGS, membro titular da Academia Brasileira de Ciências e Comendador da Ordem Nacional do Mérito Científico, é o pioneiro da ciência glaciológica no Brasil e atualmente é Vice-Presidente do Scientific Committee on Antarctic Research/Conselho Internacional de Ciências (SCAR/ISC). Ele obteve seu PhD pelo Scott Polar Research Institute, University of Cambridge, Inglaterra, em 1990. É pós-doutor pelo Laboratoire de Glaciologie et Géophysique de l’Environnement (LGGE) du CNRS/França e pelo Climate Change Institute (CCI), University of Maine, EUA.

Graduação e pós-graduação

Leciona e orienta alunos de graduação e pós-graduação em Geociências e Geografia (38 dissertações de mestrado e 18 teses de doutorado aprovadas). Toda sua carreira foi dedicada às Regiões Polares, tendo publicado 180 artigos, principalmente sobre processos criosféricos.

PROANTAR

Pesquisador do Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR). É consultor ad-hoc da National Science Foundation – NSF (Office of Polar Programs). Simões já participou de 23 expedições científicas às duas regiões polares, criou o Centro Polar e Climático da UFRGS, a instituição que lidera no Brasil a pesquisa sobre a neve e o gelo.

Testemunhos de gelo

Ele coordena a participação brasileira nas investigações de testemunhos de gelo antárticos e andinos e faz parte do comitê gestor da iniciativa International Partnerships in Ice Core Sciences (IPICS). Em 2007 recebeu o Prêmio Pesquisador Destaque da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (FAPERGS) por sua contribuição à pesquisa antártica.

Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia da Criosfera

Atualmente é o coordenador-geral do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia da Criosfera (INCT da Criosfera) e professor colaborador do CCI/University of Maine, Orono, EUA. No verão de 2011/2012 liderou a expedição que instalou o laboratório científico latino-americano mais ao sul do Planeta, o módulo Criosfera 1.

Imagem de abertura: pt.wikipedia.or.

Podcast Carcinicultura no Nordeste, escândalo ambiental fora da mídia

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

1 COMENTÁRIO

  1. SOU APENAS UM RELES CIDADÃO À QUEM NUNCA FOI PERGUNTADO NADA E ATÉ HÁ UNS DEZ OU POUCO MAIS ANOS ATRÁS FALAR EM AQUECIMENTO GLOBAL ERA TEORIA DE CONSPIRAÇÃO OU DE METIDO À NERD. ESTAMOS NOS APROXIMANDO DO PONTO DE NÃO RETORNO ENTÃO ESPERO SÓ ESTAR VIVO PARA COMEÇAR A VER AS CONSEQUÊNCIAS MAIS TERRÍVEIS DO MECANISMO, MAS COMO JÁ ESTOU NO OUTONO DE MINHA VIDA NÃO CREIO QUE PODEREI VER OS INÍCIOS DO ARMAGEDOM.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here