A Saga do Mar Sem Fim, de João Lara Mesquita, diário de bordo

0
2104
views

A Saga do Mar Sem Fim, de João Lara Mesquita

A Saga do Mar Sem Fim, de João Lara Mesquita: “a Antártica é múltipla. Assusta, impõe barreiras e é hostil. Cobra um preço alto de quem a desafia. Mas também pode ser o lugar mais espetacular na Terra. Seu espectro de cores não tem rival. E os contornos dramáticos, exagerados em perfeição, nos transformam em espectadores apalermados sem saber escolher as palavras para descrever a paisagem. Nada se compara a ela”, escreve o jornalista João Lara Mesquita em A Saga do Mar Sem Fim, livro que lança nesta quarta-feira, 5, na Livraria da Vila do Shopping JK.

A Saga do Mar Sem Fim, de João Lara Mesquita, de João Lara Mesquita, imagem barco mar sem fim saindo da água antartica-
A Saga do Mar Sem Fim, de João Lara Mesquita

 A bordo do Mar Sem Fim

Ele viu essa beleza sem igual a bordo do Mar Sem Fim enquanto fazia uma série de reportagens ambientais. Voltaria a visitar o local, mas desta vez – em março de 2011 – acompanhado de um grupo de turistas. O barco, no entanto, começou a apresentar problemas ao mesmo tempo em que a natureza se manifestava. “Passei por um fenômeno climático muito raro, o jato frio inercial, que pode durar uma semana ou mais. Fui pego no meio dele. Ele acirra as condições da Antártica – faz os ventos ficarem mais fortes e o frio, mais frio. Cheguei a pegar -14º dentro do barco. Fora, a sensação térmica chegava a -30º, -40º”, relembra o jornalista.

O voo que levou os turistas embora foi o mesmo que deixou Plínio Romeiro Jr., amigo e conhecedor de náutica, no cenário congelante. Com a tripulação – e atentos aos sons, já que nada se via por causa do mau tempo, e aos sinais do radar -, eles lutariam pela vida – sem que tivessem total consciência disso – e para manter o Mar Sem Fim flutuando.

A Saga do Mar Sem Fim: medo da morte

“Não tive medo de morrer. Durante todo o tempo do sufoco estive a 400, 500 metros de uma base. É evidente que se corre perigo de vida, mas não dá tempo de pensar. A ideia, ali, era não perder o barco. E se tivéssemos de perder, que isso não causasse nenhum prejuízo ambiental”, diz. Não puderam evitar o naufrágio, mas tripulação e meio ambiente saíram sãos e salvos.

História é contada em detalhes no livro A Saga do Mar Sem Fim, de João Lara Mesquita

A história é contada em detalhes no livro, que traz muitas imagens do local e do barco antes e depois do acidente. Nele, o autor resgata, ainda, outras viagens do Mar Sem Fim e seu resgate depois de um ano em águas congeladas. E fala da “solidariedade antártica”. Ele explica: “Antes de você pedir ajuda, já tem fila de gente se oferecendo. Todos se ajudam porque sabem que um depende do outro. As condições de sobrevivência lá são dificílimas”.

Memórias de família

A narrativa é entremeada por memórias de infância – da caravela construída pelo irmão Fernão com um grosso gomo de bambu e com a qual brincavam na fazenda aos passeios de barco com o pai. A paixão pelo mar não existe desde sempre. Na verdade, por muito tempo, o autor conta, manteve uma relação de amor e ódio com ele. “Eu era um garoto de uns 11, 12 anos, e era uma grande aventura sair num barco que era do tamanho de uma casinha. Mas, ao mesmo tempo, eu botava a cara no mar e começava a enjoar. É o pior sentimento que o ser humano pode ter.” Foi assim por 10 anos. “Eu insistia porque achava fascinante aquele mundo de aventura, e quando o barco parava à noite para dormirmos e não balançava, eu me sentia um pirata ali dentro.”

Rádio Eldorado

Em 1982, ao assumir a direção da Rádio Eldorado, sua relação com o mar se tornaria, também, profissional. Para se diferenciar das concorrentes, ela passou a debater questões ambientais e logo João Lara Mesquita percebeu que o mar e a zona costeira não estavam entre as prioridades dos ambientalistas. E se dedicou ao assunto. Desde 2003, quando deixou a emissora, ele viaja pelo litoral fazendo reportagens e documentários alertando a população para os problemas. A nova temporada de Mar Sem Fim, seu programa na TV Cultura, está no ar há dois meses e sua ideia é mostrar as unidades de conservação federais da zona costeira do País.

Hoje, ele já não tem pesadelos com o acidente, mas sabe que será assombrado para sempre pela lembrança. Entre as lições aprendidas, a de nunca medir forças com a natureza. E a vontade de voltar persiste. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Publicação do Diário do Grande ABC

Eldorado – a Rádio Cidadã

COMPARTILHAR

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here