Bioma Pampa e a indiferença da opinião pública

2
4183
views

Bioma Pampa, indiferença da opinião pública é ‘o’ maior inimigo

Ele também pode ser conhecido como Campos Sulinos, ou Campos do Sul. Pampa é um termo de origem indígena que significa ‘região plana’. Ele ocupa apenas 2% do território nacional. Entre os seis biomas nacionais, é um dos menos comentados. Enquanto é fácil achar matérias sobre a Amazônia, Mata Atlântica, ou Pantanal, é difícil achar equivalentes a ele dedicadas. Pode parecer que está tudo bem. Mas não é assim. Em 17 de dezembro de 2020 o site Direto da Ciência publicou a matéria Não há o que comemorar no Dia do Bioma Pampa. Foi o que nos inspirou.

Imagem do bioma Pampa
O Pampa ou Campos Sulinos. Imagem, https://escola.britannica.com.br/.

Bioma Pampa

O artigo é de autoria de dois professores, Valério Pillar e Gerhard Overbeck, do Instituto de Biociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e pesquisadores da Rede Campos Sulinos.

O texto começa mostrando o perigo: ‘Nos últimos 34 anos, mais de 2 milhões de hectares de campos nativos do bioma Pampa foram convertidos em lavouras, pastagens plantadas e silvicultura, segundo dados do projeto MapBiomas.’

Pampa perde o equivalente a 175 mil campos de futebol por ano

Na sequência os autores alertam sobre algo que temos falado muito em relação ao bioma marinho. Pelo menos neste ponto ambos se equivalem: ‘A perda anual tem sido 125 mil hectares nos últimos seis anos, sem sinais de decréscimo. Isso corresponde a 175 mil campos de futebol por ano, o que deveria gerar comoção pública e ações rigorosas de fiscalização’.

Deveria gerar comoção pública. Mas não o faz. Assim, ações rigorosas de fiscalização não acontecem, ou acontecem em escala pequena. No bioma marinho explicamos que este fenômeno mundial é seu grande problema: o descaso aliado à falta de informação.

PUBLICIDADE

Foi a percepção desta realidade que nos levou a criar este site e partir para o mar em busca de informação.

Imagem do bioma Pampa
Imagem, Direto da Ciência.

Demorou para a mídia tradicional se tocar. Mas, em razão também do aquecimento global e a subida do nível dos mares que ameaça milhões de pessoas, a ficha finalmente caiu.

No mar o descaso acontece porque as pessoas não veem o que está debaixo d’água. Para ampla porção da população mundial, mar é sinônimo de lazer, praias, sol, férias ou feriados.

Foi preciso a pandemia de plástico se alastrar invadindo a cadeia alimentar de seres humanos para a mídia, e as pessoas, começarem a reagir.

Então, se é por falta de conhecimento, vamos em frente.

‘Por que precisamos manter a vegetação nativa?’

Esta é uma das indagações dos pesquisadores no artigo. E são eles que respondem: ‘Por que precisamos manter a vegetação nativa? Os campos do Pampa apresentam flora e fauna únicas, uma biodiversidade riquíssima e não menos importante do que a de outros biomas brasileiros’.

‘Com perda da vegetação nativa, perdemos benefícios da natureza para a nossa qualidade de vida no campo e na cidade’.

E se persistir o descaso, pode ser que sobre muito pouco do Pampa. ‘Nesse ritmo (de destruição), em 2050 restarão menos de 12,9% do bioma coberto por campos nativos. Porém, em alguns municípios já restam agora menos de 6%’.

imagem de ovelhas criadas no Pampa
Ovelhas também são criadas no Pampa cujos maiores inimigos são a soja e a silvicultura. Imagem, https://www.artesol.org.br/.

Este percentual é mais ou menos o que sobrou da Mata Atlântica, que cobria o litoral do Brasil desde o Rio Grande do Sul até o Piauí, ao tempo em que começou a devastação logo depois de Cabral pisar o solo de Porto Seguro.

E se ainda hoje temos cerca de 12% de mata atlântica, isso se deve ao trabalho exemplar da mais notável ONG nacional, a SOS Mata Atlântica. Foram os alertas e campanhas da ONG, e sua ação junto aos órgãos públicos e ao Congresso, que sensibilizaram a opinião pública a ponto da descoberta da mais antiga árvore de Pau-brasil, cuja idade foi estimada em 600 anos, viralizar na internet.

O Pampa e o Rio Grande do Sul

Ao contrário do bioma marinho que banha 17 Estados brasileiros, ou da Mata Atlântica presente no litoral de 14 Estados, e também em Minas Gerais que não é um Estado costeiro mas abriga a mata atlântica; o Pampa é mais acanhado, presente apenas ao Rio Grande do Sul  onde ocupa 63% do Estado mas que também se estende por Argentina e Uruguai.

mapa do bioma Pampa no Rio Grande do Sul
Ilustração, https://www.ibflorestas.org.br/.

E no que diz respeito ao Rio Grande do Sul ‘a qualidade da água, alertam os autores, e dos alimentos, depende diretamente da conservação dos ecossistemas naturais. Sem a vegetação nativa, a polinização de muitas culturas agrícolas fica comprometida’.

Menos Pampa, mais gases de efeito estufa

Com a palavra os pesquisadores: ‘A conversão dos campos aumenta as emissões de gases de efeito estufa, agravando mais ainda as mudanças climáticas que já causam impactos sérios para a humanidade, inclusive para a agricultura’.

PUBLICIDADE

imagem do Pampa e gaúchos à cavalo
Os gaúchos no Pampa. Imagem, https://escola.britannica.com.br/.

‘E, não menos importante: o que seria a cultura gaúcha sem os campos do Pampa?’

‘Não há o que comemorar no Dia do Bioma Pampa’

Foi o que disseram os autores, ou você discorda? ‘Mas é um momento para refletir sobre o caminho a seguir para garantir um futuro com qualidade para as próximas gerações. A pesquisa científica evidencia as consequências dramáticas que as mudanças do clima e do uso da terra terão para a humanidade’.

imagem de gado no Pampa
O gado é tradicionalmente criado no Pampa. Imagem, Tiago Francisco / Sistema Farsul.

Os felinos do Pampa, criticamente ameaçados

Entre os animais mais ameaçados do Pampa figuram sete das dez espécies de felinos do País. Tadeu Gomes de Oliveira, pesquisador da Universidade Estadual do Maranhão especialista em felinos disse ao G1 que “no Pampa as espécies que não foram extintas estão ameaçadas. É o caso do gato-palheiro-pampiano (Leopardus munoai), espécie endêmica do bioma que já perdeu mais de 80% do habitat para a agricultura. O felino deve ser considerado um dos mais criticamente ameaçados de extinção em todo o Planeta’”

Espécie é endêmica

Mais preocupante é saber que esta é uma espécie exclusiva do bioma. “As análises de taxonomia, genética, morfologia e ecologia reconheceram o gato-palheiro do Pampa como uma nova espécie para a ciência, sendo endêmica do bioma.”

“Como agravante, os estudos genéticos demonstram que essa unidade possui considerável isolamento das demais populações da espécie na América do Sul. Ou seja, sua extinção não poderia ser compensada pela recolonização dos gatos-palheiros vindos de outras áreas.”

Onça-pintada

É mais uma espécie que já não se encontra mais no Pampa. Fábio Mazim, ecólogo especialista em carnívoros ouvido pelo G1 diz que  “a espécie foi extinta no Pampa pelo somatório da caça, da perda de habitat e da extinção de suas presas de grande porte, com a anta, o queixada, o cateto, o cervo-do-pantanal e o tamanduá-bandeira.”

Jaguatirica

É mais uma das espécies em estado crítico no Pampa. Os últimos registros, diz o G1, foram feitos em 1980. Mas também não é a única. A onça-parda, conhecida na região como  leão-baio foi registrada apenas três vezes nos últimos anos.

Predadores do topo da cadeia

Qualquer bioma que perca os predadores de topo da cadeia está fadado ao desaparecimento. São os animais mais importantes, os que mantém a saúde do ecossistema.

É por este motivo que este site tem feito tantas matérias sobre a importância dos tubarões, predador impiedosamente caçado nos oceanos mundo afora. Predadores de topo de cadeia são responsáveis pela manutenção do equilíbrio no ecossistema.

PUBLICIDADE

Portanto, o desaparecimento dos felinos do Pampa apenas antecipa o fim da biodiversidade de mais este bioma brasileiro. As próximas gerações provavelmente conhecerão o que foi o Pampa através de livros e filmes.

Talvez agora, depois que a declaração de emergência climática foi pedida à todos os países membros da ONU, as pessoas fiquem mais sensibilizadas também em relação ao Pampa.

Não adianta ‘salvar’ a Amazônia, e deixar os oceanos, o Pampa a Caatinga, o Cerrado, agonizarem. Somos todos dependentes da saúde dos ecossistemas da Terra.

Foi por invadi-los, e maltratá-los, que a pandemia da covid-19 saltou para os humanos. A covid-19 é uma zoonose, passa de animais para os seres humanos.

Os autores do artigo assim encerram seu texto: ‘A ciência também demonstra os benefícios de uma economia mais sustentável. Por exemplo, a produção de carne de qualidade sobre os campos nativos, prática tão simbólica para o bioma Pampa, é não apenas compatível com a conservação da biodiversidade, mas também pode contribuir para o sequestro de carbono no ecossistema. Este tipo de sinergia será a base para economias bem sucedidas no futuro’. 

Assista ao vídeo e conheça mais o Pampa

Imagem de abertura: https://www.ibflorestas.org.br/.

Fonte: http://www.diretodaciencia.com/2020/12/17/nao-ha-o-que-comemorar-no-dia-do-bioma-pampa/?fbclid=IwAR0SonIwrQpwu31Zz33U-1giOQ0_IPodI24TciM-SNm0GPCD3gnW–p6xEA; https://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/terra-da-gente/noticia/2020/08/12/felinos-do-pampa-bioma-e-casa-para-especies-raras-e-ameacadas.ghtml?fbclid=IwAR0MbAXslzpqYaAAubEcab8iWzlZX93Dfp8s_Hynh1d0K9RDzIJZNVYG-Gs.

Submarino particular, você já pode ter o seu

Comentários

2 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns por mais uma excelente matéria, João Lara Mesquita.
    Informação é a principal arma que temos para cessar com esses crimes.
    Muito triste assistir a destruição de mais um importante bioma.
    Obrigado por compartilhar.

  2. Espero que um dia num futuro PRÓXIMO a natureza se revolte e mostre aos auto intitulados animais racionais quem manda no pedaço ou planeta Terra e trabalhe incessantemente no MARTEFORMAÇÃO.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here