O resgate do Mar Sem Fim, um ano após o dramático naufrágio

2
7322
views

O navegador João Lara Mesquita volta ao ponto do acidente, no Chile, e consegue resgatar seu trawler de 76 pés, esmagado por placas de gelo na Antártica

Por Gilberto Ungaretti, Revista Boat, edição 45.

Resgate do Mar Sem Fim

“O NAVIO ESTÁ MORTO!”

“Foi assim que marinheiros brasileiros se referiram ao Mar Sem Fim, quando entraram em seu interior. Perdemos o barco, mas, felizmente, não houve qualquer impacto ambiental ao ponto do naufrágio”, declarou João Lara Mesquita, logo após o resgate

 

Na manhã do dia 31 de janeiro, os antigos tripulantes do trawler Mar Sem Fim reuniram-se na Antártica para uma cerimônia quase que religiosa: a remoção do fundo do mar do barco de 76 pés, que afundou de forma dramática nove meses antes, na Baía de Fildes, esmagado por placas de gelo. “É maravilhoso ver flutuar novamente este barco que tanto prazer me deu na vida”, comentou o seu capitão – o jornalista João Lara Mesquita –, comovido com a imagem do casco notavelmente preservado, pelas condições do ambiente (as águas eternamente geladas da Antártica) propícias à conservação, sem plantas ou incrustações.

Para o resgate do barco, numa jornada que se estendeu por 25 horas, mergulhadores da Nautilus – empresa especializada nesse tipo operação – passaram fitas sob o casco e as amarraram a boias. Infladas, essas boias fizeram o “Marzão” (como o trawler era chamado carinhosamente por seus tripulantes) voltar a flutuar. Durante os dias seguintes, enquanto acompanhava o reboque do Mar Sem Fim para Punta Arenas, no extremo sul do Chile, onde terá um “funeral” à altura e, enfim, encerrar seu ciclo no mar, João Lara recordava o drama vivido exatamente nove meses antes. 

Um giro pela Antártica

Quando embarcou em seu trawler de 76 pés – avaliado em US$ 700 mil – rumo à Antártica para a produção de uma série de documentários (que seriam exibidos na TV) revelando as primeiras consequências do aquecimento global na península gelada, o jornalista, fotógrafo, músico, velejador, capitão amador e explorador, de 56 anos, não poderia imaginar o calvário que iria viver dias depois, ao lado de sua tripulação – o experiente skipper Pedro (o Pedrão) Camargo (que deu lugar a Plínio Romeiro Jr. às vésperas do dia fatídico) e os marinheiros Alonso Goes e Manuel de Souza.

O Mar Sem Fim partiu do Iate Clube Afasyn, em Ushuaia, no dia 7 de março, após a previsão anunciar uma “janela de tempo” para atravessar o Estreito de Drake. Com a ajuda de especialistas e a experiência de cerca de 60 mil milhas navegadas, João Lara tinha os riscos do percurso relativamente calculados. Mas, como definiu o escritor Ernest Hemingway em uma de suas “cartas” para a revista Esquire, escritas entre 1933 e 1936, chamada On the Blue Water (Na Água Azul), as grandes correntes do oceano formam o último país selvagem. “Assim que você perde de vista a terra e os outros barcos, você fica ainda mais sozinho do que numa caçada, e o mar é o mesmo que tem sido desde os tempos em que os homens não navegavam”, comparou o autor de O Velho e o Mar. Quer dizer, uma coisa é controlar o barco e os instrumentos de navegação, outra é enfrentar as surpresas do mar.

Por sua vez, nas embarcações, os motores, hélices, lemes, quilha e bombas tremem de medo quando a hora de enfrentar o mar grosso se aproxima, apesar da parafernália tecnológica de última geração. Porque, mesmo com todos os recursos tecnológicos existentes hoje, o imponderável está lá, à espreita, pronto para surpreender. E surpreendeu o Mar Sem Fim

 

Mergulhadores em operação para resgate do mar sem fim

O RESGATE

A jornada se estendeu por 25 horas. Mergulhadores especializados passaram fitas sob o casco e amarraram boias no trawler Mar Sem Fim

 

Barulho estranho

Depois de enfrentar locais como o Canal de Beagle e o Cabo Horn, e de cruzar o complicado Estreito de Drake, a tripulação do Mar Sem Fim ouviu um barulho estranho vindo dos eixos do barco. “Pensamos na possibilidade de a hélice ter enroscado em alguma linha de pesca, ou cabo. Para conseguir ver o sistema de eixos e hélices era preciso mergulhar ou usar algum truque. Decidimos filmar com o telefone à prova d’água do Pedrão. Amarramos o aparelho num remo, mergulhamos na direção do leme e filmamos.” O resultado? Nada de cabos enrolados. Era a bucha do pé de galinha do eixo direito que havia desembuchado. “Encrenca brava”, definiu o capitão do barco.
Com várias ferramentas diferentes, os tripulantes do Mar Sem Fim tentavam empurrar a bucha novamente para o lugar correto. Nada feito. Seria preciso ajuda externa, ajuda encontrada na base argentina de Carlini, em Rei George, um percurso de 60 milhas, a não mais que 5 nós de velocidade.

Chegando lá, os passageiros do Mar Sem Fim, junto com o skipper Pedrão, desembarcaram e voltaram para casa de avião. No sentido contrário, trazendo as peças para o reparo do barco, vinha o Plínio Romeiro Jr., amigo de longa data de João Lara e um profundo conhecedor da arte da marinharia.Depois de remover a hélice e tirar a bucha estragada, mergulhadores argentinos conseguiram colocar a bucha nova. Os trabalhos foram encerrados com sucesso às 16h30 do dia 29 de março de 2012. O capitão do Mar Sem Fim, então, pediu à Commanders Weather uma previsão de tempo para atravessar o Drake de volta à América do Sul, em segurança. Afinal, o barco enfrentaria frio intenso, mares bravios e muito gelo pela proa. A empresa responde que, naquela semana, a possibilidade era pequena. A única chance, ainda não confirmada, seria no dia 6 de abril, anda assim com ondas na casa dos 3 para 4 metros, talvez um pouco mais.

Sala de comando após o resgate do mar sem fim

 A fúria dos ventos

A ilha Rei George faz parte do arquipélago das Shetland do Sul, formado por meia dúzia de ilhas. Ela é a maior de todas. O arquipélago é banhado em seu lado norte pelo Estreito de Drake. Do lado sul, separando a Antártica, há outro braço de mar, o Estreito de Bransfield. Cerca de 120 quilômetros separavam o Mar Sem Fim da Península Antártica. Em outras palavras, o trawler estava em pleno Drake, o que explica a fúria dos ventos na região.

Dia 2 de abril. Com previsão de vento muito forte, de leste, com rajadas de 60 nós, João Lara decide deixar a Baía Potter e seguir para Fields bay, a 9 milhas de distância, onde fica a base chilena Frei. O problema de Potter é que a baía é cercada de geleiras. Pedaços enormes se desprendem e ficam à deriva, ameaçando o Mar Sem Fim, que está fundeado bem no meio dela. “Como a previsão indicava ventos muito fortes para os próximos dias, resolvemos mudar para Frei, onde ao menos não temos gelo solto nos ameaçando”, explica o capitão.

4 de abril de 2012. Amanhece na Baía Fildes, ilha Rei George. A temperatura é de menos 6 °C, o vento de Sudeste, na casa dos 30 nós, com rajadas de até 40 nós. O Mar Sem Fim se desgarra. Motores ligados, Plínio tenta fazer o ferro grudar no fundo do mar. Em vão. Entra uma rajada mais forte, com 56 nós. O barco desloca-se a favor do vento em direção à praia, enquanto a nevasca deixa tudo branco, impedindo uma visão apurada. Visibilidade zero.

O capitão do Mar Sem Fim descreve o clima a bordo: “Tensão, frio na barriga, sensação de pequenez diante da poderosa força dos elementos que nos cercam: frio glacial, ventania, ondas desencontradas, barulhos estranhos e incomuns.”

Enquanto isso, chega mais uma previsão de tempo: “Ventos com força de mais de 50 nós são esperados para esta noite. Mas amanhã é que a coisa fica mais preta: furacão à vista, com ventos de 80 nós e ondas de 10 metros de altura ao norte da ilha Rei George.” Os termos usados pelos meteorologistas americanos, normalmente frios, eram absolutamente alarmantes.
Abandonar o barco

Com o ponteiro da sua bússola apontado para a preservação física de sua tripulação, o capitão decide abandonar o barco rumo à base chilena Presidente Eduardo Frei Montalva. “Decididamente seria estupidez sair para o mar com essa situação”, pondera João Lara. Antes, era preciso fundear o trawler a sotavento de uma ilhota na baía, com os dois ferros de 95 kg cada um. Manobra perfeita, com Plínio Romeiro ao leme. Em seguida, o capitão fechou o barco, desligou os aparelhos e embarcou no enorme bote de borracha, com dois motores de 60 cavalos cada. Com o qual o pessoal da base chilena fez o resgate. “Foi uma epopeia. Ondas de mais de um metro e meio e vento com mais de 40 nós faziam com que o bote saltasse para um lado e outro, como um cavalo xucro num rodeio”, lembra João Lara. Já no conforto do alojamento da base Fildes, a tripulação do Mar Sem Fim não viu o barco ser submetido à violência das ondas e do vento, que atingiu 75 nós de pico – cerca de 140 quilômetros por hora. Pela manhã, quando João Lara chegou à baía onde o “Marzão” estava fundeado, a baía estava cercada por blocos de gelo trazidos pelo furacão da noite passada, com o barco preso entre eles.

7 de abril de 2012. Exatamente um mês depois de levantar ferros em Ushuaia, o Mar Sem Fim afundou, esmagado pelos blocos de gelo. Preocupado com os sinais de vazamento de parte dos 8.000 litros de óleo diesel do Mar Sem Fim no fundo da Baía de Fildes, contribuindo para a poluição local, João Lara teve de esperar o verão da Antártica e o consequente derretimento do gelo, para iniciar a operação de resgate do casco. Pelo Protocolo de Madri, tratado internacional para a exploração da Antártica, é responsabilidade de cada país a remoção de detritos deixados na região. Como a embarcação tinha bandeira brasileira, a remoção ficaria a cargo da Marinha, caso o proprietário não limpasse a área. Apaixonado pelo mar, e um obstinado defensor da Antártica (e do meio ambiente), João Lara não iria pagar um mico desses.

Sala de estar do Mar Sem Fim após o resgate

Causa nobre 

Fiscal da natureza, há tempos João Lara Mesquita navega para mostrar as belezas e os problemas que o homem vem causando

Desde 2003, quando deixou a direção da então Rádio Eldorado (atual Estadão) – empresa do grupo Estado, que pertence à sua família –, o jornalista João Lara Mesquita dedica-se a produzir documentários. A bordo do veleiro Morgan, de 46 pés, batizado de Mar Sem Fim, durante dois anos (entre 2005 e 2007), ele navegou pela costa brasileira, em busca dos problemas ambientais do nosso litoral. Foram percorridos quase 10 mil quilômetros, do Oiapoque ao Chuí, passando pelos rios da Amazônia. A expedição deu origem ao programa Mar Sem Fim, exibido pela TV Cultura, e aos dois volumes do livro O Brasil Visto Pelo Mar Sem Fim.

Em outubro de 2009, o jornalista e equipe partiram para uma segunda expedição, dessa vez à Antártica, com o objetivo de pesquisar o impacto do aquecimento global sobre a península gelada. Para isso, escolheu um trawler de 76 pés, também batizado de Mar Sem Fim. A jornada acabou se transformando em uma nova série televisiva, exibida na TV pela Band.

A recente viagem, em que perdeu seu barco, foi a segunda expedição de João Lara à Antártica. O objetivo era o mesmo da anterior: mostrar a beleza da natureza e os problemas que o homem vem causando nela, como, no caso do continente gelado e branco, o aquecimento global. “Eu já ficaria contente se os documentários deixassem uma sementinha que ajude a conscientizar as pessoas sobre a importância da Antártica”, justificou.

 

Vista da praia do resgate do Mar Sem Fim

 O que, de fato, aconteceu?

Mar Sem Fim foi vítima de um fenômeno meteorológico chamado “jato frio inercial”, que potencializa as três piores condições da Antártica. O frio, que já é absurdo, desce ainda mais. O vento, que já é forte, vira vendaval, soprando blocos de gelo para a baía. O acúmulo de gelo acabou provocando uma fissura no casco, e o trawler, de 76 pés, começou a fazer água e afundou. 

 

Flutuação do Mar Sem Fim para resgate

 

O Mar Sem Fim comeca a subir. Dia 31/1, 11hs 45 da manha.

 

Preparando o cabo do reboque.

“Não há palavras para descrever o que senti depois de ver o Mar Sem Fim flutuando outra vez. Fiquei arrasado. Mas feliz por descobrir que não houve impacto ambiental”, Joao lara mesquita.

 

COMO ELE ERA

O Mar Sem Fim.

Assim era o Mar Sem Fim antes de naufragar na Antártica e ser vendido como sucata. Todo o casco, de alumínio, será reciclado e revendido em pedaços no Chile

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

2 COMENTÁRIOS

  1. Boa tarde! Assistindo toda a primeira viagem até a Antártida e a derradeira segunda, segundo o próprio João Lara, não houve nenhuma fissura ou vazamento. Com o desligamento dos motores e pressão do gelo, a água entrou no barco pelo cano do esgoto. É incrível como pela naturalidade e carinho de João Lara pela viagem, me senti parte da tripulação também…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here