Viagem do Naufrágio: Emoção pouca é bobagem

15
443
views

Viagem do Naufrágio: Emoção pouca é bobagem – 10/4/2012, 23h55.

 

7/4/2012

 

Acordo (?!- faz uma semana que não dormimos, apenas “dormitamos” alguns minutos por noite) pouco depois da oito da manhã. Nem bem saí do beliche quando Plínio voltou lá de fora, arrasado, e me abraçou: “ O Marzão naufragou”, disse, “só a proa está de fora”.

O Marzão só com a proa fora dágua.

Foi um choque terrível. Um golpe. Um direto no queixo.

Nosso último dia na Antártica foi um “tour de force”em termos de emoções.

A primeira foi esta, logo pela manhã.

Não acreditei. A gente sempre tem uma esperança, por piores que sejam as condições.

Vista geral da Baía Fildes, Ilha Rei George. À esquerda a base do Chile.

Desnorteado voltei para a cama. Deitei e me cobri. Em seguida, não sei se por descarga de adrenalina, ou seja o que for, comecei a ter violentas tremedeiras. Daquelas de filmes da África que mostram pessoas sofrendo ataques de malária.

Foram duas horas assim. Sentia um frio horroroso. E tremia de chacoalhar o beliche. Em seguida, a muito custo, me aquietava. Minutos depois voltava a tremedeira.

Não conseguia me concentrar. A cabeça rodava. Um turbilhão de pensamentos  invadia meu cérebro sem que eu conseguisse distinguir aquela massa de informações, imagens, sensações muito fortes.

Em seguida voltavam os ataques.

Algum tempo depois Plininho entrou no quarto e tornou a falar comigo: “Coragem, amigo, levanta. Temos que tomar providências. O Comandante quer falar com você”.

“Aproveito pra te contar que o russo (ele se referia ao oficial Ruslan Eliseev, da base Bellinghausen, que participou de nosso resgate no bote) veio aqui te abraçar quando viu o Mar Sem Fim naufragar. Expliquei que você estava num momento íntimo, de reflexão, ele entendeu.”

Não sei como, mas depois disto uma imensa força se apoderou de mim. Levantei , me recompus, e segui ao escritório do Eduardo.

O HMS Protector estava chegando. Pelo rádio o imenso navio inglês chamou os chilenos e avisou que não seria possível suspender o Marzão (eles ainda não sabiam do naufrágio), muito menos conseguiam se aproximar da baía Fildes em razão dos blocos de gelo.

Agradecemos. O navio seguiu seu curso.

Diminuíam as opções.

Uma delas era um avião da força aérea uruguaia que chegaria dia 17/4. Ele traria um grupo de amigos e autoridades daquele país até a base Artigas que também fica em Rei George.

Ao mesmo tempo aguardávamos os uruguaios que viriam almoçar conosco.

Ao meio dia chegaram trazendo novidades nada boas. A bomba de água da base Artigas (normalmente as bases puxam água doce de lagoas formadas pelo degelo) havia congelado em razão do frio intenso e inesperado.

Os uruguaios tinham água para apenas uma semana, e só para a guarnição formada por meia dúzia pessoas.

Suspenderam a vinda do avião. Naquela condição não seria possível receber mais ninguém.

Caía mais uma chance da gente sair de lá.

Corríamos o risco de passar todo inverno em Rei George. A situação, que já era ruim, ficou preta.

Tínhamos apenas mais uma oportunidade: o navio polar brasileiro Almirante Maximiano, que ainda estava nas redondezas para nos ajudar.

Logo depois novo contato via rádio, desta vez com o Comandante do Max, Pinto Homem.

“Senhor João Lara”, disse ele, “nós não temos condições de resgatá-los, o gelo não permite que nossos botes cheguem até vocês”.

“Alem disso”, prosseguiu, “estamos novamente ameaçados de ficar presos no gelo”.

“Sinto muito pela perda de seu barco, sei  bem o que isto representa para um homem do mar, mas insistir pode ser pior”.

Concordei.

Não havia nada a fazer. O Comandante tinha obrigação de seguir para o Drake antes que fosse tarde.

Nos despedimos. O Maximiano partiu.

Caía a derradeira opção.

Voltamos para o local da confraternização bastante apreensivos.

Imaginem ficar quase um ano na base chilena a espera do próximo verão. Seria um desastre!

Mesmo assim nos distraímos com as visitas, o churrasco, a festa de aniversário de um dos marinheiros chilenos.

Enquanto conversávamos o comandante Eduardo voltava ao telefone.

Mais alguns minutos e me chamam de novo.

A companhia de aviação DAP, a mesma a trazer o Plininho com a bucha nova, e que levou de volta meus parentes Mesquita e Moraes Barros (como já contei em matérias anteriores), percebeu que havia uma janela para um vôo. Mas ele tinha que sair de Punta Arenas imediatamente ou o tempo fecharia de novo.

O custo do frete é salgado. Pior seria o isolamento.

Autorizei.

Cinco minutos depois o avião decolou de Punta Arenas, cidade chilena às margens do Estreito de Magalhães.

Em pouco mais de duas horas pousaria em Rei George.

Escrevo este texto às 22h39, do dia 10/4.

Faço uma pausa porque acabo de receber um correio da base chilena em resposta a uma mensagem que mandei esta manhã (10/4).

 

“Querido Eduardo:

Já estamos em casa, em São Paulo, cercados por familiares.

Mais uma vez, muito obrigado.

Necessito notícias:

Como está o Ary Rongel?

E o Mar Sem Fim, ainda com a proa para fora?

O que posso fazer daqui para ajudar?

Grande abraço, até breve.

……………………………………………………………………………………

Resposta:

……………………………………………………………………………………..

“Estimado amigo Joao:

 

Espero que estés muy bien junto a tu familia y ya les hayas dejado a todos mas tranquilos después de la experiencia que vivieron acá.

Te cuento que el yate se hundió completo, solo queda el mástil aflorado y las trazas de diesel están confinadas por el hielo. Aun no puedo acercarme pero apenas lo haga tomare fotos y te las mandare.

En cuanto al Ary Rongel, va navegando hacia Punta Arenas sin problemas, Así que ya estamos mas tranquilos.

Espero que Alonso este mejor de su pie y junto a Manoel, editen muy bien en sus casas.

A Plinio le mando un abrazo muy grande, espero que ambos guarden en un lugar especial nuestro pabellón Nacional. Para que no se olviden de este grupo de Imprescindibles, como dijiste el ultimo día por acá.

En nombre de todos los de Imprescindibles de Bahia Fildes. Les mando un gran abrazo.

 

Comandante Eduardo

…………………………………………………………………………………

Enquanto aguardávamos o vôo da DAP o Comandante Eduardo entra na sala da festa, pede que abaixem o som, e começa um discurso em nossa homenagem.

O Comandante Eduardo e a garrafa de vinho.

Ele fala do sofrimento e emoções pelas quais passamos juntos.

Foi forte. Forte até para aqueles duros marujos, acostumados a lidar com situações difíceis.

João Lara recebe a bandeira do Chile das mãos do Comandante Eduardo.

Para que não esqueçamos, Eduardo oferece para cada um de nós um diploma marcando nossa presença na Base Fildes, uma garrafa de vinho com rótulo especial, em comemoração à Campanha Antártica 2012…e uma bandeira do Chile.

Foi demais. Fiquei arrepiado. Um frio gelado subiu por minha espinha. Lágrimas brotaram instantaneamente.

Eduardo e eu (todas as fotos desta pag são dos chilenos).

Olhei para meus companheiros. Todos choravam. Foi a maior emoção que já senti.

Alonso, meu velho guerreiro, recebe a garrafa.

Em retribuição coloquei a bandeira chilena, o “pabellón Nacional”a que ele se refere, no bolso superior esquerdo de meu macacão, “o lado do coração”, expliquei.

Plinio desaba ao receber a homenagem. Ele não resistiu…

E no mais puro portunhol, ou “antártico”, olhei para aqueles homens de pé, em círculo, e recitei:

Manoel, um guerreiro do Mar Sem Fim.

“Há homens que lutam um dia, e são bons;?há outros que lutam muitos dias, e são muito bons;?há homens que lutam muitos anos, e são melhores;?mas há os que lutam toda a vida, esses são os imprescindíveis!”

E concluí: “usteds, personal da base Fildes, son imprescindibles”.

“Muchas gracias por todo.”

A tripulação do Mar Sem Fim e um dos “imprescindíveis” chilenos.

Às 18 horas deixamos a base chilena em direção ao aeroporto.

Plininho, o maior caráter que já conheci, pessoa de lide fácil, ao mesmo tempo durão e emotivo, ganha a simpatia de qualquer cristão em segundos.

Com os chilenos não foi diferente.

Felipe, o segundo do Comandante Eduardo, vira-se para mim, aponta o Plínio, e diz: “Que personagem, João, que personagem!”

Quando Plininho sai da base os chilenos se perfilam e cantam Aquerela do Brasil aplaudindo meu amigo.

Fiz força pra não desabar outra vez.

Entramos no carro que nos levaria. Os chilenos se aproximam, abrem a porta e começam a gritar em uníssono:

Brasil: hip, hip, Urra!

Brasil: hip, hip, Urra!

Três vezes em seguida.

Às 18hs 42 do dia 7 de abril, emocionados e atordoados, levantamos vôo em direção à Punta Arenas.

Por hoje fico por aqui.

Tenho ainda milhares de detalhes pra contar. Agora não dá mais. A emoção impede.

Aguardem novos textos em breve.

 

 

 

COMPARTILHAR

15 COMENTÁRIOS

  1. Caro João, acompanho sua trajetória de anos na Radio e mais recentemente no mar, com as suas aventuras incríveis… compartilho twittes e mensagens com o Rodrigo Mesquita muitas vezes, pois trabalhamos no mundo da web… ele me disse quando tudo aconteceu que você estava bem.

    Escrevo para manifestar minha admiração e, mesmo sem te conhecer, enviar uma boa energia nesse momento que, imagino, deve estar sendo muito maluco.

    Sou empreendedor e sei o que é abandonar o seu filho e depois vê-lo partir.

    Grande abraço e breve retorno às aventuras marítimas!

    Bob

  2. João
    Tenho somente uma minima noção do que vcs passaram, no mar as coisas são sempre de dimensões enormes, sempre tive carinho pelo Mar sem fim na epoca que era o veleiro que tinha esse nome, foi quando os conheci em 2000 Eldorado Brasilis, e depois disso naveguei com o Alonso algumas vezes no Mar sem Fim.
    Espero que vc consiga superar as perdas e o luto, pois ter o barco naufragado é como enterrar um ente querido, muito mais que valores materiais. Tudo isso que vcs passaram juntos os ligaram de forma ainda mais forte e para sempre, existe um vinculo eterno entre pessoas que vivenciaram situações de perigo e perdas juntos.
    Mando para o Plininho um forte e apertado abraço, para o Alonso seu fiel escudeiro mando um carinhoso abraço e recomendações para que ele se cuide direitinho.
    E te desejo que bons ventos voltem a soprarem para que possa realizar seus sonhos.
    Beijos
    Christina
    Veleiro Aquarela

    • Christina: muito obrigado pela mensagem. Luto é pouco. A perda de um barco é um sofrimento terrível.
      Vou avisar aos outros de sua solidariedade.
      Bjs

  3. Olá João, se não se incomoda em chama-lo assim.

    Uma pena o que houve com seu Barco, maior ainda eu ter descoberto seu blog somente esta semana, após as notícias do naufrágio. Espero que você se recupere desse baque e retome suas aventuras o quanto antes.

    Engraçado é que eu acompanhei a série na Bandeirantes, ávido pelos desdobramentos. E já devo até ter lido sobre tí na revista Nautica, a qual sou frequente leitor.

    Obrigado pelas postagens, seu exemplo novamente alimenta meu espírito aventureiro, que infelizmente, ainda não coloquei em prática. Algum dia, saio da rotina e parto em aventuras, enquanto isso… vejo exemplos como o seu.

    Espero ter a oportunidada de nos encontra-mos.

    Saudações, Nelson Dourado

    P.S: Não seria possível deixar uma boia amarrada ao casco para tentar ergue-lo no próximo verão?

  4. João, a você e toda a tripulação do Mar SEM FIM (veja bem como é colocado) SEM FIM, merecem nossa soliedariedade e apoio pelos grandes momentos que desfrutamos em suas aventuras e como o próprio nome diz SEM FIM e como dizia o poeta “uns passarinho outros passarão” e creia, em pouco tempo os “problemas” que ora existam não mais existirão. Sempre se aprende algo novo com as mudanças. um grande abraço,

  5. Sou obrigado a discordar, pois vcs foram herois SIM. Lutaram até o ultimo momento. Os chilenos reconheceram a habilidade das manobras, e o pior era pra ser algo iminente, mas vcs lutaram e apenas foram vencidos pelo furacão que chegou, o que realmente é a força suprema da natureza e ninguem conseguiria.
    Vcs sairam a salvo, e isso é mais importante…. Sim, vcs foram herois de verdade. O pior era pra ter acontecido, e não aconteceu.
    Apenas a proa esta pra fora ( ou estava ). Existe algum metodo para resgatar o Mar Sem Fim quando o gelo derreter?

  6. Grande João! Mais uma aventura da qual você consegue sair mais ou menos ileso. Prova de que anjos da guarda realmente existem. O seu atende pelo nome de Plínio Sampaio Vidal Romeiro Jr… Seu discurso com a frase emprestada de Brecht também foi ótimo. Meus cumprimentos a ambos e também aos outros tripulantes que, naqueles difíceis momentos, souberam lutar pelo Mar Sem Fim e pela própria sobrevivência. Parabéns!

  7. “Há homens que lutam um dia, e são bons;
há outros que lutam muitos dias, e são muito bons;
há homens que lutam muitos anos, e são melhores;
mas há os que lutam toda a vida, esses são os imprescindíveis!”
    Linda frase João. E vc e todos do Mar Sem Fim são imprescindiveis, verdadeiros herois.
    O Mar Sem Fim encontrou o seu fim ( ou não ), mas o mais importante está no coração de todos vcs, e tenho certeza que esse sentimento, essa coragem de desbravar, de ir em busca de novos desafios vai estar sempre presente, e muito em breve voltará mais forte, para nos dar belissimas imagens, fotografias, relatos e historias.
    Vc é um heroi…

    • De jeito nenhum, Jailson. Herói, não. Apenas fizemos que tinha que ser feito. Graças a Deus estamos todos bem.
      Muito obrigado por seu correio. Ele nos estimula e dá força.
      Grande abraço e até breve.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here