Veneza, Sereníssima, engenharia pura e bom gosto

9
523
views

Veneza, Sereníssima, engenharia pura e bom gosto

Recentemente fizemos um post comentando as peripécias da China ao construir no mar. Falávamos da avançada engenharia que permitiu a construção da Ponte Hong Kong- Zuhai- Macau. A obra é de tal forma única que perguntamos, a engenharia doma o mar? Não se passaram duas semanas quando lembramos Veneza que, de fato, domou o mar. Só que, ao invés de ter acontecido no século 21, como a obra chinesa com todas as facilidades da tecnologia, aconteceu no século 5 d.C! Se um deles mereceu um comentário, o outro mais ainda, dado o ano em que a obra ousada foi construída. Quando nos lembramos de Veneza, evocamos as belíssimas construções às margens dos canais, as gôndolas; a riqueza e o esplendor de palácios e igrejas, mas pensamos pouco em como foi possível construir uma ‘cidade flutuante’ em plena idade média sobre uma lagoa. Como foi possível?

Voltando no tempo, quando os bárbaros rondam Roma

A história de Veneza começa no 5 º século d.C. Depois da queda do Império Romano do Ocidente. A cidade flutuante de Veneza foi construída em 118 ilhas no meio da Lagoa de Veneza (50.000 km²), à frente do Mar Adriático, norte da Itália. A cidade  consiste em 118 pequenas ilhas conectadas por numerosos canais e pontes. Os edifícios não foram construídos diretamente nas ilhas. Eles foram construídos em plataformas de madeira que foram apoiadas por estacas de madeira no chão. Por que alguém iria viver em uma ilha plana, lamacenta e encharcada no meio de uma lagoa? Medo! As pessoas fugiram de suas casas no continente quando os conquistadores bárbaros devastavam a Itália no século 5 d.C.

mapa de ataques bárbaros a Roma
Ilustração: eyewitnesstohistory.com.

Como as invasões continuaram em toda a Itália, e mais refugiados se juntaram aos primeiros colonos, surgiu a necessidade de construir uma nova cidade. Veneza é fruto do medo e necessidade.

Ilustração de invasões barbaras a Roma
Veneza foi uma resposta desesperada às invasões bárbaras

Como Veneza foi construída?

O site da UNESCO, explica: “Nesta lagoa a natureza e a história estão intimamente ligadas desde o século 5, quando as populações venezianas, para escapar de ataques bárbaros, encontraram refúgio nas ilhas arenosas de Torcello, Jesolo e Malamocco. Neste mar interior que tem sido continuamente ameaçado, surge em meio a um pequeno arquipélago, uma das mais extraordinárias áreas urbanas da Idade Média. De Torcello, ao norte, a Chioggia, ao sul, quase todas as pequenas ilhas tinham seu próprio assentamento, cidade, vila de pescadores e vila de artesãos (Murano).”

Quando os novos colonos chegaram às ilhas por volta de 402 d.C,  se depararam com a necessidade de mais espaço e uma base mais sólida para viver. Eles tinham que encontrar formas de fortalecer as ilhas, drená-las, ampliá-las e proteger o frágil ambiente . Então, cavaram centenas de canais e escoraram as margens com estacas de madeira.

imagem aérea de Veneza
Imagem:likefotos.com

Também usaram estacas de madeira similares como fundações para seus edifícios. Os colonos enfiaram milhares de pilhas de madeira na lama, tão próximas umas das outras que estavam se tocando.

ilustração mostrando operários colocando estacas para construir em Veneza
Ilustração: umwblogs.org/

Depois, cortaram os topos e criaram plataformas sólidas para as fundações de suas casas. A madeira não apodreceu porque estava debaixo d’água. É difícil acreditar, mas há muitos edifícios em Veneza hoje que ainda estão em sobre madeira de 1000 anos!

A eficiente técnica dos prédios de Veneza

ilustração de prédio antigo em Veneza
Ilustração :

Veneza, Patrimônio da Humanidade

Dá gosto ler o site da UNESCO ao descrever os motivos pelos quais a cidade foi tombada. Diferentemente dos enfadonhos guias turísticos, parece poesia de apaixonados por tamanha riqueza. Vejamos o que diz o primeiro critério: “Veneza é uma conquista artística única.  A lagoa de Veneza também tem uma das maiores concentrações de obras-primas do mundo: da Catedral de Torcello à igreja de Santa Maria della Salute. Os anos da extraordinária Era de Ouro da República são representados por monumentos de incomparável beleza: San Marco, Palazzo Ducale , San Zanipolo, Scuola de San Marco, Frari e Scuola de San Rocco, San Giorgio Maggiore, etc.

Elo entre Ocidente e Oriente

De acordo com o critério três, da Unesco, “Com o caráter incomum de um sítio arqueológico que ainda dá vida, Veneza é testemunha de si mesma. Esta amante dos mares é um elo entre o Oriente e o Ocidente, entre o Islão e o Cristianismo. E vive através de milhares de monumentos e vestígios de um tempo passado.”

imagem de Veneza e seus canais
imagem:Natasha Lazic.

O ecossistema do Mediterrâneo

Ainda segunda a UNESCO, “Na área do Mediterrâneo, a lagoa de Veneza representa um excelente exemplo de um habitat semi-lacustre que se tornou vulnerável como resultado de mudanças naturais e climáticas irreversíveis. Neste ecossistema coerente, onde as plataformas enlameadas  são tão importantes quanto as ilhas, os piquetes, as aldeias de pescadores e os campos de arroz precisam ser protegidos tanto quanto os palácios e igrejas.”

Veneza e nossa história

Critério (vi): Veneza simboliza a luta vitoriosa do povo contra os elementos que conseguiram dominar a natureza hostil. A cidade também está diretamente associada à história da humanidade. A “Rainha do Adriático“, empoleirada em suas minúsculas ilhas, estendia seu horizonte bem além da lagoa, do Adriático e do Mediterrâneo. Foi de Veneza que Marco Polo (1254-1324) partiu em busca da China, Annam, Tonkin, Sumatra, Índia e Pérsia. Seu túmulo em San Lorenzo lembra o papel dos mercadores venezianos na descoberta do mundo – depois dos árabes, mas bem antes dos portugueses.”

República de Veneza e a arte da navegação

A consequência de toda esta intimidade com os mares foi a transformação dos venezianos em peritos navegadores e construtores navais. Um dos povos que, ao longo da história, já teve seu momento de superpotência.

ilustrações de um leão, símbolo de Veneza

O site /mycountryeurope.com descreve: “No seu auge, ela governava o Adriático indiscutivelmente, controlava o comércio entre o Crescente Fértil e a Europa, controlava os Imperadores do Oriente, e podia com segurança ignorar a Santa Sé sempre que desejasse.”

imagem de uma galé de veneza
As galés, ou navios de guerra venezianos. Ilustração: Museo Storico Navale.

“Em 1381, derrotou o arquiinimigo, Gênova, em Chioggia. A partir daí  a república do Doge dominou toda a região do Mediterrâneo Oriental. Com cerca de 150.000 habitantes,  Veneza cresceu e se tornou a terceira maior cidade da Europa, depois de Paris e Nápoles. Uma grande potência européia – a rainha do Adriático – nasceu.”

Tintoretto mostra a conquista de Constantinopla pelos navios venezianos.

A política de Veneza e o poder naval

Uma rápida pitada de história para localizar o leitor no tempo e espaço. Além das tainhas e das enguias da lagoa e suas salinas, Veneza não produzia nada – nem trigo, nem madeira, e pouca carne. A cidade era vulnerável à fome, a única coisa que a mantinha segura era a capacidade de sair para o mar, comerciar. No início, ao saírem do Adriático, bateram de frente com piratas croatas, com quem guerrearam por mais de 150 anos.  A marinha de Veneza foi uma das primeiras a montar armas de pólvora a bordo de navios. E, através de um sistema organizado de estaleiros navais, arsenais e fabricantes de velas (o Arsenal de Veneza, que era uma das maiores concentrações de capacidade industrial anterior à Revolução Industrial) manter continuamente os navios no mar e rapidamente compensar quaisquer perdas.

ilustração da batalha de Lepanto entre Veneza e otomanos
Batalha de Lepanto, sec.16, da liga da qual Veneza fazia parte, contra os Otomanos.

A principal marinha do Mediterrâneo durante muitos séculos, desde o período medieval até o início da era moderna, deu a Veneza o controle e a influência sobre o comércio e a política no Mediterrâneo, muito além do tamanho da cidade e de sua população.

As origens

As origens da marinha veneziana estavam nas tradições das marinhas romana e bizantina. Veneza era originalmente um vassalo, depois um aliado do Império Bizantino. Utilizou técnicas navais e militares bizantinas. Neste momento havia pouca diferença entre as frotas mercantes e navais. Todos os navios tinham que ser capazes de se defender se a necessidade surgisse. No caso de hostilidades, navios e tripulações eram retirados do comércio para reforçar a frota de guerra. Sendo dispersos de volta à busca do comércio no final da emergência. Mesmo assim, havia dois tipos de embarcações, uma principalmente militar, e uma predominantemente mercantil.

Os tipos de barcos

A galera de vigas estreitas, deriva do trirreme, que por um milênio foi o principal navio do Mediterrâneo, usado por fenícios, gregos e romanos. Quando não estavam em uso como navios de guerra, eram usadas para transportar cargas de baixo valor e grandes volumes. A galera era um navio longo e fino. Precisava de espaço para dar espaço aos remos, mais remos mais potência. As várias evoluções das galeras levaram aos grupos de mais remos.

desenho de galera de Veneza
A galera de Veneza. Ilustração: http://movimentocaproni.altervista.org.

Também havia as galeras com até três mastros.

desenho de galeras de três mastros de Veneza
As galeras de três mastros. Ilustração http://movimentocaproni.altervista.org.

A nave tonda (navio redondo) derivada de navios romanos, era um navio largo e de vigas largas, com uma borda livre alta e vários decks. Foi projetado para o lucrativo transporte de carga. Impelido principalmente pelo vento, o navio redondo estava limitado a velejar antes do vento e, portanto, era menos manobrável e mais vulnerável a ataques. No entanto, em caso de guerra, eles poderiam ser usados como navios de suprimento e apoio.

desenho de 'nau redonda' de veneza
A ‘nave tonda’ ou ‘nau redonda’

Para terminar uma curiosidade técnica, quanto mais aumentava a tonelagem dos navios, maiores os obstáculos envolvidos nas águas rasas da lagoa. Um sistema tinha sido inventado para levantar navios usando caixões submersos chamados “camelos” aplicados ao longo dos lados.

imagem de navio construído em Veneza
O curioso navio e seu casco singular.

Fim do poderio de Veneza

Coincide com nosso começo…quer dizer, o poderio de Veneza começou a desabar quando os nautas portugueses dobraram o cabo da Boa Esperança, em 1498, tomando o comércio das mãos venezianas. Pouco tempo depois, as caravelas davam em Porto Seguro.

Este belo vídeo/animação mostra a epopéia da construção de Veneza. Enquanto isso, torcemos para que o aquecimento global não cause prejuízos demais a esta joia do planeta.

Fontes: https://www.ancient-origins.net/ancient-places-europe/construction-venice-floating-city-001750; https://venicegondola.com/en/venice-a-marvel-of-engineering/; http://www.venicebackstage.org/en/440/cosa-ce-sotto/; http://whc.unesco.org/en/list/394; http://venice.umwblogs.org/exhibit/the-conservation-of-venetian-building-materials/wood/; https://www.zainoo.com/en/italy/veneto/venice/history; http://movimentocaproni.altervista.org/blog/serenissima-la-flotta/ ; https://en.wikipedia.org/wiki/Galley; https://mycountryeurope.com/history-of-europe/venice-serenissima-maritime-empire/.

Imagem de abertura: Natasha Lazic

Arquipélago de Galápagos fascina desde Darwin

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

9 COMENTÁRIOS

  1. Super-interessante o artigo e cheio de informações inusitadas (afinal, o lugar é inusitado por natureza). Mas você deu dois “foras”, João. O primeiro é que Veneza não é uma “cidade flutuante”. Você mesmo descreveu como as construções são fincadas e ancoradas no solo lamacento através de estacas. Portanto, Veneza não “flutua” sobre a água, como flutua um barco. Os prédios não estão soltos sobre a água, que é o que significa flutuar.

    O segundo é que a lagoa de Veneza não tem 50.000 km². Uma área dessas seria maior que o país inteiro da Suíça ou da Holanda. A Itália inteira tem 300.000 km² e a lagoa certamente não tem um sexto da área do país todo. Pesquisei no Google e a lagoa de Veneza tem 550 km² (para comparação, também pesquisei e a Baía de Guanabara tem 412 km² – portanto, a lagoa de Veneza é maior e essa área já não é pequena de forma nenhuma).

    • Acabei de atinar que você provavelmente viu em algum lugar que a área da lagoa era de 55.000 HECTARES (o que está certo, pois 1 km² = 100 hectares) e se confundiu com as unidades. Ou então sua fonte se confundiu e você não atinou para as reais dimensões dessa suposta medida.

    • É jogado sem tratamento nenhum na lagoa desde mais de mil anos atrás. Nem haveria como construir uma rede de esgotos em Veneza, as construções e a estrutura da cidade são incompatíveis. A água dos canais é imunda e no verão a cidade fede horrivelmente. Há também uma parte moderna da cidade no continente que é uma cidade normal. Não tem charme nenhum, mas tem infraestrutura moderna e é onde vivem mais de 70% da população de Veneza, porque os imóveis na cidade histórica se dividem em duas categorias: os palácios superluxuosos e internamente reformados com instalações modernas, que são só para bilionários, e construções decrépitas sem comodidades modernas onde ninguém quer morar.

  2. Nunca fui a Veneza, terra natal de minha avó (Família De Franco), mas já me disseram que é um dos destinos de viagem mais belos do planeta, muito procurado por casais de turistas. Uma coisa interessante, comentada no texto, é que debaixo d’água a madeira não apresenta o ataque por fungos, que é o que mais compromete sua durabilidade, o que eu já tinha ouvido falar quando cursei Engenharia. Esse é o motivo de prédios de Veneza estarem apoiados em estacas de madeira com mil anos. Se o nível d’água baixasse, porém, a madeira molhada apodreceria muito rapidamente. É um erro fatal rebaixar o lençol freático com bombas onde há edifício sobre estacas de madeira.

    • Eu já fui e é realmente belíssima, MAS está sempre congestionada de turistas além do suportável (é impossível andar na Praça de São Marcos sem levar cotoveladas da multidão – literalmente – tentando tirar fotos) e também achei meio “Disneylândia” demais, não me senti numa cidade de verdade com gente levando sua vida diária como em qualquer outro lugar. E fui no inverno, o que significa que os canais não estavam malcheirosos, mas os relatos de quem esteve em Veneza no verão são de assustar nesse sentido.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here