Uma breve história da pesca, saiba como começou

6
5601
views

Breve história da pesca, saiba quando, e como começou…e quando vai acabar

“Os fósseis de peixes encontrados durante escavações arqueológicas parecem mostrar que o Homo habilis e o Homo erectus foram os primeiros pescadores, cerca de 500.000 anos atrás. No entanto, a pesca provavelmente só se desenvolveu realmente após o aparecimento do Homo sapiens durante o período do Paleolítico Superior, entre 40.000 e 10.000 anos a.C.” Uma breve história da pesca, com auxílio do site www.alimentarium.org,  é o nosso ponto de partida para hoje.

imagem de fóssil de peixe
Imagem, https://br.depositphotos.com/.

“Muito pouco se sabe sobre as diferentes práticas de pesca. Naquela época, a pesca de subsistência consistia na captura manual de peixes ou no uso de ferramentas rudimentares feitas de materiais naturais dos quais não havia vestígios. Teria sido praticada principalmente por populações estabelecidas perto de lagos e rios. A lança, a rede, a linha e a vara parecem ter aparecido quase simultaneamente no Egito por volta de 3500 a.C.”

A navegação pelo rio Nilo era vital para os egípcios. Tão importante, que a cena de um barco a vela subindo o Nilo acabou estampada nos hieróglifos. Não à toa, foram dos primeiros povos estabelecidos a praticarem a pesca.

imagem de tumba egípcia mostra homem pescando
Hervé Champollion – Pesca no Egito Antigo, relevo da parede, necrópole de Saqqara, século 24 a.C. © akg-images

Breve história da pesca na antiguidade Greco-Romana

“Durante a Antiguidade Greco-Romana, a pesca foi o assunto principal da Halieutika, o mais antigo tratado de pesca marítima escrito pelo poeta Oppian of Corycus (poeta greco-romano do século II ). Os romanos eram grandes consumidores e comerciantes dos recursos da bacia do Mediterrâneo.”

imagem de mosaico romano sobre pesca no século II
Mosaico Romano produzido no Século II retrata a pesca feita no Rio Nilo.

Já comentamos nestas páginas que cardumes de atuns serviram de alimento para os gregos e, posteriormente, para legiões  romanas. Hoje estão à mingua…”Eles pescavam principalmente usando diferentes tipos de redes. Como o princípio da refrigeração ainda não havia sido desenvolvido, o peixe que não era consumido imediatamente era fermentado e transformado em garum, um condimento popular.”

desenho de gladiadores lutando com redes e tridentes
Imagem, http://historyconflicts.com/.

“O tema da pesca aparece nas lutas de gladiadores do Império Romano. O retiarius estava armado com um tridente e uma rede de pesca. Seu oponente era o secutor, cujo capacete cobria todo o rosto e lembrava muito a cabeça de um peixe.”

História da pesca durante a Idade Média na Europa

“Durante a Idade Média na Europa, os senhores feudais possuíam os rios e lagos. A pesca no rio era estritamente regulamentada e permitida para pessoas em comunidades religiosas cujas dietas eram pontuadas por períodos de jejum.”

desenho de três homens pescando em um barco estilo viking
Detalhe de uma miniatura de três homens pescando em um barco estilo viking e capturando em uma rede um peixe duplo – Biblioteca Britânica MS Royal 2 B VII f. 73.

Os primeiros pescadores usavam redes perto da costa. Mas, com melhorias nos dispositivos de navegação e comunicação, a mobilidade dos navios de pesca aumentou bastante. Assim começaram a conquistar os oceanos.

“A partir do século 15, a pesca submarina e o comércio de peixes se expandiram. Os holandeses formaram frotas de drifters de arenque que puxavam uma longa rede de deriva e podiam permanecer no mar por semanas seguidas.”

imagem da pintura O Grande Mercado de Peixes, pintado por Jan Brueghel, o Velho
O Grande Mercado de Peixes, pintado por Jan Brueghel, o Velho (1568 – 1625)

Mas muito antes da Idade Média, a pesca já era praticada na Europa. O site www.historyoffishing.com, diz que “O sul da França tem cavernas e arte rupestre com mais de 16.000 anos e representa animais marinhos e caça submarina com arpões.”

A mesma fonte se refere aos primeiros anzóis: “um dos primeiros anzóis de pesca foi usado pelos nativos americanos da costa da Califórnia entre 7500 e 3000 anos atrás. Algumas outras tribos usavam toxinas vegetais para entorpecer o peixe e pescá-lo facilmente.”

E pensar que até hoje a ideia de pescar com bombas permanece, tanto no Brasil, como em outros países.

O arrasto teria começado no século 17

É inacreditável que a prática mais combatida hoje, a pesca de arrasto, tenha começado tantos séculos atrás. E persista matando cada vez mais, sempre arrasando o subsolo marinho, até os dias atuais. “As primeiras embarcações de arrasto apareceram na Grã-Bretanha no século 17, mas a pesca de arrasto expandiu-se rapidamente no século 19, quando as velas foram substituídas pela energia a vapor.”

desenho de navio de pesca holandês do século 18
G. Groenewegen (1789). “Coleção de oitenta e quatro navios holandeses”. J. van den Brink, Roterdã.

“Os barcos se tornaram maiores e mais poderosos, permitindo que eles puxassem redes largas em águas profundas. O comércio de frutos do mar se intensificou. A pequena cidade inglesa de Grimsby tornou-se um dos principais centros de pesca comercial da Europa. Ela foi conectada por uma linha ferroviária direta ao Billingsgate Fish Market de Londres (o maior mercado de peixe do mundo na época).”

Os primórdios da pesca esportiva

Pescar, como hobby, é algo que também começou mais cedo que pensávamos: “A primeira menção à pesca recreativa data do século 15. A partir do ensaio “Fysshynge wyth an Angle”, de Dame Juliana Berners, do convento beneditino de Sopwell. Este tipo de pesca tornou-se popular durante os séculos 16 e 17 e foi realizado em rios e lagos. Quando os primeiros barcos a motor apareceram no século 19, a pesca esportiva começou a ser popular.”

Ilustração do livro Fysshynge wyth an Angle.
Ilustração do livro Fysshynge wyth an Angle.

Apesar de ter se expandido exponencialmente, a pesca esportiva é das poucas, ao lado da caça submarina, não prejudicial ao estoque de peixes. Ao contrário, ambas geram empregos e renda e mantém os cardumes.

A pesca no século 20

Saltando para o século 20, relembramos que, ‘quando as velas foram substituídas pela energia a vapor a pesca de arrasto expandiu-se rapidamente no século 19’. Até aí, nada demais. Os problemas começaram mesmo, depois da Segunda Grande Guerra. As novas tecnologias que permitiram a vitória dos aliados foram maciçamente aplicadas à pesca. Começava um massacre que não parou, senão brevemente com a covid-19.

As redes de pesca, antes pequenas e dependentes de músculos humanos para serem puxadas, passaram a ter o apoio de guindastes hidráulicos. Como consequência, atingiram o tamanho de até 13 aviões jumbo!

desenho de super navio de pesca com redes medindo 13 aviões jumbo
É mole?

Radares e sonares, que antes detectavam submarinos alemães, tornaram-se baratos e mais eficientes, descobrindo cardumes onde quer que estejam. As novidades estimularam o crescimento das frotas industriais, que dobraram de tamanho entre 1950 até 2015.

O século 21, o último da história da pesca?

Um mundo sem guerras, fez com que a população aumentasse dramaticamente. Somos hoje quase oito bilhões de inquilinos na Terra. E, com a superpopulação, cresceram os problemas. Ecossistemas marinhos foram aterrados para dar lugar a novos bairros, caso dos manguezais, por exemplo. Enquanto outros, ainda mais importantes, foram internados em UTIs, morrendo à beça devido ao aquecimento global e acidificação das águas dos oceanos. Caso dos corais.

E o alto-mar, área até então inexplorada, passou a ser esquadrinhada por imensos navios pesqueiros, transformando esta parcela dos oceanos,  conhecida como ‘res communis  usus’  ou ‘coisa comum a todos’, em tema alarmante no Fórum Econômico Mundial, em 2015.

Não resta dúvida, hoje, que a pesca industrial é das atividades mais insustentáveis do planeta, amparada por indecentes subsídios anuais que atingem até US$ 35 bilhões de dólares,  e que também promovem a sobrepesca.

E a extração mineral em larga escala ainda não começou, mas está prestes a ser iniciada. Para alguns especialistas, será a pá de cal que está faltando. Enquanto isso, os oceanos lutam contra uma pandemia mortal…de plástico!

Não por outro motivo, o relatório da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) de 2018 alertava que ‘cerca de 93% dos estoques pesqueiros mundiais se encontram sobre-explotados ou plenamente explotados (60%)’.

As futuras gerações provavelmente comerão peixes. Mas peixes criados em laboratórios.

imagem de garção moderno com peixe
Solta um peixe de laboratório…

Felizmente, este escriba terá partido, não sem antes comer um bom e fresco peixe assado.

Imagem de abertura: touregypt.net

Fontes: http://www.historyoffishing.com/; https://www.alimentarium.org/en/knowledge/history-fishing; https://www.eolss.net/sample-chapters/C10/E5-01A-03-00.pdf; http://www.funag.gov.br/images/2018/Setembro/FAO/Apresentacoes/FabioHazin.pdf.

O padre voador, e seu fim no mar de Santa Catarina

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

6 COMENTÁRIOS

  1. Atualmente vejo na orla da lagoa Rodrigo de Freitas uma frequencia razoavel de pescadores, sejam os artesanais ou os ja paramentados com vara própria, canoa inflavel, etc. A Lagoa continua uma firme fonte de pesca a atrair amadores ou semi profissionais esfaimados…

  2. Matéria muito boa, parabéns e obrigado. A pesca com certeza foi elemento catalizador da atenção humana desde sempre, interferindo em processos importantes da formação do homem.

  3. Caro João Lara, seu artigo é muito interessante e traz uma bela perspectiva histórica de uma prática tão corriqueira. Senti falta apenas de alguma menção à relação dos povos indígenas com a pesca e das inúmeras comunidades ribeirinhas que de certo modo também são um capítulo dessa história. Um abraço!

  4. Com o caminhar da humanidade nos atuais padrões as crianças do futuro conhecerão sardinhas, bacalhaus, atuns e outros frutos do mar em projeções holográficas e museus.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here