Navio mercante holandês do século 17 é descoberto

2
8090
views

Navio mercante holandês do século 17 é descoberto em bom estado de conservação, mesmo debaixo d’água há 400 anos

Uma equipe de mergulhadores finlandeses estava atrás de naufrágios da Primeira e Segunda Grande Guerra no Mar Báltico, quando teve uma bela surpresa. Em vez de navios de guerra modernos, os mergulhadores encontraram um raro tipo de navio mercante holandês, conhecido como ‘fluit’, e quase totalmente preservado.

imagem de Navio mercante holandês naufragado
Vista do casco do lado bombordo da popa do naufrágio do navio fluit. Os orifícios decorados da janela da cabine de popa são visíveis. Imagem, Badewanne.

Navio mercante holandês do século 17 é descoberto

O navio estava a 85 metros de profundidade, na foz do Golfo da Finlândia, no Báltico. Os fluits eram navios de três mastros, que permitiam grande capacidade de carga. Eles foram dominantes no comércio do Báltico do final do século 16 até meados do século 18.

Este foi também o período em que a Holanda despontou como potência marítima de seu tempo. No entanto, poucos desses navios, outrora comuns, sobreviveram, mesmo como naufrágios.

Gravura de um navio fluit do século 17
Gravura de um navio fluit desenvolvido para o transporte de mercadorias a granel. Eram amplamente utilizados no transporte marítimo do Mar Báltico. Imagem, Nederlands Scheepvaartmuseum Amsterdam.

Os mergulhadores eram da equipe Badewanne, uma organização sem fins lucrativos  dedicada a documentar os naufrágios da região. O navio foi datado como sendo de 1636, e provavelmente seu nome era Swan, ou Cisne, revelaram.

As boas condições, mesmo estando há quase 400 anos afundado, se devem às características do Báltico, com baixa salinidade, escuridão total e temperaturas muito baixas que ajudam a manter em bom estado as madeiras usadas na construção.

PUBLICIDADE

Trata-se de processo parecido com o que já comentamos neste espaço do naufrágio mais antigo do mundo já descoberto (2.400 anos) e em ótimo estado no Mar Negro.

As novidades do fluit

Além de um amplo casco, e três velas, os fluits traziam novidades tecnológicas para a época. Eram fáceis de manobrar. Os navios tinham um inovador sistema de roldanas e talhas para içar e controlar as velas, o que fazia com que precisassem de poucos marinheiros para manobrá-lo, sobrando mais espaço para carga.

Imagem de mergulhador em caso de navio mercante holandês
Os detalhes bem visíveis mais de 400 anos depois. Imagem, Jouni Polkko.

Pela matéria do site Badewanne, ficamos sabendo que o  navio repousava sobre a quilha no fundo do mar, com a maior parte de seu cordame espalhado ao seu redor.

O naufrágio está intacto, os porões estão cheios e todas as tábuas laterais estão firmemente no lugar. Mesmo as peças e componentes danificados das decorações na madeira entalhada podem ser encontrados na parte inferior, atrás da popa.

Imagem do casco de navio mercante holandês do século 17
O casco em perfeito estado. Imagem, Badewanne.

Mas o site informa que ‘a rede de arrasto do navio estava danificada’. Não à toa, depois de tantos anos, não? Com isso descobrimos que desde os anos 1600 as famigeradas redes de arrasto já começavam a matar a vida marinha. É surpreendente que elas ainda sobrevivam até hoje.

Naufrágio é oportunidade para mais estudos

Ainda há muitas questões desconhecidas dos grandes povos navegadores do passado. Por isto esta descoberta é tão importante.

O Dr. Niklas Eriksson, arqueólogo marítimo da Universidade de Estocolmo, na Suécia, chamado para trabalhar na descoberta declarou:

“O naufrágio revela muitas das características do fluyt, mas também algumas características únicas, como a construção da popa. Pode ser que este seja um dos primeiros exemplos do design. O naufrágio, portanto, oferece uma oportunidade única de investigar o desenvolvimento de um tipo de navio que navegou por todo o mundo e se tornou a ferramenta que lançou as bases para a globalização moderna inicial.”

A equipe do Badewanne pretende agora fazer um filme da descoberta para a TV sueca.

Assista ao vídeo e veja em detalhes 

Imagem de abertura: Badewanne

Fontes: https://yle.fi/uutiset/osasto/news/watch_finnish_divers_discover_well-preserved_17th_century_shipwreck/11505324; https://www.independent.co.uk/news/world/europe/ship-wreck-baltic-sea-finland-divers-dutch-badewanne-b454195.html.

Atol das Rocas e Fernando de Noronha na mira da ANP

Comentários

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here