Mineração marinha em Parque australiano

0
314
views

Mineração marinha: Austrália abre investigação sobre organismo encarregado de proteger a Grande Barreira de Corais

AFP.

mineração marinha

Coral: Austrália reconheceu oficialmente em julho a degradação da Grande Barreira de Corais

Sidney – A Austrália abriu nesta quarta-feira uma investigação sobre o organismo encarregado de proteger a Grande Barreira de Corais depois que a imprensa informou que dois de seus membros teriam interesse direto na indústria da mineração marinha.

O ministro de Meio Ambiente Greg Hunt solicitou uma investigação depois que o canal ABC revelou esse possível conflito de interesse.

Tony Mooney é executivo da companhia de extração de carvão Guildford Coal e Jon Grayson é acionista da Gasfields Water and Waste Services, uma empresa que presta serviços em jazidas de gás.

Ambos são membros do diretório do Parque Marinho da Grande Barreira e participaram em um importante encontro no ano passado dedicado à possível construção de portos para mineração marinha no litoral do estado de Queensland (nordeste), diante da Barreira de Corais.

Os assessores científicos propuseram proibir a construção de novos portos desse tipo para evitar potenciais degradações da diversidade litorânea. No entanto, o diretório se limitou a afirmar que o impacto sobre a biodiversidade era um aspecto-chave e pediu para prosseguir com as consultas com as empresas interessadas em mineração marinha.

A Austrália reconheceu oficialmente em julho a degradação da Grande Barreira de Corais, cujo estado é classificado atualmente de medíocre e que a Unesco ameaça colocar na lista de locais em perigo.

A Grande Barreira de Corais, inscrita no patrimônio mundial da Unesco em 1981, perdeu mais da metade de seus corais durante os últimos 27 aos e se estende ao longo de 345.000 km2 do litoral australiano.

Saiba que o Brasil também esta prestes a iniciar a mineração marinha em águas territoriais no alto mar próximo ao Rio Grande do Sul. Este é mais um perigo que sofrem os oceanos hoje. A comunidade científica protesta em vão.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here